5º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas paróquias ⇐
⇒ Fevereiro: Mês dedicado à Sagrada Família ⇐
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33)

 

Leituras: Is 58,7-10; Sl 111(112),4-5.6-7.8a.9 (R. 4a.3b); 1Cor 2,1-5; Jo 8,12; Mt 5,13-16

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Cristão sem esconder-se

Mt 5,13-16

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 5º Domingo do Tempo Comum, Ano A , nos motiva a contemplarmos Cristo como fonte do sal da terra e da luz do mundo. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 5,13-16, ainda no contexto do Sermão da Montanha (cf. Mt 5,1-7,29).

Disse o Senhor Jesus “assim também brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus” (Mt 5,16). Eis o que nos pede o Senhor neste 5º Domingo do Tempo Comum. Somos chamados a ser sal da terra e luz do mundo, não isolados, não em nós ou para nós mesmos.

Como discípulos de Cristo, banhados por Ele para sermos novas criaturas, somos convocados a ser sal da terra e luz do mundo, fortificados pela Eucaristia e iluminados pela Palavra, que nos sustentam e, ao mesmo tempo – a Eucaristia e a Palavra, nos dão um sentido completo e verdadeiro à nossa existência neste mundo.

O sal é símbolo de purificação, de sabor, de conservação e dá gosto aos alimentos. Nos tempos mais antigos, o sal foi visto como símbolo da sabedoria. Está mais para o nosso “ser”. Não o vemos entre a comida, mas sentimos a sua presença ou a sua ausência quando nos alimentamos.

Os cristãos são chamados a darem sentido ao ambiente da comunidade pela sua presença sábia, humilde, desprendida e de encontro. Às vezes uma presença tão simples e discreta de uma pessoa na comunidade, dá um imenso gosto ao ambiente quando estamos em reunião. E assim o cristão, como o sal deve conservar a força do Evangelho, procurando amenizar as podridões das diversas mortes terrenas, estimulando o sentido de ser discípulo, a sabedoria nas palavras e a ação com a força do amor.

A luz como símbolo do nosso Batismo e do próprio Cristo está mais para o nosso testemunho, por isso atinge os nossos olhos. Porém, o importante é que deixemos que ela possa iluminar o nosso caminho, porque a luz vem de Deus e, para iluminarmos mundo, precisamos primeiro deixar que ela nos preencha e nos irradie com sua claridade.

Os discípulos de Cristo no mundo representam esta presença iluminadora pelo testemunho de vida, que seguem o caminho da salvação. Deixam-se iluminar pelo Senhor e, ao mesmo tempo, iluminam o mundo com sua presença em meio a tantas trevas que escurecem as realidades humanas.

O profeta Isaías nos apresenta o que devemos fazer concretamente para deixar resplandecer a luz do Senhor. E diz: “Reparte o pão com o faminto, acolhe em casa os pobres e peregrinos. Quando encontrares um nu, cobre-o, e não desprezes a tua carne. Então, brilhará tua luz como a aurora e tua saúde há de recuperar-se mais depressa; à frente caminhará tua justiça e a glória do Senhor te seguirá” (Is 58,7-8).

Ser luz, segundo o profeta Isaías, é viver a caridade onde as carências dos irmãos devem ser vistas, ouvidas e atendidas. Olhando para a vida pública de Jesus, não percebemos outra coisa senão a caridade pura, através do perdão, da cura do corpo e da alma, do alimento, da escuta e da acolhida aos que eram marginalizados e, ao mesmo tempo, a promessa verdadeira da vida eterna.

E agora nos perguntamos: Como está nossa luz de cristãos no mundo? Como vislumbramos, entre nós o sentido, o sabor (o sal) da vida em Cristo? Inicialmente, o Senhor Jesus nos ensina que não podemos ser sal e luz fechados em nós mesmos e para nós mesmos, como lâmpadas escondidas debaixo de nosso individualismo e egoísmo.

Devemos sim ser luz para os outros a partir da presença de Cristo em nós, pela nossa ação de amor e fervor diante das pessoas que nos rodeiam. Deixar que resplandeça o amor, pela nossa fraternidade entre os irmãos e irmãs e pelas nossas ações diante dos que precisam de nós.

Devemos ser sal do mundo deixando que o nosso ser se preencha da alegria do Evangelho, porque os cristãos são chamados a terem presente no rosto sempre a alegria e nas atitudes, mesmo diante das cruzes, a força, o otimismo e os passos firmes e livres do medo de caminhar.

E quando for necessário pregar para as pessoas, que nossas palavras expressem o que somos e o que fazemos para o Senhor. Que o Espírito Santo seja o guia da nossa pregação e da nossa missão, como nos falou São Paulo: “Também a minha palavra e a minha pregação não tinham nada dos discursos persuasivos da sabedoria, mas eram uma demonstração do poder do Espírito, para que a vossa fé se baseasse no poder de Deus e não na sabedoria dos homens.” (1Cor 2,4-5).

Seja a nossa luz que vem de Cristo pelo Batismo o sinal da presença d’Ele. Seja o nosso sal a alegria que vem da Palavra e da Eucaristia para construir a paz de Cristo no mundo a partir de onde estamos e caminhamos. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Somo sal e luz do Senhor

 

Se queremos ser sal do mundo,
E a terra temperar,
Deixemos que a alegria,
E o Espírito Santo que nos contagia,
Em nós venha habitar!
*
Se queremos ser luz do mundo,
Clareando a escuridão,
Deixemos que o Esplendor,
Da Luz santa do Senhor,
Nos ilumine em imensidão!
*
Se queremos em meio às trevas,
Caminhar iluminando,
Acolhamos a força da vida,
Pela Ressurreição acontecida,
E o Evangelho semeando!
*
Se queremos dar sabor à vida,
E seu sentido buscar,
Busquemos na Eucaristia,
A força do amor e da alegria,
Em nós a se revelar!
*
Sejamos o sal e a luz,
Sentido e iluminação,
Nas obras concretas da caridade,
Pela justiça, paz e verdade,
Caminho de libertação.

 

*   *   *

 

“O sermão das bem-aventuranças”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/13418>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, a fonte do sal da terra e da luz do mundo, ilumine o seu caminho! 

 

 

4º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33)

 

Leituras: Sf 2,3;3,12-13; Sl 145(146),7.8-9a.9bc-10 (R. Mt 5,3); 1Cor 1,26-31; Mt 5,12a; Mt 5,1-12a

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Felizes os que vivem em Cristo

Mt 5,1-12

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 4º Domingo do Tempo Comum, Ano A , nos motiva a contemplarmos a beleza e o sentido das bem-aventuranças. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 5,1-12.

