VI DOMINGO DA PÁSCOA

Leituras: At 8,5-8.14-17; Sl 65(66); 1Pd 3,15-18; Jo 14,14-21

POESIA

O ESPÍRITO SANTO, AO NOSSO LADO

Mandamento novo é o amor,
Que nos faz guardar no coração a verdade,
Que nos faz caminharmos na confiança,
Deixando que a vida seja liberdade,
Fazendo-nos mantermos a esperança.

Fazendo-nos mantermos a esperança,
Nos dias do nosso desafiante discipulado,
Mantendo-nos filhos fiéis e queridos,
Sob a luz do Espírito o nosso advogado,
Por Cristo Nosso Senhor prometido.

Por Cristo Nosso Senhor prometido,
O Espírito Santo é nosso defensor,
Que veio em Pentecostes, publicamente
Trazendo à Igreja um novo vigor,
E levar a Santa Palavra a todo gente.

E levar a Santa Palavra a todo gente,
Rompendo as barreiras de Israel,
Espalhando pelo mundo uma nova vida,
Como uma nação santa e povo fiel,
Construindo comunidades bem fortalecidas.

Construindo comunidades bem fortalecidas.
Na esperança e também na conversão,
Para o mundo velho assim transformar,
Dando para esperança sempre uma razão,
Deixando a semente de o Reino germinar.

Deixando a semente de o Reino germinar,
Na vida do trabalho e de cada dia,
Nos encontros de irmãos sempre reunidos,
Alimentados pela Palavra e a Eucaristia,
Igreja, novo povo, por Cristo redimido.

HOMILIA

Preparando-nos para Pentecostes

“Se me amais, guardareis os meus mandamentos” (Jo 14,15). Esta frase de Jesus nos faz pensarmos: Quando a gente ama alguém e confia nesta pessoa, sempre guardamos suas palavras e seus conselhos. Esta foi a motivação que Jesus fez para orientar os seus seguidores sobre as continuidade da sua missão. O discípulo que ama o Senhor guardará no seu coração e na sua vida, através de suas ações, o mandamento novo do amor. Viverá como Jesus viveu e buscará sempre ser uma presença que manifeste a imagem de Deus.

Jesus também promete: “eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro defensor para que permaneça convosco” (Jo 14,16). Este outro defensor é o Espírito Santo que estará sempre com os seguidores do Senhor nas mais diversas realidades do mundo. Os desafios serão imenso na propagação da palavra de Deus e o Espírito Santo estará conduzindo a missão pelo Reino, pois ele é o dom permanente de Cristo Ressuscitado que age no mundo.

O sexto Domingo da Páscoa nos coloca num clima de advento para Pentecostes, onde o próprio Jesus é o precursor[1]. Trata-se de espera alegre. E já preparando toda a Igreja para a manifestação pública do Paráclito sobre a Igreja que está nascendo. O Espírito Santo é aquele que estará ao lado dos primeiros missionários de Jesus e ao mesmo tempo germinando e fortalecendo o nascimento de novas comunidades.

Após a ressurreição de Jesus, a promessa dele se cumprirá: o Espírito Santo descerá para iluminar, defender e conduzir todo o percurso dos apóstolos. Eles sairão pelo mundo, encontrarão perseguições, denúncias, martírio, mas o Espírito os defenderá da tentação do medo e da desistência. Iluminados e conduzidos pelo Espírito eles perseverarão e seguirão em frente fazendo o bem. Curando as pessoas e, sobretudo fazendo nascer a Igreja, novo povo em torno do Ressuscitado.

Na primeira leitura, podemos comprovar a missão de Filipe, ele é um dos primeiros diáconos instituídos na primeira leitura do domingo passado. Fugindo das perseguições vai à Samaria. Lá as multidões seguem com atenção o que ele falava, porque viam os milagres e prodígios que eles fazia. (cf. At 8,6). Pedro e João vão também àquela cidade para que a comunidade, após o batismo, seja confirmada no Espírito Santo (cf. At 8,17).

Pedro na sua carta diante dos sofrimentos e perseguições, nos fala: “Estejam sempre prontos a da razão da vossa esperança, a todo aquele que vo-la pedir”. (1Pd 3,15). Esta consciência da fé em Cristo dos primeiros apóstolos, motivou a adesão de judeus e não judeus a viverem a partilha, a mansidão, o amor, a união e a conversão, pois, foi isto que Jesus pregou e viveu com os seus discípulos na Galileia.

Esta mesma fé, este mesmo Espírito está presente na vida da Igreja hoje. E a mesma missão também deve ser vivida por todos os cristãos. O Ressuscitado está na comunidade reunida, na assembleia que atenta escuta a Palavra de Deus. A presença do e a ação do Espírito Santo mantém a comunidade viva, iluminando, conduzindo, e defendendo o discípulo de tudo daquilo que pode afastá-lo da vida nova em Cristo.

Com a mesma força e com o mesmo vigor, o Paráclito nos ajuda a buscarmos, na nossa vida de oração, na nossa escuta da Palavra, na participação da Eucaristia, no dia a dia de nossa vida e missão, o motivo e a razão de nossa fé.

As perseguições poderão vir, as provocações poderão nos bater a porta, as tentações poderão nos provocar, mas se temos motivos para viver o nosso amor e a nossa fé no Ressuscitado, seguiremos em frente e faremos nascer novas comunidades em Cristo. Como também nos curaremos e ajudaremos muitos a se curarem e a encontrarem a razão e o motivo de sua esperança em Deus.

Muitas vezes não conseguimos avançar na conversão pessoal e na missão porque afastamos de nós a certeza da presença do Espírito que nos defende das armadilhas do mal. Em outros momentos não nos deixamos conduzir pelas luzes e dons divinos e pelo seu vigor. Talvez porque ainda não avançamos no nosso itinerário espiritual e ainda estamos como os discípulos na despedida de Jesus, antes da sua ressurreição, como que marcados pela tristeza e desânimo. Os cristãos devem levar aos outros, a alegria, o entusiasmo e a motivação diante das dificuldades que muitos vezes tiram o chão do pés de muitos.

Portanto, tudo depende do amor aos mandamentos de Cristo e a ele e também a nossa certeza na presença do Paráclito em nossa vida de discípulos. E, sobretudo da confiança num Deus que veio para nos comunicar o seu amor, nos ensinando como vivermos na irmandade e em comunidade.

Um Deus que não nos deixou órfãos, mas nos fez filhos através de seu Filho, nos dando o Espírito de Verdade e nos fazendo participantes do seu Reino levando a alegria do Evangelho ao mundo. Ele que nos deu a sua salvação e nos santifica como Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

[1] cf. CANTALAMESSA, Raniero. O Verbo se fez carne: reflexões sobre a Palavra de Deus – Anos A, B, C. São Paulo: Ave Maria, 2012. p. 86.
Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Eu particularmente, gosto muito de ver o agir do Santo Espírito, nas pessoas que se dispõe a pregar, orientar, vivenciar, esta verdade, que é a promessa para os nossos dias.
    Este que é a alma dá Igreja de Cristo.

  2. Maria Divina dos santos

    O Espírito Santo é nosso defensor! nos defende do mau pensamento, das angústias, das tristezas, da falta de esperança e da falta de fé! que esse Santo Espírito esteja sempre presente em nossas vidas nos livrando de todo mal! AMÉM!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.