SOLENIDADE DE SÃO PEDRO E SÃO PAULO

ANO NACIONAL DO LAICATO

Leituras: At 12,1-11; Sl 33(34); 2Tm 4,6-8.17-18; Mt 16,13-19

 

POESIA

AS COLUNAS DA IGREJA

Um é o pescador
Dos mares da existência,
Chamado pelo Senhor,
Para uma experiência,
Segue-O pelo caminho
Não viverá sozinho,
Mas terá as exigências.

Outro é o doutor,
O sábio e rigoroso,
Que seguiu sem temor,
O Senhor amoroso.
Deixou a estrada da morte,
E seguiu firme e forte,
Apaixonado, fervoroso.

Os dois seguem andando,
Superando as barreiras,
Cristo os foi conquistando,
Para a missão primeira,
Que é o Reino implantar,
E Palavra a semear,
Pela sua vida inteira.

Pedro viveu com o Senhor,
Ainda neste mundo,
Conheceu seu amor,
Mais forte e mais profundo.
E quando o Senhor partiu,
E então ressurgiu,
Ele saiu pelo mundo.

Paulo viveu diferente,
Toda a sua conversão,
E foi seguindo em frente,
Caminhando em missão,
Formou as comunidades,
E pregou toda a verdade,
Nas busca da comunhão.

Hoje Pedro, o nosso Papa,
Segue firme, a remar,
Essa barca, que é a Igreja,
E o mundo, o imenso mar,
Vai sempre anunciando,
E com Cristo caminhando,
Sem medo de afundar.

E nós, os tantos cristãos,
Da nossa atualidade,
Como ser comunhão,
Nesta sociedade,
Como ser sal e luz,
Como carregar a cruz,
E formar fraternidade.

Somos Pedro e Paulo,
Pela várias estradas,
Comunhão e missão,
São as nossas jornadas.
Somos a fraternidade,
Vivendo a caridade,
E sendo vidas doadas.

 

HOMILIA

Pedro e Paulo: colunas da Igreja

Na liturgia de hoje, a Igreja celebra a solenidade de São Pedro e São Paulo. Estes dois santos, colunas da Igreja, foram responsáveis pela condução e missão de levar a mensagem amorosa e vital do Ressuscitado ao mundo. Cabe, nesta homilia, tecermos uma análise do percurso destes apóstolos, ambos martirizados em Roma, entre 64 e 67 d.C.

Contemplemos primeiramente Pedro, o pescador da Galileia, filho de Jonas e irmão de André. Em Tiberíades, quantos dias e quantas noites ficou no mar para buscar o seu sustento? Vivia a procura de peixes! Foi naquele mar que Jesus o encontrou num dia de pesca e o chamou para tornar-se pescador de pessoas. Com o seu coração conquistado pelo chamado de Jesus de Nazaré, seguiu-o e, no percurso deste seguimento, teve altos e baixos, inclusive negando ser do grupo dos discípulos, quando na paixão de Cristo alguém o interrogou se era um dos seguidores dele.

Mas antes deste episódio, na avaliação que Jesus faz com seus discípulos, quando lhes pergunta: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” (Mt 16,13), Pedro responde: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,3.16). De Jesus recebe as chaves, para ligar e desligar no céu e na terra aquilo que convém ou não ao Reino (cf. Mt 16,19). Ele é pedra em torno da qual a Igreja de Cristo será edificada, ou seja, é vínculo de comunhão entre todos aqueles que seguem o Senhor, por que a Igreja é do Senhor.

A Igreja, partir desta dimensão, será chamada apostólica por estar fundada nesta missão de levar ao mundo a evangelização e a construção do Reino de Deus. Após a Ressurreição de Jesus, Pedro foi fortalecido e encorajado. Pedro tornou-se então, um apaixonado pela missão de levar a mensagem da ressurreição. Uma paixão que venceu o medo e que o fez andar na contramão do Império Romano, batendo de frente com os fariseus e autoridades, chegando a ser preso.