As bem-aventuranças situam-se no Sermão da Montanha, sendo destinadas aos discípulos e à multidão. Precisamos refletir sobre o sentido mais profundo das bem-aventuranças e podemos nos perguntar: será que a nossa prática cristã, no dia-a-dia de nossa caminhada, consegue expressar, pelas nossas atitudes, as bem-aventuranças?

Precisamos olhar para o Senhor Jesus com o objetivo de perceber como Ele viveu as bem-aventuranças na Galileia. A Sua pregação refletia a própria vida junto aos pobres, aos injustiçados, aos doentes e aos discriminados. E em frente às multidões e aos discípulos, o Senhor apresenta o que, na verdade, poderia trazer felicidade àqueles que quisessem trilhar os caminhos do Reino de Deus e ganhar a salvação eterna.

E a lógica das bem-aventuranças nos ensina e nos prova que a verdadeira felicidade está no coração do homem que vive a prática do amor e da paz. Um amor traduzido numa vida totalmente livre das amarras da alienação e do medo, numa atitude serena no modo de anunciar a justiça e de lutar pela dignidade humana, mesmo nos momentos de tribulações, perseguições, sofrimentos e calúnias.

A Primeira Leitura desta Liturgia é a profecia, em Sofonias, sobre os remanescentes de Israel, também chamados de “os pobres de Israel”. Sofonias, profeta em Jerusalém na época do rei Josias (639-609), é portador de esperança num contexto de violência e opressão, pois após o reinado de Josias, Judá passa a vivenciar todo tipo de insegurança institucional e em seguida o exílio babilônico.

A profecia de Sofonias diz: “deixarei entre vós um punhado de homens humildes e pobres. E no nome do Senhor porá sua esperança (…) Eles não cometerão iniquidades nem falarão mentiras; não se encontrará em sua boca uma língua enganadora; serão apascentados e repousarão, e ninguém os molestará.” (Sf 3,12-13).

Portanto, irmãos e irmãs, a profecia era esperança para os que enfrentavam o exílio e também, séculos depois, para os discípulos e para a multidão presente no Sermão da Montanha (cf. Mt 5,1). Assim, as bem-aventuranças precisam encontrar um coração humilde e justo para que haja a vivência da mansidão, da pobreza em espírito, a misericórdia e a paz.

Já na Segunda Leitura desta Liturgia, o apóstolo São Paulo, escrevendo aos coríntios, também nos fala que “Deus escolheu o que o mundo considera como estúpido, para assim confundir os sábios; Deus escolheu o que o mundo considera como fraco, para assim confundir o que é forte” (1Cor 1,27). A lógica de Deus estará na contramão do nosso mundo material, consumista, dominador, explorador, prepotente e injusto.

Os cristãos serão parecidos com Cristo quando viverem como Ele viveu, do mesmo modo que Ele mesmo percorreu o caminho das bem-aventuranças. Ele foi manso com os prepotentes, humilde com os arrogantes, justo frente aos injustos, pobre em meio aos pobres e também aos ricos. Calou na hora certa, mas também anunciou e denunciou nos momentos necessários. A Sua pregação não foi para um grupo específico, foi para todos e quem acolheu a Sua mensagem entendeu o sentido da verdadeira felicidade.

Nós todos seremos bem-aventurados, isto é, felizes, quando entendermos a lógica da pregação evangélica e a praticarmos em nossa vida diária. Seremos felizes de verdade quando nossas atitudes forem coerentes com o Evangelho. A pobreza de coração, a mansidão, a justiça, a paz e a misericórdia só terão sentido, e mesmo serão percebidas e seguidas, quando estiverem presentes em nossas ações, ou seja, em nosso testemunho.

Talvez o maior desafio dos cristãos para vivenciarem as bem-aventuranças seja a dificuldade de entender que, na prática, exige-se doação de si, desapego às ideias materialistas e egoístas e, sobretudo, aceitar o sofrimento e a perseguição, ou seja, a cruz de Cristo como modelo.

O Senhor Jesus nos dirá pelo evangelista Mateus: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus” (Mt 5,11-12a). Busquemos viver uma experiência profunda de Deus e assim entenderemos a profundidade das bem-aventuranças. A nossa recompensa e felicidade perfeita, portanto, será a posse da Terra Celeste, o Céu, isto é, a nossa salvação. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

A felicidade em Cristo

 

A felicidade está
No coração desapegado,
Que não vive a escravidão
Da sedução do pecado,
Em quem vive a certeza,
No Deus amor encarnado.
*
A felicidade está
Na pessoa em liberdade,
Que caminha com firmeza,
Com os outros em irmandade,
Em quem busca a justiça,
A paz e a fraternidade.
*
A felicidade está
Nos que vivem a doação,
Guiados pelo Santo Espírito,
Vivendo a compaixão,
Ao lado daqueles que choram,
Fazendo a consolação.
*
A felicidade está
Nos que vivem a pregar
Servindo com o dom do amor,
Sem o outro explorar,
Vivendo a entrega completa,
E o testemunho a falar.
*
A felicidade está
Na mesa santa do amor,
Na pobreza de Espírito,
Vivida por Nosso Senhor,
No discípulo em missão,
Com entusiasmo e ardor.
*
A felicidade estará
Na Terra Santa e Prometida,
Morada da eternidade,
Por Deus estabelecida
No caminho mais perfeito,
Para verdadeira vida.

 

*   *   *

 

“O sermão das bem-aventuranças”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/13418>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos apresenta a beleza e o sentido das bem-aventuranças, ilumine o seu caminho! 

 

 

3º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «
⇒ Domingo da Palavra de Deus 

 

Leituras: Is 8,23b-9,3; Sl 26(27),1.4.13-14 (R. 1a.1c); 1Cor 1,10-13.17; cf. Mt 4,23; Mt 4,12-23 (mais longo); Mt 4,12-17 (mais breve)

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Ele está no Meio de Nós

Mt 4,12-23 (mais longo); Mt 4,12-17 (mais breve)

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum, Ano A , nos motiva a contemplarmos, pelo evangelista Mateus, os primeiros passos do Filho de Deus em direção aos Seus discípulos e, consequentemente, no meio de nós. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 4,12-23 (na versão mais longa) ou em Mt 4,12-17 (na versão mais breve).

A nossa caminhada com o Senhor está bem no início e podemos contemplar a Sua luz brilhando no mundo, pois o Senhor Jesus é a presença concreta do Reino de Deus entre nós. Isto pela sua mensagem, pelos seus milagres e pela sua ação salvadora, através da Sua compaixão, pela Sua paixão, morte, ressurreição e glorificação.

