15º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos idosos ⇐

 

Leituras: Dt 30,10-14; Sl 68(69),14.17.30-31.33-34.36ab.37 (R. cf. 33) // ou // Sl 18B(19),8-11 (R. 9a); Cl 1,15-20; Lc 10,25-37

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Jesus Cristo é a Palavra Viva que Veio Ficar Próxima de Nós

Lc 10,25-37

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do 15º Domingo do Tempo Comum, do Ano C, nos motiva a contemplar um aspecto da misericórdia de Deus revelado na parábola do “Bom Samaritano”. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 10,25-37.

Este texto sobre a atitude do samaritano nos ensina sobre a caridade, que é a plenitude dos mandamentos apresentados já em Moisés, na antiga aliança. E Jesus veio dá um sentido completo e concreto à Lei, através do mandamento do amor.

Meditemos sobre a parábola do “Bom Samaritano”. Há um homem que foi assaltado e espancando, está sem nada, quase sem vida, não se sabe o nome. Está na estrada de Jerusalém a Jericó. Perdeu suas forças, sua voz e precisa de socorro. Naquela estrada passam muitas pessoas, inclusive assaltantes, mas também sacerdotes, levitas e até homens discriminados pelos judeus como foi o caso daquele samaritano. Muitos tinham compromissos, agendas lotadas, preocupação com as normas a ponto de impedir o socorro a alguém que foi vítima de assalto e de espancamento. Assim como os outros, o samaritano também deveria ter uma agenda e estava em viagem de negócios, mas não está cego para a necessidade e para sofrimento do outro.

Este relato é feito por Jesus para ensinar àquele mestre da Lei, sobre quem é o próximo e também para que ele entenda o significado pleno dos mandamentos instituídos na antiga aliança. Os Padres da Igreja interpretaram o Bom Samaritano como sendo o próprio Jesus que nas estradas da vida acolheu (e acolhe) os sofredores, os violentados, Ele cuidando das suas feridas, cura e leva para a Sua casa, a Igreja, a Barca de Pedro, para que estes sejam também alimentados e tenham suas vidas restauradas.

Hoje, em nossos dias, há tantos assaltados, espancados, famintos, pelas ruas, sem voz e sem nome que, tendo suas realidades humanas (e sociais e econômicas) supridas, fazem parte do olhar de Deus pela ação dos discípulos missionários do Senhor. E assim, os cristãos são chamados a serem bons samaritanos que colocam em prática o amor, no cuidado aos irmãos, indo ao seu encontro e ficando bem próximo deles, não somente fisicamente, mas, como Deus, que veio ficar próximos de nós, a ponto de sentir a nossa dor, tocar e curar nossas feridas. Como nos motiva o hino da Campanha da Fraternidade de 2020: “Peregrinos, aprendemos nesta estrada / o que o ‘bom samaritano’ ensinou: / ao passar por uma vida ameaçada, / ele a viu, compadeceu e cuidou. (cf. Lc 10,33-34)”(1).

Sejamos cristãos atentos às dores que encontramos pelo nosso caminho e aprendamos do Bom Samaritano, Jesus, o Salvador, aprendamos d’Ele que a caridade supera tudo, pois tudo passa menos o amor, menos a caridade (cf. 1Cor 13,13). E ao sairmos das nossas celebrações, neste Domingo, possamos meditar no que Jesus falou para aquele mestre da Lei: “Vai e faze a mesma coisa” (Lc 10,37). Pois é a atitude de fazer-se próximo do outro, de corpo e alma, que nos faz vivermos plenamente os mandamentos e ganharmos a vida eterna. Amém.

*   *   *
(1) Autoria: José Antonio de Oliveira.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Os Bons Samaritanos de Hoje

 

SQuem são os bons samaritanos de hoje?
Nos dias e viagens de tantos sofredores,
Que acolhem e curam tantas feridas,
Que recolhem e aliviam as muitas dores?
São os cristãos na vida de caridade,
São também outros na sociedade,
Como corações sensibilizados e sensibilizadores.
*
Estão nas ruas sem a luz da vida,
Lá nas tocas e apoios da compaixão,
Nos portos seguros do acolhimento,
Nos grupos unidos do amor em ação,
Que se reúnem para vivenciar o amor,
Para seguirem servindo com fervor,
Colocando o Evangelho em plenificação.
*
São os bons samaritanos que se sentem próximos,
Tão próximos a ponto de tocar as muitas feridas,
Buscando remédio para aliviar a dor.
E neste compadecer-se reprogramam a sua vida,
Para servir como um braço do Senhor,
Sendo não somente gesto, mas a prática do amor,
Como chama que no peito é expandida.
*
E cada um de nós seremos bons samaritanos,
Quando deixarmos o amor de Cristo nos preencher,
Deixando o irmão cada vez mais próximo de nós,
E da sua vida cada vez lhes pertencer,
Afastando os olhares do preconceito,
Não mais tornando em nós o desrespeito,
E das suas necessidades não desconhecer.
*
E agora contemplemos com muito zelo nosso Senhor,
O Bom Samaritano perfeito e santo,
Caridade divina que veio ao nosso encontro,
Que sentiu nossas dores e enxugou nosso pranto,
Que ergueu os que caíram na cova da morte,
Que os fez caminhar com pés firmes e fortes,
E que tirou dos seus corações todo medo e espanto.

*   *   *

 

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina sobre o amor, sobre a misericórdia, ilumine o seu caminho! 

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.