Mas a presença do Ressuscitado, que não tem barreiras e é invencível, quebrou as correntes da prisão e o fez caminhar firme ao lado do anjo de Deus, de porta a fora, para a missão de anunciar o amor e a paz ao mundo, e também ter certeza de que o Senhor caminha junto nesta missão divina, vencendo o poder de opressão e da escravidão (cf. At 12,7-11).

Sobre Paulo também temos muito a dizer de acordo com as leituras bíblicas. Foi um doutor da lei, zeloso pela doutrina judaica, contemporâneo de Jesus e de seus discípulos. Foi perseguidor e inimigo do grupo dos seguidores de Jesus. Chegou a matar cristãos. Mas um dia Jesus também o conquistou de forma impressionante numa viajem na estrada de Damasco.

Após convertido coloca todo o seu saber, suas forças e suas motivações para propagar a fé no Ressuscitado. Viajou a diversos lugares e formou comunidades entre os judeus e pagãos. Também sofreu pelo Senhor, foi perseguido, maltratado e martirizado, mas alimentado pela presença do Senhor também disse: “Combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé” (2Tm 4,7). Suas cartas são de uma riqueza espiritual e pastoral imensa para a Igreja da época e também no decorrer dos séculos. Continuam hoje como textos valiosos e profundos para a liturgia, a catequese, grupos, comunidades e para a vida missionária da Igreja no mundo inteiro.

A liturgia de hoje está repleta do testemunho destes dois apóstolos. Eles são chamados colunas da Igreja, por que marcaram e marcam a caminhada dos cristãos. Eles nos fazem refletir que Deus chama os pecadores para serem santos e para levar a mensagem do Reino através do testemunho de conversão e a missão de levar a Palavra ao mundo inteiro, formando comunidades de amor e sendo vínculo de comunhão.

Também aprendemos que não é somente os sábios (intelectuais) que o Senhor chama, mas as pessoas das diversas realidades de vida. Basta estar aberto ao chamado e querer viver uma experiência de caminhada com o Senhor numa busca de crescimento espiritual e de discipulado.

Hoje, na condução da Igreja de Cristo, está um descendente de Pedro, o Papa, figura importante na busca pela santa unidade da fé cristã. Ele orienta e faz crescer o rebanho do Senhor. Ele governa e transmite o ensinamento na condução da barca do Senhor, que é toda a Igreja. Barca que rema e enfrenta as tempestades em meio ao imenso mar (o mundo), com suas inúmeras controvérsias.

Com o testemunho de Paulo, somos motivados a seguir em missão pelas diversas aldeias e realidades da vida humana. A cada palavra do evangelho semeada nos corações, uma oportunidade de anunciarmos a Cristo, pregando a vida nova, podendo dizer quem é o Ressuscitado e o que ele pede de todos nós. Nisto se dá o sentido da vida cristã: levar a Palavra aos vários cantos do mundo, com coragem, determinação e sem medo das consequências que poderão trazer a pregação sincera do Evangelho.

Portanto devemos seguir em frente olhando para São Pedro e São Paulo como bases da vida apostólica e missionária. Eles nos ensinam a caminharmos com o Ressuscitado e a superarmos nossas fragilidades e pecados que impedem de seguir em frente com ele. E assim podemos concluir, acolhendo as palavras de São Pedro: “Estejam sempre preparados para responder a qualquer um que lhes pedir, a razão da esperança que há em vocês” (1Pd 3,15). Amém.

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Partir em Missão , foi isso que Pedro e Paulo fizeram e hoje também na comunidade São José , muitos partiram em missão , para levar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus, com coragem, disposição e fé . Que tenhamos a fé inabalável diante das adversidades , que tenhamos a coragem de seguir sempre adiante escutando o chamado de Jesus , sendo sal e luz por onde passarmos . Reintero novamente minha alegria ao ler versos tão bem construídos diácono

  2. “Estejam sempre preparados para responder a qualquer um que lhes pedir, a razão da esperança que há em vocês”👏👏 🙏🙏🙌🙌

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.