O evangelista Mateus nos informa que Jesus foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, no território de Zabulon e Neftali (cf. Mt 4,13) e essa região é a mesma anunciada pelo profeta Isaías ao se referir ao povo de Israel quando era escravo e oprimido pelos assírios, por volta do séc. VIII a.C. Por isso o profeta Isaias anuncia a esperança para aquele povo. E diz: “O povo, que andava na escuridão, viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandece” (Is 9,1).

Informado o contexto no qual o Evangelista nos apresenta, vemos que a presença do Senhor Jesus na Galileia é o cumprimento daquilo que o profeta Isaías anunciou: agora chegou a salvação para o povo que andava nas trevas (cf. Is 9,1). Ele é a grande luz presente no mundo, pois anuncia a conversão, cura as enfermidades e, ao mesmo tempo, chama colaboradores para a missão, porque Ele já é a presença do Reino em nosso meio.

Neste Evangelho também constatamos o chamado de Jesus aos primeiros discípulos, Simão Pedro e André, Tiago e João. Eles estavam na pesca. Pedro e André estavam lançando as redes e Tiago e João consertavam as redes na barca. Eram trabalhadores dedicados, mas o Chamado faz com que eles mudem imediatamente o percurso de suas vidas, seguindo, a partir daquele momento, o caminho de Jesus. Eles seguem imediatamente o Mestre, para anunciar, por toda a Galileia, que chegou a salvação.

Faz-se necessário que todos conheçam os ensinamentos sobre o Reino. Era preciso reconhecer a força de Deus em Jesus, o Filho amado que veio morar com o Seu povo. Os discípulos são os primeiros colaboradores de Cristo (cf. Jo 1,41) para que o Reino de Deus possa chegar a todo o mundo, pois a Palavra deve se espalhar pelas nações para fermentar o coração da humanidade proporcionando sentido de vida e libertação.

Na Segunda Leitura desta Liturgia, o apostolo São Paulo nos ensina como sermos irmãos em Cristo, de tal modo que não sejamos causa de divisão na comunidade, pois o poder de Deus está na comunhão e na caridade. Assim nos fala o Apóstolo: “Irmãos, eu vos exorto, pelo nome do Senhor nosso, Jesus Cristo, a que sejais todos concordes uns com os outros e não admitais divisões entre vós.” (1Cor 1,10).

Tanto nós, como os primeiros discípulos, somos chamados a mudar o nosso percurso para seguir o caminho de Jesus. Somos convocados pelo Batismo a formarmos a comunidade de amor que o Senhor deseja. Somos chamados a anunciar o Reino, pois Ele está próximo de nós, está nas curas que Deus propicia, nas ações comunitárias, na luta por justiça, na fraternidade, na paz e na comunhão.

Deus opera milagres em nossas vidas, principalmente quando vamos nos convertendo cada vez mais ao Seu Evangelho. Converter-se é trazer em nossa vida as mesmas atitudes de Jesus. E a Igreja nos ensina que o Senhor está presente de cinco modos na Missa, na celebração eucarística: está presente na pessoa do sacerdote, na Eucaristia, nos sacramentos, na Sagrada Escritura proclamada e quando a Igreja reza e canta (cf. SC 7) (1).

Em Cristo somos livres e, ao mesmo tempo, somos chamados a libertar os outros como membros da comunidade viva de Cristo, a Igreja. O mar, no sentido bíblico, simboliza os perigos e as trevas. Os discípulos saíram dessa escuridão para seguir a Luz do Senhor e, seguindo essa Luz, vão vencendo os perigos que podem levá-los aos tormentos presentes no mundo. Assim somos nós, os cristãos no mundo de hoje, discípulos e missionários em meio aos desafios e às trevas mas confiantes na Luz de Cristo que nos ilumina, que nos fortalece e que nos indica o caminho que, juntamente com os irmãos em Cristo, devemos seguir.

Que o Senhor nos abençoe e nos conduza na missão evangelizadora que Ele mesmo nos confiou. Que nossa missão seja concretizada no nosso testemunho de discípulos missionários. Que antes de pregarmos aos outros, possamos ter a convicção de que “O Senhor é minha Luz e Salvação. O Senhor é a proteção da minha vida” [cf. Sl 26(27),1]. Por fim, possamos ouvir o apóstolo São Paulo que, na Primeira Carta aos Coríntios, nos transmite uma exortação para que não sejamos nem de um grupo nem de outro, mas membros do povo do Senhor (cf. 1Cor 1,12). Amém!

*   *   *
(1) cf. SANTA SÉ. Sacrosanctum Concilium: Constituição conciliar sobre a sagrada liturgia. 1963. Disponível em: <https://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19631204_sacrosanctum-concilium_po.html>. Acesso em: 21 jan. 2023. 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Tão Perto de nós, ó Senhor

 

Tão perto de nós, ó Senhor,
Na Sua Palavra forte,
Falando-nos da vida e do amor,
Tirando-nos do caminho da morte,
Assembleia viva em louvor,
No encontro que nos conforte.
*
Tão perto de nós, ó Senhor,
Pelo Seu Corpo santo e vivo,
Que nos alegra e nos faz prosseguir,
Unindo-nos a Ele num caminhar ativo,
Fazendo-se também Corpo se sentir,
Sendo Fermento, Sal e Luz, o Motivo.
*
Tão perto de nós, ó Senhor,
Nos Teus amigos anunciadores,
Discípulos da justiça e da vida,
Tua boca frente aos opressores,
Teus pés e tuas mãos envolvidas,
Nos tantos e tantos semeadores.
*
Tão perto ainda, ó Senhor!
Nos pobres e tantos sofridos,
Tuas chagas em tantos irmãos,
Partilhando Tua cruz nos desvalidos,
Que buscam em Ti compaixão,
E esperam serem acolhidos.
*
E tão perto de nós, ó Senhor
Pede-nos em nós a mudança,
Para não sermos filhos descrentes,
Pois Seu caminho é luz e esperança,
Mesmo no silêncio está presente,
E Seu amor nunca se cansa!

 

*   *   *

 

“A vocação de São Pedro e Santo André” In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4458> e “A vocação de São Tiago e São João” In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4460>, de J. Tissot (1836-1902).

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, presença concreta do Reino de Deus entre nós, ilumine o seu caminho! 

 

 

2º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Is 49,3.5-6; Sl 39(40),2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R. 8a.9a); 1Cor 1,1-3; Jo 1,14a.12a; Jo 1,29-34

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Batizados em Cristo

Jo 1,29-34

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 2º Domingo do Tempo Comum, Ano A, nos motiva a contemplarmos o início do Tempo Comum no qual São João Batista indica Nosso Senhor Jesus Cristo como “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 1,29-34.

