XXIII DOMINGO DO TEMPO COMUM

Leituras: Ez 33,7-9; Sl 94(95); Rm 13,8-10; Mt 18,15-20

POESIA

OS CONSELHOS DO SENHOR

A palavra do Senhor vem nos alertar,
Sobre nosso agir e nossas intenções,
Para quando vermos o erro do irmão,
Possa-se o ajudar nas correções,
Para que não caia na condenação,
E mergulhe no mar das ilusões.

E quando a escuta não acontecer,
Outros irmãos podem se achegar,
Para a ajuda na fraternidade,
Não deixe o amigo se desviar,
Correção de justiça e caridade,
Para no perdão se reencontrar.

A Igreja em Cristo pode ajudar,
Quando a rebeldia persistir,
Ficando o errante na resistência,
Em Cristo amor possa-se corrigir,
Com atitudes de santa paciência,
Em vista de o caminho restituir.

Sendo a opção de contra testemunho,
Como de um errante caminheiro,
Abraça-se a reais causas desta opção,
Buscou-se a ajuda ao companheiro,
Mas na sua liberdade ele disse não,
Será tratado como desordeiro.

Se caminharmos por trilhas errantes,
Sem foco no nosso no santo caminho,
Lembremos que é possível nos refazer,
Tendo certeza que não estamos sozinhos,
Podendo-nos em nova vida florescer,
E sentirmos o amor de Deus como carinho.

E quando vier nossas tentações,
De fugirmos dos conselhos do Senhor,
Busquemos o encontro na comunidade,
Onde se encontra o irmão e seu calor,
Por que o que une é a fraternidade,
Que vem da Mesa Santa do amor.

HOMILIA

A correção fraterna da Igreja

Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome eu estou ali, no meio deles” (Mt,18,20). A comunidade cristã é o lugar do encontro fraterno dos irmãos e irmãs com Cristo. Não importa a quantidade (cf. Mt 18,19). Mas não se encontra somente para rezar juntos, também para a correção fraterna e para o perdão, livre dos fuxicos e escândalos. Na comunidade buscamos ser pessoas melhores, autênticas, fraternas e justas.

Em torno da mesa da Palavra e da Eucaristia nos reunimos para crescer como irmãos e irmãs, motivados pelo amor fraterno, para ligar a terra ao céu e fazermos a vontade de Deus (cf. Mt 18,18). Nossa participação nas missas deve ir além de um preceito ou obrigação. Deve ser uma necessidade de encontro com quem mais amamos em nossa existência, Jesus Cristo.

O que deve nos motivar é que, quando nos reunimos, nos encontramos pelo sentimento e consciência de sermos congregados no mesmo Senhor que nos inseriu numa comunidade viva, através da sua paixão, morte e ressurreição. O batismo nos faz irmãos e irmãs da mesma família no Ressuscitado.

Neste sentido a comunidade é o lugar onde também nos vemos como pecadores. Somos humanos e errantes, muitas vezes. Em alguns momentos estamos mais propensos a enxergar os erros e misérias do irmão. Mas a vida comunitária nos ajuda a buscarmos a santidade e sermos também corrigidos pelo grupo fraternal. Jesus nos orienta sobre a correção fraterna (cf. Mt 18,15-17).

Estamos na Igreja para aprendermos a caminhar na santidade e acolher a correção do outro. São Paulo nos fala do maior mandamento com sinal de amor a Deus e ao próximo (cf. Rm 13,10). Por isso a correção fraterna é o amor ao outro que erra.

O encontro com o Senhor e com os irmãos, só tem sentido para quem vive nesta experiência de crescimento e alegria. Sim, a comunidade dos cristãos também é um lugar de festa e alegria. É maravilhoso o costume de comunidades que ao final da celebração tomam um cafezinho na porta da Igreja. Ali conversam sobre sua família, suas dificuldades e suas vitórias. Como é bom este momento!

Também quando se festeja o padroeiro ou se fazem outros eventos da comunidade, se percebe a comunidade como um grupo de irmãos que se envolvem nas atividades da festa. E aí também se avalia as dificuldades de responsabilidades para que a comunidade seja de responsabilidade de todos.

Num mundo onde se motiva a exclusão por qualquer atitude de erros, corremos o risco de expor os irmãos na Igreja. Jesus nos aconselha que a atitude não é essa (cf. Mt 18,15). Faz-se necessário conversar em particular. Não somos nós, os que devem dá a sentença sobre os erros dos outros, mas ajuda-los na conversa fraterna. Em outros momentos deixemos que outro também nos corrija. Quanto ao julgamento, este vem de Cristo, pois ele é que amor, misericórdia e perdão em vista da nossa conversão e salvação.

Quando vemos no outro o erro e não o ajudamos a seguir o caminho certo, também somos responsáveis por ele. Também devemos rezar pelos irmãos que carregam fardos mais pesados que nós.  Esse “outro” pode ser o pai, a mãe, o(a) filho(a), a esposa, o irmão ou irmã, um amigo ou uma amiga.

Se na convivência cotidiana com nossa família somos capazes de uma correção fraterna e sincera, iremos progredir no caminho da santidade. Pelo contrário precisamos rezar na intenção de que posturas nossas e também do outro se transformem em receptividade e mudança de vida.

Quando não conseguimos ganhar o irmão na correção fraterna Jesus nos orienta que procuremos mais pessoas para que se faça oriente o caminho do bem. Se não conseguimos procuremos a Igreja (cf. Mt 18,17). A Igreja tem a Palavra da verdade, da justiça e também, da caridade e da misericórdia.

A Igreja, comunidade de vida, verdade e justiça, não deve se omitir quando nossos pecados são motivos de injustiça e erros graves. E principalmente quando os erros humanos interferem nas realidades das outras pessoas. Por isso a Palavra de Cristo é a palavra também da verdade e da Justiça.

Que o Espírito nos ilumine para o discernimento e para a coragem de procurarmos nossos irmãos para a correção fraterna, quando for necessário. E que tenhamos também a lucidez de oferecermos os passos que forem preciso para ganharmos nosso irmão para Deus. E que, em nossa caminhada de discípulos missionários de Cristo, estejamos sempre abertos a crescer na santidade. Não fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz de Deus!” (Sl 94). Amém.

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Maria Divina dos santos

    Bom dia! Bonito texto que nos faz refletir sobre a convivência diária, o amor e o respeito sobre o outro. Deus nos ilumine e nos ajude a viver essas ações com nossos familiares e amigos! Obrigada pela oportunidade de fazer parte desse grupo tão edificante. Deus o abençoe??

  2. O senhor Jesus é também o senhor de nossas vidas! Glória a vós Senhor ??

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.