XXVI Domingo do Tempo Comum, Ano B, São Marcos

 

⇒ Ano de São José (2020/2021) ⇐
50ª Edição do Mês da Bíblia – “Pois todos vós sois UM só em Cristo Jesus” (Gl 3,28d) ⇐
Dia Nacional da Bíblia

 

Leituras: Nm 11,25-29; Sl 19(18); Tg 5,1-6; Mc 9,38-43.45.47-48

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Jesus nos Ensina a não Escandalizar os Pequeninos

Mc 9,38-43.45.47-48

 

Meus irmãos e irmãs, o mistério pascal do XXVI Domingo do Tempo Comum, Dia Nacional da Bíblia, nos motiva a cultivar, enquanto discípulos do Senhor, atitudes que nos santifique diante do mundo, mudando a nossa forma de pensar e o nosso modo de agir. E o Evangelho desta Liturgia está em Mc 9,38-43.45.47-48.

No Evangelho desta Liturgia, Jesus ainda está em Cafarnaum, mas ocultamente, pois continua preparando os discípulos para as consequências do discipulado. No entanto, João, em nome dos discípulos, quer proibir a ação milagrosa de alguém que estava expulsando demônios em nome de Jesus (cf. Mc 9,38), mas o Senhor adverte que fazer o bem não é um privilégio do Seu grupo e que, ao fazê-lo, também está a Seu favor (cf. Mc 9,40).

O tema da liberdade do Espírito de Deus também está presente na primeira leitura desta Liturgia. Moisés partilha o seu dom de profetizar com os setenta anciãos. Josué, discípulo de Moisés desde a juventude, cai também no mesmo erro de querer proibir a ação profética de Eldad e Medad por não estarem na Tenda. Mas Moisés, sabiamente, adverte que “quem dera que todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor lhe concedesse o seu Espírito!” (Nm 11,29).

O evangelista Marcos ainda nos apresenta outros pontos que merecem meditação, como o de escandalizar os pequeninos, tais como os pobres, os órfãos, os sem-teto. Aos escandalosos, é melhor que se afoguem no mar com uma pedra de moinho no pescoço (cf. Mc 9,42). Outra preocupação é o cuidado com o uso do nosso corpo físico (tais como mãos, pés e olhos), pois o mau uso pode ser um caminho para o inferno. Para isso é preciso cortar atitudes que impedem a vivência do amor e a experiência da fraternidade.

As mãos devem servir para escrever uma história fundamentada na caridade e não na riqueza construída com a apropriação indevida dos salários dos pobres, como denuncia São Tiago na segunda leitura desta Liturgia (cf. Tg 5,4). Quanto ao , este deve nos levar para sermos caminheiros de Cristo, visitando os pobres, os doentes e todos os sofredores marcados pela exclusão social. Como missionários, somos chamados a vestir os pequeninos da dignidade de filhos de Deus.

Já os olhos também podem nos levar à perdição quando olhamos para o outro com inveja, com más intenções, com julgamento ou desprezo. Devemos perceber a necessidade que o outro tem da nossa atenção e, desta forma, enxergar as coisas boas do Reino de Deus ou a outras pessoas que não estão no nosso grupo e que fazem o bem. E como sementes do Verbo mostram a face de Cristo pela caridade.

E neste Dia Nacional da Bíblia continuemos o exercício do encontro com a Palavra de Deus pela Carta de São Paulo aos Gálatas. A passagem bíblica nos remete ao tema “A comunidade fraterna que semeia projeto do Espírito” em Gl 6,1-5.14-18, em que o Apóstolo apresenta recomendações práticas para que, numa vida em comunidade, sejamos solidários uns com os outros tendo como fundamento a fé em Cristo Jesus.

E neste último Domingo de setembro, quando celebramos o quinquagésimo Mês da Bíblia, aprendemos muito pela leitura e escuta da Palavra sobre o ser discípulo de Cristo, que precisa primeiramente estar aberto aos outros que também querem servir e amar. A caridade não uma propriedade única dos cristãos, outros fazem a experiência do amor ao próximo. Peçamos ao Espírito Santo forças para que, santificados, possamos amar e viver a comunhão em Cristo querendo ser, plenamente, discípulos do Senhor. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Mãos, Pés e Olhos para o Senhor


Dai-me Senhor,

Mãos que abençoam
E que promovam a paz,
Mãos que escrevem
Uma história de amor capaz,
Que seguram firme
Para não romper o cordão da ciranda,
E que sejam para Ti força
Para que o Reino se expanda.
*
Livra-me Senhor
Das mãos da violência,
Que provocam escândalo
E tantas carências…
Corta-me as atitudes
Que destroem a fraternidade
E que promovem
A morte e a desigualdade.

*
Dai-me Senhor,
Pés que caminham para missão
Que vão em busca
Do encontro com o irmão;
Livra-nos das veredas
Do mau caminho
E da tentação
De querer caminhar sozinho.

*
Abençoa os caminheiros
Da perseverança,
Pelas estradas da existência
Que às vezes cansa,
Pés que pisam o chão
Da comunidade em união
Que dançam na festa
Da paz e da comunhão.
*
Enfim
, ensina-nos
A enxergar um mundo novo,
Com o teu olhar
Na vida do povo,
Contemplando
As tristezas e alegrias,
Mas esperando o teu Reino
Como o novo dia.

 

*   *   *

 

 

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos motiva a cultivar atitudes que nos santifique diante do mundo, ilumine o seu caminho!

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.