Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, Solenidade, Ano A

 

Leituras: Ez 34,11-12.15-17; Sl 23(22); 1Cor 15,20-26.28; Mt 25,31-46

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Um Reino que não é deste Mundo

Mt 25,31-46

 

Meus irmãos e minhas irmãs, o mistério pascal da Liturgia do XXXIV Domingo do Tempo Comum do Ano A, Solenidade de Cristo, Rei do Universo, nos motiva a contemplar a realeza de Cristo, na dimensão da justiça e da misericórdia. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 25,31-46, sequência do Domingo passado.

Assim, entramos na última semana do ano litúrgico. No próximo Domingo seremos chamados a começar um novo percurso, quando entraremos no Advento do Ano B, período em que teremos a orientação dos textos do evangelista Marcos.

Celebrar a realeza de Cristo é olhar para ele como o Pastor que cuida do seu rebanho com amor, mas também vê-lo como o Juiz que tem o julgamento sobre nossas ações enquanto caminhamos nesta terra.

A caridade é o critério principal para participarmos da sua alegria. Ele mesmo nos ensina: “pois tive fome e me destes de comer. Tive sede e me destes de beber. Era forasteiro e me acolhestes. Estive nu e me vestistes, doente e me visitastes, preso e viestes ver-me.” (Mt 25,35-36). O amor ao irmão necessitado tem o mesmo valor que a mesa do Altar do Senhor. Segundo São João Crisóstomo, ele diz “enquanto adornas a casa, não desprezes o irmão aflito, pois ele é mais precioso que o templo”.[1] É mais importante a nossa preocupação com os sofredores do que o nosso apego ao espaço material. Nesse sentido, devemos refletir sobre isso e nos perguntar como está a atenção ao Cristo escondido nos pobres, o crucificado nos irmãos e irmãs que clamam o amor concreto de Deus.

Os textos da Liturgia apresentam o Senhor como o Pastor e o Rei do universo. Pastor que cuida, que vai atrás das ovelhas perdidas, reúne ao seu redor (cf. Ez 34,11-12.15-17), o Rei que julga as ovelhas, separando-as de acordo com os critérios do amor.

Aos que obedeceram a voz do Senhor acolhendo-o nos pobres, famintos, sedentos, estrangeiros, despidos e presos, estes receberão a herança do Reino, serão chamados benditos do Pai (cf. Mt 25,34).

Quanto aos que desconheceram a presença do Senhor nos que sofrem, ele os dirá: “afastai-vos de mim malditos” (Mt 25,41) e serão jogados no fogo eterno. Parece muito duro ouvir tais palavras do Jovem Galileu. O Evangelho nos motiva a estar atentos às palavras do Pastor e Rei.

As palavras de Cristo neste último Domingo do ano A nos convida a avaliar nossas ações como cristãos, durante todo o tempo em que escutamos a Palavra, comungamos da Mesa e nos reunimos na comunidade de discípulos de Cristo. É permanente a necessidade de rever nossas ações e posturas como ovelhas do redil do Bom Pastor.

Que o Espírito Santo nos ilumine e nos fortaleça em nossa missão. Que possamos usar nosso tempo para avaliar, propor e melhorar nosso agir como seguidores do Bom Pastor que nos conduz pelos caminhos retos, mas que também nos julga quando somos ovelhas distantes e errantes que não reconhecem o sofrimento do Filho Unigênito do Pai na existência humana.

***

[1] Das homilias sobre Mateus, de são João Crisóstomo (*309+407), bispo e doutor da Igreja. In Liturgia das Horas, 1999, vol. IV, p. 157.

***

 

⇒ POESIA ⇐

Um Reinado que Vem do Senhor

 

O Reinado do Senhor,
É justiça e caridade,
Caminho ao paraíso,
Marcado pela bondade,
Seremos chamados benditos,
Porque consolamos os aflitos,
Pela solidariedade.

O Reinado do Senhor,
É o amor em nosso agir,
Enxergando-o nos sofredores,
No seu corpo a se ferir.
No chão da nossa existência,
Em tudo que for carência,
No humano a existir.

O Reinado do Senhor,
É herança garantida,
Para todos os benditos,
Pelo Rei oferecida,
Pois o critério é o amor,
Ao Cristo no sofredor,
Para retomar a vida.

O Reinado do Senhor,
Nos leva a meditar,
Há tempo para se rever,
Para no seu reino entrar.
Recriar nossa postura,
Retomar nossa ternura,
Para não nos enganar.

O Reinado do Senhor,
É encontro e alegria,
É o encontro com o outro,
Sendo noite ou de dia,
É caridade ao irmão
É serviço e gratidão,
Que brota da Eucaristia.

 

***

 

 

*** Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que com justiça e misericórdia nos motiva a participar do Reino de Deus, ilumine o seu caminho! ***

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.