2º Domingo da Páscoa, Domingo da Misericórdia, Ano C, São Lucas

⇒ Domingo da Misericórdia ⇐
⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos profissionais de saúde ⇐

 

Leituras: At 5,12-16; Sl 118(117); Ap 1,9-11a.12-13.17-19; Jo 20,19-31

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Ressurreição: Vida Nova de Cristo que Cresce pelo Mundo

Jo 20,19-31

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa, do Ano C, neste Ano “Família Amoris Lætitia, nos motiva a contemplar Cristo que vem aos Seus discípulos com a própria Paz enviada por Deus, cuja misericórdia é eterna [Sl 118(117),2]. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 20,19-31, passagem que é quase sequencial ao Evangelho do Domingo passado e está situada na terceira e última parte do Evangelho Segundo São João intitulada “A hora de Jesus. A Páscoa do Cordeiro de Deus” (cf. Jo 13,1-21,25).

Nesta Liturgia, portanto, Nosso Senhor aparece aos Seus discípulos que estavam às escondidas num cenáculo, em Jerusalém. Estavam com as portas fechadas, pois tinham medo dos judeus.

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta Nosso Senhor Jesus Cristo, ressuscitado pelo Pai, apresentando-se aos Seus discípulos com a tradicional saudação judaica: shalom, que quer dizer, a “paz esteja convosco”. Mas não era qualquer paz, era a paz de Deus. Com esta saudação, o Ressuscitado apresenta-se então como a própria Paz de Deus, ou seja, Cristo é, como diz a canção “Benção de Paz”(1), “o shalom do Pai”.

Acabamos de vivenciar a semana chamada Oitava da Páscoa, na qual a Liturgia da Palavra foi marcada por testemunhos, sejam através de milagres, medo dos homens ou choro das mulheres. Atitudes características dos primeiros dias depois do Gólgota.

O evangelista João nos conta que era o início da noite, primeiro dia da semana e as portas fechadas por medo dos Judeus (cf. Jo 20,19), ou seja, os que acompanharam Jesus de perto, estavam ainda nas trevas, marcados pelo medo e pelas incertezas.

No dia da Ressurreição, Nosso Senhor aparece numa realidade gloriosa, vivo e alegrando os discípulos, apresentando o Seu sopro de vida nova, para enviar-lhes em missão e transmitirem a autoridade do perdão dos pecados, pois Ele veio para salvar a todos dos pecados do mundo, mostrando a face de Deus, que é infinita misericórdia.

Outro ponto importante do Evangelho é a descrença de Tomé, que não estava na comunidade quando o Senhor aparece pela primeira vez e por isso se mostra incrédulo, como um cientista que quer provas para dar crédito à verdade da Ressurreição e, novamente, oito dias depois (ou o primeiro dia da semana – o Domingo), o Senhor vem ao encontro da comunidade e está lá Tomé para viver a experiência da fé na vida nova.

Tomé é convidado a tocar nas chagas de Jesus para sentir e crer, assim como muitos de nós ainda precisamos de provas para crer que o Reino de Deus já está entre nós. Disse o Senhor a Tomé: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!” (Jo 20,29). Nós, cristãos da atualidade, também somos felizes quando vivenciamos a nossa fé na Ressurreição de Jesus e quando vivemos também a vida nova em nossa caminhada e, ao mesmo tempo, somos transmissores desta verdade.

O que somos capazes de proclamar para os outros sobre o Ressuscitado? O que nos motiva a vivermos uma experiência de convicção da nossa fé? O Tempo Pascal é propício para reavaliarmos a nossa experiência de discípulos e discípulas do Senhor e levarmos a frente esta verdade, com a certeza de que foi a convicção dos que seguiram o Senhor Jesus ou ouviram a pregação sobre o Ressuscitado que fez chegar até nós, no nosso tempo, a mensagem maravilhosa de que o Senhor ressuscitou e nós podemos ressuscitar com Ele.

Precisamos meditar se a descrença de Tomé tem relação com sua ausência da comunidade dos discípulos e porque Jesus não apareceu somente a ele após a aparição aos outros? Onde estava Tomé? O que levou ele a ficar ausente?

E foi exatamente após a caminhada de uma semana que o Senhor Jesus se apresentou mais uma vez e agora com a presença de Tomé que é convidado a tocar nas Suas chagas. Como Tomé, às vezes, precisamos de mais tempo também para absorvermos uma realidade nova em nossa existência.

O evangelista João faz questão de nos lembrar das marcas, das feridas, da crucificação e da presença de Tomé no grupo. Talvez por duas razões: primeiro para provar que era Jesus mesmo que estava ali com eles, com as feridas, pois fora crucificado e também para dizer que a fé dos apóstolos foi alimentada na experiência da comunidade reunida.

Portanto, irmãos e irmãs, é na partilha da mesma realidade e no encontro fraterno que alimentamos a nossa fé na Ressurreição do Senhor e somos motivados a prosseguir um caminho novo.

Peçamos a Nossa Senhora, Mãe da Igreja e Rainha dos Apóstolos, que ela interceda por nós para estarmos preparados para o recebimento dos dons do Espírito Santo, neste Tempo, neste grande dia que a Igreja chama de Tempo da Páscoa ou Tempo de Pentecostes. Amém.

*   *   *
(1) Cf. CD “Na Dança da Vida”, Comunidade Católica Shalom.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Ele está no Meio de Nós


Ele está em nosso meio,
No encontro e na alegria,
Na reza de cada dia,
Na partilha do Pão,
Fazendo-nos Comunhão,
Viva e santa Eucaristia.
*
Ele está na caminhada,
Dos caminheiros queridos,
Que mesmo com os pés feridos,
Das estradas compridas,
Às vezes trazendo fadiga,
Mas se sentem agradecidos.
*
Ele está em nossa vida,
Às vezes com portas fechadas,
Com a Paz anunciada,
Para nos tranquilizar,
E fazer-nos caminhar,
Numa vida renovada.
*
Ele está em nosso ser,
Para a fé nos retomar,
E o medo espantar,
Pra nos dar a segurança,
E refazer-nos a Esperança,
Para o caminho trilhar.
*
Enfim, Ele está aqui e agora,
Quando faço poesia,
Nos passos de cada dia,
Presente em todo momento,
Sendo Deus fonte e alimento,
Que nunca se esvazia.


*   *   *

 

Obra: “A Descrença de São Tomé”, de J. Tissot. In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos dá a verdadeira Paz, ilumine o seu caminho! 

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.