XXIII Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

Leituras: Ez 33,7-9; Sl 95(94); Rm 13,8-10; Mt 18,15-20

 

⇒ HOMILIA ⇐

A Correção Fraterna da Igreja

Mt 18,15-20

Meus irmãos e minhas irmãs, celebramos hoje o mistério pascal apresentado pela Liturgia do XXIII Domingo do Tempo Comum, em que o Senhor nos motiva a tomar a comunidade cristã como lugar de encontro fraterno. E o Evangelho para esta Liturgia está em Mateus 18,15-20.

Pois onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome eu estou ali, no meio deles” (Mt,18,20). É na comunidade cristã que nós vivemos como irmãos e irmãs em Cristo. É onde rezamos juntos. Mas é também onde acontece a correção fraterna. Sempre com a meta de alcançar o perdão, livre de intrigas e murmurações. É na comunidade que nos vemos como pecadores. Em contrapartida, é onde, em alguns momentos, estamos mais propensos a enxergar os erros e misérias um dos outros, pois temos a oportunidade de nos conhecermos melhor naquilo que é bom e que não é bom em nós.

Mas a vida comunitária nos ajuda a buscarmos a santidade e sermos também corrigidos pelo grupo fraternal (cf. Mt 18,15-17). São Paulo nos fala do maior mandamento como sinal de amor a Deus e ao próximo (cf. Rm 13,10). Por isso a correção fraterna se traduz como o amor e a misericórdia ao irmão que erra.

O encontro com o Senhor e com os irmãos só tem sentido para quem vive nesta experiência de perdão, de crescimento espiritual e de alegria. Sim, a comunidade cristã também é o lugar da festa e da alegria, seja na partilha da vida de cada um, no lanche ao final da celebração ou na quermesse do padroeiro. E agora nesta pandemia do Covid-19, oportunidade de nos sensibilizarmos e rezarmos pelos que sofrem as consequências desta doença. Como também dirigir nossas orações pelos irmãos que padecem a morte de seus entes queridos.

Num mundo onde se motiva a exclusão por qualquer atitude de erro, corremos o risco de expor os irmãos na Igreja. Jesus nos aconselha que a atitude não é essa (cf. Mt 18,15). Faz-se necessário conversar em particular. Nós não somos os que devem dá a sentença sobre os erros dos outros, mas ajuda-los na conversa fraterna. Em outros momentos deixemos que outro também nos corrija. Quanto ao julgamento, este vem de Cristo, pois ele é amor, é misericórdia e é perdão, em vista da nossa conversão e salvação.

Quando vemos no outro o erro e não o ajudamos a seguir o caminho certo, também somos responsáveis por ele, como nos orienta o profeta na primeira leitura (cf Ez 33,7-9). Se na convivência comunitária com nossa família somos capazes de uma correção fraterna e sincera, iremos progredir no caminho da santidade.

Quando não conseguimos ganhar o irmão Jesus nos orienta que procuremos mais pessoas para que se oriente o caminho do bem. Se não conseguimos procuremos a Igreja (cf. Mt 18,17). A Igreja tem a Palavra da Verdade e da Justiça. Não deve-se omitir quando nossos erros humanos interferem nas realidades de outras pessoas. Cristo também é Palavra de Verdade e de Justiça.

Que o Espírito nos ilumine sobre a necessidade da correção fraterna. E neste primeiro Domingo do Mês da Bíblia acolhamos a Palavra de Deus que nos guia e nos fortalece nessa nossa caminhada de discípulos missionários de Cristo. Que estejamos sempre abertos a crescer em santidade.

 

***

 

⇒ POESIA ⇐

Os Conselhos do Senhor

A palavra do Senhor vem nos alertar,
Sobre nosso agir e nossas intenções,
Para quando vermos o erro do irmão,
Possa-se o ajudar nas correções,
Para que não caia na condenação,
E mergulhe no mar das ilusões.

E quando a escuta não acontecer,
Outros irmãos podem se achegar,
Para a ajuda na fraternidade,
Que não deixe o amigo se desviar,
Correção de justiça e caridade,
Para no perdão se reencontrar.

A Igreja em Cristo pode ajudar,
Quando a rebeldia persistir,
Ficando o errante na resistência,
Em Cristo amor possa-se corrigir,
Com atitudes de santa paciência,
Em vista de o caminho restituir.

E se caminharmos por trilhas errantes,
Sem foco no nosso no santo caminho,
Lembremos que é possível nos refazer,
Tendo certeza que não estamos sozinhos,
Podendo-nos em nova vida florescer,
E sentirmos o amor de Deus como carinho.

E quando vier nossas tentações,
De fugirmos dos conselhos do Senhor,
Busquemos o encontro na comunidade,
Onde se encontra o irmão e seu calor,
Por que o que une é a fraternidade,
Que vem da Mesa Santa do amor.

 

***

 

 

*** Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos propicia o encontro da fraternidade na Sua pessoa, ilumine o seu caminho! ***

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.