XXVI DOMINGO DO TEMPO COMUM

Leituras: Ez 18, 25-28;  Sl 2 4; Fl  2,1-11; Mt 21, 28-32

POESIA

FILHOS DO SIM E DO NÃO

Está disponível para servir,
Ser coerente com o chamado,
De corpo e alma para vinha,
Como filho do Pai amado,
Dizer sim e confirmar,
Ao Evangelho semeado.

Buscar e viver o amor,
Prontos para anunciar,
Na vida da comunidade,
Vivendo pronto a partilhar,
Na vinha do nosso Deus,
Que está sempre a chamar.

Às vezes filhos dizendo não,
Quando o pecado vem a invadir,
E o coração querendo negar,
Por tantas coisas a infringir,
Fraquezas que vem e impedem,
A santa vinha querer servir.

Somos filhos que dizem sim,
Porque olhamos para o Senhor,
Que viveu a santa obediência,
Ao Pai Santo e vivo amor,
Porque a vinha veio cultivar,
Através do seu plano salvador.

Busquemos em Cristo a obediência,
E aprendamos o sim e o servir,
Abraçando a missão confiada,
E a voz do Senhor sempre a ouvir,
Servindo à messe tão imensa,
Que o dono quer a todos reunir.

A vinha precisa de trabalhadores,
Porque o dono os chama à colheita,
Para que se produza a alegria,
Que brota da fonte que é perfeita,
Jorrada da entrega do Santo fruto,
Que do Pai recebe a missão e aceita.

Busquemos na Mesa Sagrada,
A fazermos a santa experiência.
Com o Senhor que quer nos encontrar,
Que nos ama e cuida com paciência,
Por que na mesa queremos repartir,
E aprendermos a santa obediência.

 

HOMILIA

Chamado à vinha do Senhor

“Em verdade vos digo, que os publicanos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus” (Mt 21,31). O que nos incomoda nesta parábola de Jesus? Que questionamentos estas palavras nos trazem diante de nossa condição de batizados? São palavras de Jesus que nos inquietam e nos provocam a refletir sobre as nossas atitudes de discípulos dele. Trata-se de uma motivação para que avaliemos até que ponto a nossa obediência e nossa experiência com ele seja coerente.

Na liturgia deste domingo, Jesus se dirige aos sacerdotes e anciãos do povo (cf. Mt 21,31) com seus ensinamentos sobre o Reino de Deus (a vinha). Na compreensão dos sacerdotes e anciãos, somente o povo escolhido, ou seja, da primeira aliança (Israel), tinha direita à salvação. Portanto, o filho (povo) que disse sim a Deus, muitas vezes não foi capaz de segui-lo e obedecê-lo. Israel que ouviu os profetas, mas que, em muitos momentos, traiu a promessa da aliança. Agora, também não aceita o projeto de Jesus, o qual inclui todos ao plano da salvação. Essa é a questão!

Há outro filho (povo pagão), que disse não, mas que depois foi capaz de repensar a resposta e aderiu ao chamado em favor da vinha do Senhor. Jesus se refere aos pecadores, marginalizados, surdos, mudos e publicanos que vivem num caminho contrário ao projeto de salvação. Estes, pelas suas atitudes dizem não, mas na hora do chamado para vinha, abraçam de corpo e alma e seguem obedientes. Eles transformam suas vontades em favor do Reino de Deus. E inclusive dão testemunho do que falam e vivem na caminhada com o Senhor.

Diante deste ensinamento de Jesus, onde nos enquadramos? Com quem nos identificamos mais? Estamos do lado de quem? Dependendo da nossa postura, podemos nos assemelhar com o primeiro ou com o último filho. Muitas vezes dizemos “Senhor, Senhor” em nossas orações, mas não fazemos a vontade de Deus nosso dia a dia (cf. Mt 7,21). Poderemos falar de caridade, mas na prática, no contato com o outro, somos insensíveis e hostis. Isso significa dizer sim e não ir à vinha.

Por outro lado poderemos cair no pecado de recusa a vontade de Deus, de se colocar contrário ao seu projeto, porém, ao cairmos no arrependimento nos reconciliamos e a partir de uma decisão seguimos em frente fazendo a vontade de Deus. Muitas vezes, somos um pouco dos dois filhos. Com nossa natureza humana, vamos buscando acertar e dizer sim ao dono da vinha.

Quando o nosso discurso cristão está distante da prática, poderemos ser igual ao filho que disse ir para a vinha e não foi (cf. Mt 21,30). Nossa resposta positiva se dá na nossa caminhada com Cristo. Nossa confirmação para o discipulado é coerente quando assumimos a missão junto ao mestre que nos chama em cada momento de nossa vida.

Há um terceiro filho que diz sim e vai. O próprio Cristo é o filho coerente o qual devemos seguir e dar testemunho dele. Diz São Paulo: “Ele, existindo em condição divina, não fez do ser igual a Deus uma usurpação, mas ele esvaziou-se a si mesmo, assumindo a condição de escravo e tornando-se igual aos homens” (Fl 2,6-7). Cristo viveu a entrega total ao Pai quando se encarnou no meio de nós, sendo obediente até a morte e morte de cruz (cf. Fl 2,8).

Nós somos chamados a seguir o modelo do terceiro filho. Muito mais do que isso, deixar que o seu chamado e a sua pessoa faça parte de nossa vida, por inteiro. Quantas vezes precisamos nos entregar e nos esvaziar de nós mesmos, para que o Reino de Deus seja anunciado e seja presença na caminhada da Igreja. As nossas comunidades cristã são chamadas a viver o sim coerente ao projeto de salvação. Pelo batismo, somos todos chamados à grande vinha do Senhor. O nosso sim é a missão de cuidar da semeadura do Evangelho. Mas sempre com a consciência de que a vinha é sempre do Senhor.

E quando estivermos sentindo que o nosso sim está se tornando um não a Deus, pelos nossos pecados, precisamos repensar nossa vida. Precisaremos refazer o percurso, nossas atitudes, nossas ações e nossas orações. O ser cristão será sempre uma busca de viver o sentido de acordo com a Palavra de Deus.

Busquemos, sempre no Senhor, o sentido de nossa existência com ele. Rezemos com o salmo 24: Mostrai-me, ó Senhor, vossos caminhos, e fazei-me conhecer a vossa estrada! Vossa verdade me oriente e me conduza, porque sois o Deus da minha salvação; em vós espero, ó Senhor, todos os dias!”. Amém!

Adicionar a favoritos link permanente.

3 Comments

  1. Jesus Cristo deu-nos vida por sua morte
    Tornando-se o cordeiro imolado na cruz
    Para remissão dos nossos pecados…??

  2. Maria Divina dos santos

    Amém, busquemos sempre no Senhor o motivo de nossa existência, assim quando nos julgarmos incapazes Deus nos fará reconhecer o verdadeiro sentido de nossa existência. Muito bonito Diácono, Deus continue usando o sr para palavras tão lindas e de sentidos tão reais!

  3. Muito louvável essas santas palavras q Deus possa te guiar sempre mais amigo irmão e tenhas sempre a inspiração do santo espírito de Deus

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.