Após a solenidade da Epifania e a Festa do Batismo do Senhor, nós entramos no chamado Tempo Comum, período que contemplamos a ação do Verbo de Deus na história dos homens. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (cf. Jo 1,29), porque mergulhou em nossa realidade humana, santificou as águas e trouxe o batismo no Espírito Santo para resgatar a nossa imagem, a fim de que se assemelhe à d’Ele.

No Evangelho de hoje (cf. Jo 1,29-34) São João Batista indica Nosso Senhor e confirma o que ele já tinha anunciado nas suas pregações pelo deserto e o próprio João Batista também faz uma memória do acontecimento do batismo de Jesus e a sua experiência de ter visto o Espírito Santo descer e permanecer (cf. Jo 1,33), como ouvimos na Liturgia da Festa do Batismo do Senhor (cf. Mt 3,13-17).

O profeta Isaías nos fala do Servo de Israel, que será luz das nações e que trará a salvação até os confins da terra (cf. Is 49,3-6). Para nós, cristãos, Jesus é este servo, o Cordeiro que agora se entrega para salvar todos do pecado original. Ele traz a redenção e a paz para o mundo.

São Paulo, no início da Primeira Carta aos Coríntios, dirige uma mensagem aos que encontraram em Cristo o fundamento da santidade. Os que estão em Cristo são chamados a viver os mesmos sentimentos dele (cf.1Cor 1,2-4). Por isso os batizados têm a missão de serem santos dentro das diversas realidades do mundo.

Como fermento que transforma a massa e que a faz crescer, a missão dos cristãos, dos batizados no Espírito Santo é fazer crescer a força do Evangelho no mundo, vivendo a santidade com os pés firmes no chão da vida e iluminando os outros para também trilharem o mesmo caminho. Esta é a “missão de todos nós”(1).

Não podemos viver uma espiritualidade mergulhada no isolamento e no intimismo, alheios às realidades concretas da vida as quais estamos inseridos. Onde quer que estejamos, somos chamados a dar testemunho do que vivemos e também dar testemunho nas realidades onde estão ausentes os valores do Evangelho.

No seguimento a Cristo, somos também chamados a tirar o pecado do mundo. Ser seguidor é anunciar a justiça, é construir a fraternidade, vencer os males que afetam a realidade humana. Todas as vezes que nos reunimos para rezar, para planejar as ações de amor e de caridade estamos contribuindo para que a miséria que está no mundo seja diminuída.

Quando nos alimentamos do Corpo e do Sangue do Senhor, apresentados no altar de ação de graças e da doação do amor, somos também nutridos para vivermos, com perseverança e força, a missão que o Senhor nos confiou. A apresentação do Cordeiro na Mesa da Eucaristia nos motiva a recordar a atitude de São João Batista e fazermos o mesmo que ele fez: apontar para Cristo e apresenta-Lo aos que ainda não O encontraram.

Olhemos para o Cordeiro que agora nos oferece um banquete fraterno e santo para nossa salvação e perguntemo-nos: somos capazes de reconhecer os nossos pecados dos quais Cristo quer nos tirar? Quais são os pecados do mundo os quais estamos envolvidos? Que pecados queremos que Cristo tire do mundo, com a nossa colaboração?

São muitos os pecados os quais praticamos e que, de certa forma, podemos nomear nos dias de hoje: as injustiças sociais, a corrupção, as guerras, a opressão e a falta de acolhimento aos refugiados, as ambições, o egoísmo, o individualismo e, sobretudo, a omissão dos cristãos quando é preciso levantar a voz e defender a vida e a justiça.

Mas não esqueçamos dos tantos discípulos do Senhor (Bispos, padres, diáconos, religiosos e leigos) que se dedicam ao Reino com empenho através das missões nas dioceses, nas paróquias, nas comunidades e também os missionários além fronteiras, os que se envolvem em favor da justiça, da paz e do amor. Rezemos por todos os que semeiam, com fidelidade, entusiasmo e coragem a alegria do Evangelho.

Peçamos ao Espírito Divino que ilumine as nossas ações e os nossos corações para vencermos o medo e o comodismo e que nos venha a coragem de tomarmos consciência de nossos erros, os quais trazem consequências para a humanidade se distanciar da vida verdadeira. Que o Banquete do Cordeiro alimente a nossa vontade de vivermos fielmente o nosso batismo no Espírito de Deus em virtude de fazermos a experiência dos discípulos missionários neste mundo marcado por tantas controvérsias. Amém.

*   *   *
(1) Trecho da letra da música “Missão de todos nós”, de Zé Vicente. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gWj-XoDuuGc>. Acesso em: 18 jan. 2020.
 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Ele é o nosso Cordeiro

 

Olhemos para o altar,
Para o Cordeiro imolado,
Pedimos, Deus nos venha salvar,
Nos livrando do pecado.
*
Ouvindo o que Ele nos diz,
Nutrindo nosso coração,
Pedimos que nos faça feliz,
A vivermos como irmãos.
*
Entrando em Sua morada,
E com os irmãos encontrando,
Queremos a paz anunciada,
E no amor comungando.
*
Nosso Cordeiro amado,
Entregou-se em humildade,
E ao Seu Banquete integrados,
Vivemos a fraternidade.
*
Seu alimento é vida,
E a nós se ofertou
Fonte de eterna acolhida,
Pois a morte derrotou.
*
E a nós, os batizados,
No Espírito abrasador,
Sejamos também enviados,
Do santo e vivo amor.
*
E pelo o mundo em missão,
Levemos sempre a verdade,
O Evangelho em ação,
Salve toda a humanidade.
*
E no Batismo ardente,
Luz do Espírito que irradia,
Preencha-nos a alma e a mente,
De pura e repleta alegria.

 

*   *   *

 

“São João Batista vê Nosso Senhor Jesus de longe”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4450>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, ilumine o seu caminho! 

 

 

Solenidade da Epifania do Senhor (2023)

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ Ciclo das Rosas: (i) Tomada de hábito de Santa Teresinha do Menino Jesus – em dia 10 de janeiro de 1889 ⇐
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Is 60,1-6; Sl 71(72),1-2.7-8.10-11.12-13 (R. cf. 11); Ef 3,2-3a.5-6; cf. Mt 2,2; Mt 2,1-12

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

A Luz do Senhor Atrai os Magos do Oriente

Mt 2,1-12

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia da Solenidade da Epifania do Senhor, neste ano, o último Domingo do Tempo do Natal, nos motiva a contemplarmos o mistério da encarnação do Verbo de Deus, agora com a adoração dos magos do Oriente. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 2,1-12, passagem que está localizada na primeira parte do Evangelho Segundo São Mateus intitulada “O nascimento e a infância de Jesus”.

