3º Domingo da Páscoa, Ano C, São Lucas

⇒ Dia de São José Operário ⇐
⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pela fé dos jovens ⇐

 

Leituras: At 5,27b-32.40b-41; Sl 30(29); Ap 5,11-14; Jo 21,1-19

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

A Força do Testemunho no Ressuscitado

Jo 21,1-19

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do 3º Domingo da Páscoa, do Ano C, neste Ano “Família Amoris Lætitia , nos motiva a contemplar a beleza do testemunho dos apóstolos que proclamam, com coragem e alegria, a verdade na Ressurreição. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 21,1-19, passagem que é sequência do Domingo passado e que está situada no final da terceira e última parte do Evangelho Segundo São João intitulada “A hora de Jesus. A Páscoa do Cordeiro de Deus” (cf. Jo 13,1-21,25).

Nesta Liturgia, Nosso Senhor está, em Seu Corpo glorioso, à margem do Mar de Tiberíades (que é o mesmo Mar da Galileia ou Lago de Genesaré). Tiberíades ficava ao sul de Cafaranum, a cidade do Senhor Jesus, e eram separadas por uma distância de, aproximadamente, 20 km.

Neste Domingo, a Igreja nos oferece, uma vez mais na Liturgia da Palavra, a perspectiva da ressurreição da carne, como uma participação na glória do Filho, que assumiu em tudo, menos no pecado, a natureza humana.

Esta aparição do Ressuscitado acontece no contexto profissional dos apóstolos, na vida cotidiana, no trabalho, ao “ar livre” e não com “portas fechas”, pois a Ressurreição passa por entre barreiras e obstáculos. A presença do Senhor também não está presa ao Templo, agora o templo de adoração é o Corpo glorificado do Senhor.

O Evangelho de hoje nos proporciona vários pontos de reflexão para a experiência comunitária, sobretudo a de que é o Ressuscitado o condutor para que a comunidade cristã evangelize o mundo. A pesca foi um fracasso até a aparição de Jesus Ressuscitado, mas com Ele acontece o milagre da abundância, isto é, somente com Ele a nossa evangelização tem êxito.

O chamado para cuidar do rebanho deve ser alimentado, primeiramente, pela vivência do amor. “Pela terceira vez, perguntou a Pedro: ‘Simão, filho de João, tu me amas?’ Pedro ficou triste, porque Jesus perguntou três vezes se ele o amava. Respondeu: ‘Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo’. Jesus disse-lhe: ‘Apascenta as minhas ovelhas’.” (Jo 21,17).

Por três vezes Pedro é interpelado pelo Senhor, pois antes tinha negado que conhecia Jesus também por três vezes antes do galo cantar (cf. Lc 22,56-60). Mas isso não foi impedimento para seguir em frente, agora está disposto e reabilitado pela força da Ressurreição e também por sua conversão mais profunda. Cristo tem o senhorio da barca e da missão e a iniciativa de Pedro de realizar a pesca é seguida pelos outros apóstolos, quando disseram nós também vamos pescar (cf. Jo 21,3).

Com esta experiência Pedro caminhará e encontrará perseguições, calúnias. Seguirá para o martírio com uma convicção tão forte que se sentirá alegre e satisfeito porque agora encontrou a razão da sua fé, como podemos confirmar nos Atos dos Apóstolos: “Os apóstolos saíram do Conselho, muito contentes, por terem sido considerados dignos de injúrias, por causa do nome de Jesus.” (cf. At 5,41).

Olhemos agora para João, o Discípulo Amado, aquele que esteve no sepulcro vazio e esperou Pedro chegar para conferir o acontecimento. Ele também está presente na pesca milagrosa e é quem reconhece primeiramente o Senhor Jesus e comunica a Pedro (cf. Jo 21,7). João é a face da Igreja contemplativa, orante, ministério do amor, que reclina a cabeça sobre o coração de Cristo (cf. Jo 13,23), que está ao pé da cruz e que acolhe a Virgem Maria como sua mãe (cf. Jo 19,26-27), mas que é obediente ao representante do colégio apostólico.

As nossas comunidades paroquiais, grupos e pastorais devem fixar estas duas faces da Igreja: a que trabalha, representada por Pedro; e a que contempla e alimenta a comunhão e a missão, representada por João. Assim, nós, cristãos do século XXI, somos testemunhas primeiramente da Ressurreição do Senhor, que é autor da vida. Também devemos viver a caridade, a comunhão e a obediência quando respondemos ao Senhor que chama para lançarmos as redes de pesca.

Recordemos ainda que neste mês de maio as intenções do Papa Francisco, Bispo de Roma e herdeiro da barca de Pedro, estão voltadas à juventude, para que, a exemplo a Virgem Maria, descubram a coragem como fruto da fé e o amor como motivação e como resultado da dedicação ao serviço.

E neste tempo forte da Páscoa peçamos a Nossa Senhora, Mãe da Igreja e Rainha dos Apóstolos, que ela interceda por nós para estarmos preparados para o reconhecimento, para o recebimento do dom da sabedoria e assim estejamos revestidos do Shalom do Pai, da Paz do Senhor e ao caminharmos por entre barreiras, obstáculos e tribulações possamos acreditar na vida nova. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Pela Fé, na Coragem e na Alegria


Lá vão os discípulos, seguidores do Amor,
Em meio a calúnias e injúrias,
É o grande cominho que inicia,
Seguem sem medo,
Confiantes e na alegria.
*
Vão remando mar adentro,
Para o grande milagre,
Para a pesca do amor,
Que não afunda com a tempestade.
Porque o barco é do Senhor.
*
E em meio à mesa da partilha,
Onde o Pão os sacia,
Confirmam a missão,
Anunciando vida nova,
Construindo comunhão.
*
Seguem em comunidade,
Como “pedras vivas”,
Para o Reino edificar,
A caminho do martírio,
Firmes vão, sem desanimar.
*
E nós missionários de agora,
Seguiremos também no Amor,
Vivendo como os primeiros,
Caminhando sobre tempestades,
Mar adentro, sem desespero.


*   *   *

 

Obras: “Refeição de Nosso Senhor e dos Apóstolos” In <brooklynmuseum.org> e “Alimente meus cordeiros”, In <brooklynmuseum.org>, de J. Tissot..

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos proporciona a sabedoria que nos permite caminharmos em paz por entre as tribulações da vida, ilumine o seu caminho! 

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.