Nesta Liturgia, Jesus, pequenino, está com a Sua Mãe, em Belém, recebendo dos magos do Oriente, a adoração e os presentes (o ouro, o incenso e a mirra). A palavra epifania, de origem grega, significa manifestação e, com esta Liturgia, a Igreja nos mostra que Deus se manifesta, através dos sábios da Pérsia, a todos os povos.

No Evangelho de hoje, o evangelista Mateus (cf. 2,1-12) narra o nascimento de Jesus em Belém e nos situa dentro do reinado de Herodes, o Grande, o qual se sente ameaçado por tal acontecimento e procura encontrar o Menino (cf. Mt 2,3). Os especialistas nas escrituras, que estavam a serviço de Herodes, localizam uma profecia de Miqueias (cf. 5,1-4) sobre o nascimento do Messias em Belém.

Em cena aparecem os magos do Oriente, que, mesmo não tendo as Escrituras, querem chegar até o Rei dos judeus que acabara de nascer (cf. Mt 2,2). Herodes, astutamente, pediu a ajuda dos magos para chegar até o Menino. Mas os magos, avisados em sonho, voltaram por outro caminho. (cf. Mt 2,12).

A Liturgia de hoje, irmãos e irmãs, nos ensina que os magos representam os gentios que buscam e acolhem a salvação de Deus. Estar com o Menino Jesus é o objetivo dos que querem encontrar-se com Deus. São Paulo, na sua Carta aos Efésios, ainda reforça que: “os pagãos são admitidos (…) membros do corpo, são associados à mesma promessa em Jesus Cristo…” (Ef 3,6).

Outro ensinamento é sobre as ofertas dos magos que foram entregues depois de adorarem o Menino (cf. Mt 2,1-12). O ouro é o reconhecimento da realeza de Cristo. O incenso reconhece a Sua divindade. Já a mirra nos traz duas indicações: que Jesus veio para aliviar o sofrimento dos pobres e que Seu corpo humano, mesmo incorruptível, terá tratamento, terá unção, antes da Ressurreição.

Um terceiro ensinamento, da Liturgia da Epifania do Senhor, diz respeito ao retorno dos magos. Sim, eles retornaram por outro caminho para fugir da astúcia de Herodes, mas também porque o encontro com Deus, na pessoa do Filho, fez deles homens renovados, alegres e convertidos. Por isso, seguem um novo caminho em suas vidas.

Portanto, irmãos e irmãs, esta Liturgia nos motiva a buscarmos constantemente o encontro com a pessoa do Filho “muito amado” do Pai, pois Cristo quer “fazer novas todas as coisas”, quer que sejamos discípulos muito amados por Ele. Nós, por outro lado, devemos participar da Eucaristia sempre como um ato louvor e de adoração, alegres pela busca de Deus. E então, podemos nos perguntar: O que tenho oferecido a Deus? Que dons tenho colocado a serviço do Reino?

Por fim, rogamos a Nossa Senhora do Sorriso, que curou Santa Teresinha do que hoje chamamos de depressão, que interceda para que possamos receber o Espírito Santo, Espírito da Fortaleza necessário para rompermos com tudo aquilo que nos impede de colocar nossos dons aos pés do Rei dos reis. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Caminhar em Busca do Menino

 

Seguindo a estrela de Belém,
No desejo de encontrar o Senhor,
Vão os sábios do Oriente,
Com o coração ardente,
Prontos para adorar,
E também para ofertar,
Os seus simbólicos presentes.
*
O encontro com o Menino Deus,
Converte os magos caminheiros,
Seguem um rumo transformado,
As trilhas são de homens renovados,
Que levam a divina alegria,
Pra eles, antes não existia,
Sonho santo e realizado.
*
Este caminho todos devemos seguir,
Via do Deus amor e encarnado,
Convictos de um constante converter,
Adorando o Senhor para na fé crescer,
Num caminho de viva evangelização,
Marcado pelo amor e pela conversão,
E como discípulos nossos dons oferecer.
*
Não façamos como o rei tirano e solitário,
Que somente quis saber onde nasceu o Salvador,
Não trilhou o caminho para até lá chegar,
Pois teve medo de perder o seu lugar.
Porque o reinado do Senhor é diferente,
É de amor e para todos, como presente,
Aos que querem sempre O encontrar.
*
Carreguemos o sentido da salvação universal,
Onde todos têm direito aos dons divinos.
Pois, todo homem é chamado à conversão,
De qualquer canto do mundo ou nação,
Basta abrir o coração à grande novidade,
Porque Deus veio morar na humanidade,
Para nos presentear com a salvação.

 

*   *   *

 

“A Adoração dos Magos”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4437>. Imagem da Rosa: In <gratispng.com/png-uj22en>

 

⇒ Que, a exemplo dos magos do Oriente, possamos adorar o Menino Deus, ofertar nossos dons e assim caminharmos por um caminho novo, como homens e mulheres renovados e convertidos! 

 

 

Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus (2023)

Oitava de Natal

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ Ciclo das Rosas: (i) No dia 2 de janeiro de 1873 nascimento de Santa Teresinha e (ii) no dia 4 de janeiro de 1873 o seu Batismo
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Nm 6,22-27; Sl 66(67),2-3.5.6.8 (R. 2a); Gl 4,4-7; Hb 1,1-2; Lc 2,16-21

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Celebremos a Paz Junto à Santa Mãe de Deus

Lc 2,1-6

 

Meus irmãos e minhas irmãs, neste dia 1º de janeiro celebremos a paz junto à Nossa Senhora e ao Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo. A Liturgia da Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, ainda no Tempo do Natal, nos mantém na proximidade da revelação do grande mistério da encarnação do Verbo de Deus. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 2,16-21.

Nesta Liturgia, Jesus está, inicialmente, envolto em faixas e, depois, sendo circuncidado, um sinal da aliança de Deus com Abraão (cf. Gn 17,1-27). Também esta Liturgia nos remete ao Dia Mundial da Paz, instituído por proposta do Papa São Paulo VI(1) e que neste ano a mensagem do Papa Francisco é dedicada ao tema da superação das dificuldades geradas a partir da pandemia do Covid-19, da guerra na Ucrânia e da esperança de que o coração dos homens e das mulheres se convertam às necessidades humanas numa perspectiva fraterna para edificar o Reino de Deus(2).

Nesta Liturgia, portanto, os cristãos se reúnem esperançosos, com expectativas e perspectivas, para celebrar o Dia Mundial da Paz junto com a Mãe de Deus. Ela que nos presenteou com o seu sim, acolhendo e fazendo com que o Príncipe da Paz (cf. Is 9,5) pudesse nascer e reinar em nosso meio, portando a misericórdia do Pai e a Salvação para todos.

No Evangelho de hoje, São Lucas apresenta o encontro dos pastores com o Menino Jesus, ainda na manjedoura e junto com Maria e José. Os pastores foram os primeiros que receberam a notícia do nascimento do Salvador. Eles também foram os responsáveis pelo anúncio das maravilhas de Deus, louvando toda a realização divina (cf. Lc 2,17-18.20).

A Virgem guardava todos esses acontecimentos e meditava em seu coração (cf. Lc 2,19), procurando compreender todo o processo da sua resposta a Deus, quando o Anjo a visitou. A Virgem Maria também meditava porque era mulher do silêncio e da oração, na sua missão de gerar e acompanhar o Verbo na Sua caminhada terrestre entre os homens.

Neste Dia Mundial da Paz, os cristãos também pedem a bênção que vem de Deus. Bênção que é sinal de salvação como escutamos na Primeira Leitura desta Liturgia do livro de Números. Diz o autor sagrado: “ ‘O Senhor te abençoe e te guarde! O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face, e se compadeça de ti! O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz!’ Assim invocarão o meu nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei”. (Nm 6,24-27).

Sobre o marco temporal de 2022 e 2023, devemos também ter em mente (e no coração!) que se faça a vontade do Senhor e não a nossa, “assim na terra como no Céu”. A Virgem nos possibilita que sejamos seus filhos. Ela, que é Mãe de Deus e nossa, ela também gerou a Igreja que somos parte. Ela é a Mãe do Príncipe da Paz, também nosso irmão, nosso Deus amado que veio ficar junto de nós para nos ensinar que Deus é Pai e tem misericórdia dos pecadores, por isso vem trazer a união e a fraternidade.

Nessa relação santa de filhos, São Paulo nos fala: “Assim já não és mais escravo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro: tudo isso, por graça de Deus.” (Gl 4,7). Temos então o temor que vem do amor e da necessidade de santificação e não o medo da condenação. Se amamos o Senhor, faremos a vontade d’Ele e por isso não devemos ter medo d’Ele porque Ele está bem próximo de nós.

Por fim, peçamos a mediação materna da Mãe do Redentor para que possamos receber o Espírito Santo, Espírito da adoção dos filhos de Deus como ensina São Paulo aos gálatas e também a nós. Amém.

*   *   *
(1) Cf. PAULO VI. Mensagem para a celebração do 1º Dia Mundial da Paz. Publicado em 8 dez. 1967. Disponível em: <https://www.vatican.va/content/paul-vi/pt/messages/peace/documents/hf_p-vi_mes_19671208_i-world-day-for-peace.html>. Acesso em: 27 dez. 2021.
(2) Cf. FRANCISCO. Mensagem para a celebração do 56º Dia Mundial da Paz. Publicado em 8 dez. 2022. Disponível em: <https://www.vatican.va/content/francesco/pt/messages/peace/documents/20221208-messaggio-56giornatamondiale-pace2023.html>. Acesso em: 28 dez. 2022.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Santa Mãe de Deus e Nossa

 

Mãe da escuta atenta,
Do silêncio e da oração,
Toda entregue por amor,
Ao Senhor da salvação,
Ensina-nos a santidade,
Mostra-nos tua serenidade,
Para a santificação.
*
Mãe de Deus e nossa Mãe,
Mãe do Príncipe da Paz,
Ensina-nos a fraternidade,
Que tanta harmonia nos traz,
Ensina-nos também a escuta,
A paciência na labuta,
Quando não somos capazes.
*
Que o nosso Príncipe da Paz,
Pela Sua encarnação,
Ajude-nos na caminhada,
E no amor entre os irmãos,
Trazendo-nos alegria,
Que nasce da Eucaristia,
Pra nossa libertação.
*
Que a benção do Senhor,
O Filho amado e querido,
Possa nos trazer a Paz,
Neste mundo tão sofrido,
Das guerras possa nos livrar.
E o amor sempre a buscar,
Os povos todos unidos.
*
Que a santa Eucaristia,
Renove a nossa lida,
Dando a força necessária,
Para a estrada percorrida,
E que o Deus Emanuel
Com a nossa Mãe do Céu,
Tragam a Paz à nossa vida.

 

*   *   *

 

“A Adoração dos Pastores”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4432>. Imagem da Rosa: In <gratispng.com/png-uj22en>.

 

⇒ Que a Luz do Cristo Senhor, o Pastor Supremo que veio cuidar de seu rebanho, ilumine o seu caminho! 

 

 

Ano que Vai, Ano que Vem

⇒ Vida e Poesia ⇐

 

*

⇒ Vida e Poesia ⇐

Ano que Vai, Ano que Vem

 

No ano que vai, ficam-se as lembranças;
No ano que vem, cria-se os projetos;
No ano que vai, as recordações
Do bem e do mal;
No ano que vem a esperança do melhor,
Do mais belo.
*
No ano que vai agradecemos os abraços,
Os sorrisos, os esforços, a benção de Deus…
E tudo aquilo que vivemos de espetacular.
No ano que vem a espera que tudo se realize
E que continuemos com tudo que é bom.
*
Ano que vai… algo se definiu
Ano que vem… o incompleto, o indefinido;
Ano que vai… o porquê disso,
O porquê daquilo…
Ano que vem, um enigma. um mistério.
*
E então?
De cada ano que vai, o que aprendemos?
O que deixamos escrito no livro da vida?
E na virada da página do ano que vem,
O que queremos escrever e desenhar?
Que cor usaremos para colorir a tela da vida
Que iremos criar.
*
O mais importante do ano que vai são as
Lições aprendidas e apreendidas;
E o mais importante para o ano que vem
Será fazer tudo de bom, com intensidade,
Com o coração cheio de amor.
Amor pela vida, pelos que estão conosco.
São eles que nos ajudarão a vivermos
De forma sábia e serena.
*
As pessoas que conviverão conosco,
Dependendo de nós,
Nos farão sábios ou bobos,
Nos farão crescer ou nos definhar
Só depende de nós,
Ser isso ou aquilo.

..*   *   *

..

 

Solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, Ano A, São Mateus – Liturgia do Dia

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas organizações de voluntariado ⇐
⇒ Campanha para a Evangelização 2022 
» Tema: “Evangelizar: Graça e missão que se dá no encontro” «
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Is 52,7-10; Sl 97(98),1.2-3ab.3cd-4.5-6 (R. 3cd); Hb 1,1-6; Jo 1,1-18

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

E Deus se Fez Carne e Veio Morar Conosco

Jo 1,1-18

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do Dia de Natal nos apresenta de forma mais profunda a divindade do Menino que nasceu em Belém. E o Evangelho da Liturgia da Missa do Dia está em Jo 1,1-18.

O Evangelho desta Liturgia é o chamado “Prólogo” do Evangelho Segundo São João, ou seja, os primeiros versículos do capítulo 1 deste Evangelho. Trata-se de um antigo hino, uma confissão de fé cristológica, uma chave de leitura do Evangelho Segundo São João. O Evangelho de João é considerado, por alguns, como a pérola dos escritos do Novo Testamento. Também o Prólogo pode ser considerado o sumo do Evangelho joanino, uma espécie de sumário. Esses são alguns dos indícios do porquê o Evangelho Segundo São João ser considerado o mais teológico dos Evangelhos.

O Menino que nasceu de Maria é o esperado por todos e do qual Isaías nos fala na Primeira Leitura desta Liturgia, diz o profeta: “Como são belos, andando sobre os montes, os pés de quem anuncia e prega a paz, de quem anuncia o bem e prega a salvação…” (Is 52,7). Ele crescerá em sabedoria e graça, caminhará pelas estradas da Galileia, andará de barco pelo Mar da Galileia para mostrar a todos os homens que Deus é amor e que quer a salvação que é para todos. Basta que estes acolham a sua Palavra e respondam ao Seu chamado e depois sejam discípulos para também anunciarem o Reino.

Este recém-nascido é a encarnação de Deus e já existia antes. Por isso, Ele participa do princípio da Criação. Ele agora vem mostrar sua face entre nós, vem caminhar com a gente trazendo-nos a paz, anunciando-nos que o Seu amor é para todos aqueles que querem encontrar a salvação.

A Segunda Leitura desta Liturgia também nos apresenta o sentido desta presença de Deus através do seu Filho, o qual já existia antes e que se encarna no mundo para nos mostrar sua face misericordiosa: “Muitas vezes e de muitos modos falou Deus outrora aos nossos pais, pelos profetas; nestes dias, que são os últimos, ele nos falou por meio do Filho, a quem ele constituiu herdeiro de todas as coisas e pelo qual também ele criou o universo.” (Hb 1,1-2).

Podemos nos perguntar: quais são as maneiras que Deus se apresentou na história dos homens? Ele nos falou pela Criação, pelo chamado que fez a Abraão, a Moisés, pela libertação realizada em favor do seu povo; falou-nos pelos profetas e pelos tantos acontecimentos que surgiram em Israel. Agora Ele próprio se apresenta com um rosto e com uma voz, de acordo com a natureza humana. Tudo isso para estar mais próximo de nós. Para nos confirmar que somos imagem e semelhança d’Ele e que a Sua glória será a vida completa e infinita do homem, a salvação eterna.

Celebrar o Natal é exatamente buscar o encontro com um Deus que está próximo de nós. Fazer acontecer o Natal em nossas vidas é muitas vezes buscar o reencontro que por nossos pecados nos afastamos deste Deus que quer está próximo, que quer nos trazer a salvação.

Para o evangelista João, somente os que colhem a Luz divina recebem a capacidade da filiação divina: “Veio para o que era seu e os seus não o receberam. Mas a todos que o receberam deu o poder de se tornarem filhos de Deus.” (Jo 1,11-12). Somos filhos quando acolhemos a Palavra viva em nossa vida, quando deixamos que a Luz ilumine todo o nosso ser. E então vivemos o verdadeiro Natal quando deixamos renascer Cristo em nossas vidas. Desse modo, vemos que o sacramento da Confissão é a porta pela qual retornamos para os braços de Cristo.

Que Espírito Santo nos abençoe, nos ilumine e nos faça cada vez mais filhos através do Filho muito amado de Deus, pois o Filho veio assumir a natureza humana para resgatar o homem. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Ele Veio Morar Conosco

 

Ele, a Palavra viva,
Que ao mundo veio se apresentar
Com voz forte nos traz a paz,
Para os homens santificar.
Veio nos trazer o amor,
Veio falar a nosso favor,
Pois quer nos resgatar.
*
Ele tem o rosto puro e santo,
Que a nossa imagem veio assumir,
Veio nosso rosto recapitular,
Quando o pecado quis nos destruir,
Ele é a suprema beleza,
Que nos vem trazer a certeza,
Que é a todos redimir.
*
Ele tem pés firmes no mundo,
E pelas as estradas veio caminhar,
Veio para cumprir sua missão,
A tantos lugares a visitar,
Para tantos a restauração,
Para todos a salvação,
Mas nem todos deixaram-se iluminar.
*
E tem uma Casa para nos acolher,
Onde sua Palavra é alimentação,
Quando todos vem se reunir
Onde o Seu Corpo é Comunhão,
Onde os pobres devem ser acolhidos,
Onde o amor seja distribuído,
Numa festa de confraternização.
*
É dever ser nossa alegria,
Poder com Cristo caminhar,
Porque Ele se faz também nosso irmão,
E em nosso coração quer morar,
Quer em tudo a nossa realização,
Como Deus, quer a nossa salvação,
Para com Ele no Céu habitar.

 

*   *   *

 

“O Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4430>

 

⇒ Que a Palavra e a Luz do Cristo Senhor, o Salvador que veio morar entre nós, ilumine o seu caminho! 

 

 

Solenidade do Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, Ano A, São Mateus – Liturgia da Noite

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas organizações de voluntariado ⇐
⇒ Campanha para a Evangelização 2022 
» Tema: “Evangelizar: Graça e missão que se dá no encontro” «
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Is 9,1-6; Sl 95(96), 1-2a.2b-3.11-12,13 (R. Lc 2,11); Tt 2,11-14; Lc 2,10-11; Lc 2,1-14

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Jesus Nasce entre os Pobres

Lc 2,1-14

 

Meus irmãos e minhas irmãs, chegamos ao Natal do Senhor e como anunciou o anjo aos pastores nos arredores de Belém, nasceu para nós o Salvador! (cf. Lc 2,11). E o Evangelho da Liturgia da Missa da Noite de Natal está em Lc 2,1-14.

Entre as luzes das lojas, das avenidas, dos presépios nas casas e nas nas igrejas, celebramos a Noite do Natal do Senhor marcados pela alegria que vem da Palavra de Deus e também pelo calor dos que se reúnem para a partilha fraternal da mesa.

O Evangelho desta Liturgia é o de Lucas, o qual apresenta a difícil viagem de Nazaré a Belém para participarem do recenseamento como membros daquele povo. E podemos imaginar a dificuldade Santo Casal, pois a Virgem estava grávida e nas proximidades do parto e José com a responsabilidade do nascimento do Filho de Deus.

Nos arredores daquele vilarejo, próximo aos campos dos pastores, nasce o nosso Pastor. Será aquele que vem trazer a paz, a justiça e, sobretudo, o amor misericordioso de Deus. O anjo leva a notícia aos pastores, não porque são os mais puros. Segundo a história antiga, “os pastores não eram de forma alguma gente simples, (…), gozando da estima de todos. Eram considerados como os mais impuros dos homens… Os rabinos diziam que os pastores, os publicanos e os coletores de impostos dificilmente poderiam se salvar, porque praticavam o mal e estavam destinados à perdição”(1).

Portanto, é em favor da conversão e da salvação destes que Jesus virá e com eles seguirá durante toda a sua caminhada na terra, pois estão distantes da casa real onde a corte humana esperava junto aos seus súditos um Rei poderoso e rico. Mesmo sendo capaz de se manifestar de uma forma mais plausível aos olhos da humanidade, Deus vem como criança, nasce numa família simples (Maria e José) e pobre, a ponto de não ter uma casa para realizar o parto.

Jesus nasce na noite dos pastores para dizer que Ele é Luz e que é o Pastor supremo que trará a alegria e a misericórdia a todos os homens. Os pobres podem vencer o medo pois agora têm a alegria da salvação. Cristo vem realizar a profecia de Isaías, diz o profeta: “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz, uma luz raiou para os que habitavam uma terra sombria.” (Is 9,1). Uma nova compreensão da ação de Deus se apresenta para confundir os poderosos e agora já não se manifesta para um grupo privilegiado, mas para todas as nações e classes a começar pelos mais pobres.

Em Deus não há prepotência e nem acepção de pessoas. Diz São Paulo a São Tito, e a nós: “A graça de Deus se manifestou trazendo a salvação para todos os homens. Ela nos ensina a abandonar a impiedade e as paixões mundanas e a viver neste mundo com equilíbrio, justiça e piedade” (Tt 2,11-12).

Portanto, devemos sempre ficar atentos a ação de Deus, pois ela se manifesta na simplicidade e nos conduz a vivermos desta forma. Um Deus que se encarna pobre vem nos ensinar o quanto é preciso trabalhar pela evangelização em busca dos que estão perdidos e necessitados do ensinamento e da misericórdia.

É preciso também lembrar daqueles pobres que, mesmo em condições econômicas de riqueza confortável, se encontram mergulhados nas misérias humanas e necessitam da libertação pela Palavra e pela cura interior.

E todos nós que nos reunimos para celebrar esta grande festa cristã somos convidados a nos unir à multidão da corte celeste para cantar em uma só voz: “Glória a Deus no mais alto dos céus e paz na terra aos homens que ele ama.” (Lc 2,14), porque o nosso Deus se faz presente na simplicidade de uma criança para nos ensinar a simplicidade e o amor a todos. Veio caminhar conosco, pois é “Deus conosco” e, sobretudo, veio nos trazer a salvação.

Rezemos pedindo a graça e a proteção pelos que não terão oportunidade de celebrar o Natal dignamente. Pelos que estão nas periferias da existência humana, distante das luzes e dos brilhos das árvores fantasiosas das nossas casas, das nossas igrejas e das casas comerciais. E por cada cristão, para que escutem Deus que o chama à fraternidade e à caridade em favor dos que padecem as consequências dos poderes humanos. Amém!

*   *   *

(1) Cf. ARMELLINI, Fernando. Celebrando a Palavra: Ano B. São Paulo: Ave Maria, 2012.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Deus Nasce entre os Pequenos

 

Entre as montanhas de Judá,
Nas noites escuras dos pastores,
Vem a luz divina nos visitar,
Vencendo todos os temores.
Trazendo o amor e a salvação,
Vencendo em nós a escuridão,
Que muitas vezes nos traz horrores.
*
Nasce entre os animais e pecadores,
Anunciando desde já sua missão,
Rei simples e pobre e sem coroa,
Sendo sinal de contradição.
Vem como uma simples criança,
Mas traz para muitos a esperança,
E aos poderosos a confusão.
*
Naquela noite vem os louvores,
Da corte celeste a cantarolar,
E à voz do anjo mensageiro,
Que se une também a entoar,
Porque nasceu o Salvador,
Deus de paz, justiça e amor,
E a todos os homens veio salvar.
*
O Natal nos traz um ensinamento,
Para nesta vida proceder,
Nasce Deus para o mundo inteiro,
Com sua palavra vem nos converter,
Ensina-nos a simplicidade,
O acolhimento e a fraternidade,
Pregar a justiça e o bem viver.
*
E em torno do santo altar,
Vivamos a coerência e a união,
Escutando sempre a santa Palavra,
A irmandade e a comunhão,
Sendo sinal da luz do Senhor,
Vencendo a tristeza e o rancor,
Vivendo todos como irmãos.
.

 

*   *   *

 

“A Adoração dos Pastores (A Noite)”, de Giovanni Lanfranco (1582–1647). In <https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Alnwick_Lanfranco_Bridgeman_507217.jpg>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz do Cristo Senhor, o Salvador que nasceu para nós, ilumine o seu caminho! 

 

 

Um Natal Além das Luzes

⇒ Vida e Poesia ⇐

 

*

⇒ Vida e Poesia ⇐

Um Natal Além das Luzes

 

SQuando chega a noite,
Ainda em novembro
Vejo luzes a brilhar
Nas casas, nas lojas, na rua,
Nas árvores sem vida…
*
Parece que disputam
O brilho e o colorido
São tantas as formas e cores
Os verdes, os vermelhos…
Nos olhos da gente.
*
E fico a pensar no Natal
O Natal verdadeiro
O Natal do Menino Jesus
O Natal do amor de Deus
O Natal da Família Santa.
*
Então me pergunto:
O que tem a ver?
Aquelas luzes e cores,
Aqueles brilhos e árvores
Aquelas músicas…
*
Acontecem então
Que o verdadeiro Natal
Estar além das luzes
Por que Jesus é Luz
A luz que brilha nas trevas.
*
A Luz que brilha
E destrói as nossas trevas,
Fazendo nascer o amor,
Este amor sempre pressente e vivo,
Como as árvores vivas,
Que crescem e se renovam.
*
Esperemos em nosso lar, a paz
Sim, esta será a grande espera,
Deixar nascer o Amor-Menino
Que cresce conosco na pureza
Na alegria e na coragem
De ser criança, forte e feliz.

..*   *   *

..