22º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos pequenos e médios empreendedores ⇐
⇒ Mês Vocacional – 4º Domingo: pela vocação para os ministérios e serviços na comunidade ⇐
⇒ Dia Nacional dos Catequistas ⇐

 

Leituras: Eclo 3,19-21.30-31 (gr. 17-18.20.28-29); Sl 67(68),4-5ac.6-7ab.10-11 (R. cf. 11b); Hb 12,18-19; Mt 11,29ab; Lc 14,1.7-14

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

A humildade é a virtude que nos leva à Mesa do Reino

Lc 14,1,7-14

 

Meus irmãos e irmãs, no 22º Domingo do Tempo Comum vivenciamos o quarto Domingo do mês vocacional em que refletimos e rezamos pela vocação para os ministérios e serviços na comunidade e também Dia Nacional dos Catequistas. E neste Domingo, a Liturgia nos motiva a contemplar o ensino sobre a humildade nas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 14,1.7-14.

No Evangelho de hoje, o Senhor Jesus está na casa de um importante fariseu para fazer uma refeição, em dia de Sábado. A mesa está pronta, muitos convidados chegam e Jesus observa lugares não ocupados. Observa também os convidados. É de se supor a presença de outros fariseus e autoridades religiosas naquela casa, os quais ocupavam os lugares principais.

Há um ensinamento de Nosso Senhor diante daquela refeição no que se refere aos lugares à mesa e também aos convidados. Ele ensina sobre a humildade numa relação não somente do homem para com o seu semelhante, mas também do homem para com Deus. Na História da Salvação, a tradição valoriza a humildade como uma virtude cristã, pois é concretizada por Deus em seu próprio Filho, Jesus, que desceu à nossa miséria e caminhou conosco, não só nos ensinando, mas também sentido as dores do nosso pecado.

“Quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado” (Lc 14,11). Este ensinamento, contido no texto de Lucas é de uma profundidade esplêndida. Pois humildade é se abaixar. Jesus desceu à terra (se abaixou), se igualou em natureza aos homens, menos no pecado, e foi mais longe: desceu à sepultura, viveu a experiência da morte, mas foi exaltado para vida infinita a fim de oferecer à humanidade a possibilidade da redenção eterna.

Jesus, Deus e homem, viveu a humildade como servo, lavou os pés dos discípulos para nos ensinar que precisamos também nos abaixar com o avental da humildade aos outros para servir. Parou para conversar com as crianças ficando no mesmo nível (físico) delas para acolhê-las e para nos dizer que é necessário viver como elas para participarmos da mesa do Reino.

Para nós, cristãos, faz-se necessário olharmos para a humildade de Deus, a humildade de Jesus, e nos enchermos dessa virtude cristã, pois o mundo do capital, da política e até das profissões parecem andar na contramão dessa força. Podemos nos perguntar: Como viver, neste mundo, a humildade a caminho do banquete do Reino? Como construirmos a fraternidade e inundar os corações das pessoas com os valores cristãos, sem que deixemos de ser eficientes, humanos e úteis no mundo do nosso trabalho?

A humildade verdadeira agrada a todos e leva a cada pessoa a meditar nesse valor. Quem é humilde coloca a sua função e eficácia a serviço dos outros. O motivo de alguém se tornar responsável por uma instituição, por um ministério, empresa ou outras responsabilidades na linha de frente, será de qualidade na medida em que esta se torna coerente. E deve ser construída na humildade, ou seja, na contramão da prepotência, abuso de poder e interesses egoístas.

Na escola da vida cristã, há muitos meios de aprendermos e aperfeiçoarmos no caminho da humildade, dependendo da opção que vamos fazendo pela vida. Por exemplo: na família, os cônjuges são chamados a se completarem e se construírem através da aceitação do outro, pelo diálogo, pelo perdão diário e de muitas vezes se abaixarem (pela humildade) um ao outro, para que o lar seja um ambiente de amor, de paz e de comunhão.

Não podemos esquecer o testemunho do clero, dos sacerdotes e diáconos, religiosos e leigos que, pela missão de levar o Evangelho aos outros, caminham junto com os injustiçados, os pobres, muitas vezes lavando os seus pés pela doação e defesa da justiça, da verdade, pela caridade e também pelo amor incondicional.

São tantos os exemplos concretos os quais podemos contemplar e seguir em frente para vivermos a humildade a caminho da mesa do Reino. Pois os últimos lugares são dos que querem viver com os mesmos sentimentos de Jesus, não somente para serem percebidos pelo dono da casa, mas porque esta postura indica o serviço e a doação cristã e não o egoísmo, prepotência e os interesses individuais.

E neste quarto Domingo do Mês Vocacional, e também na semana que o segue, devemos rezar para que os leigos que se dedicam, sobretudo com as verdadeiras virtudes heroicas, ao serviço da Igreja sem se descuidar de seus compromissos no mundo secular ou mesmo domésticos, sendo testemunhas como desejou Nosso Senhor quando instituiu Sua Igreja não para condenar, mas para salvar o mundo (cf. Jo 3,17;12,47). Rezemos ainda pelos catequistas, para que, neste Dia Nacional dos Catequistas e segundo ano da Carta Apostólica Antiquum Ministerium(1) que instituiu o Ministério laical dos Catequistas, eles possam ser edificadores da Igreja como exorta São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios (cf. 12,28-31).

E os nossos parabéns e oração a todos os irmãos e irmãs leigos e leigas, que dedicam a algum serviço à nossa Igreja, que Deus vos abençoe. Amém.

*   *   *
(1) Disponível em: <https://www.vatican.va/content/francesco/pt/motu_proprio/documents/papa-francesco-motu-proprio-20210510_antiquum-ministerium.html>. Acesso em: 27 ago. 2022.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Buscar a Mesa do Reino

 

Buscar a mesa do Reino,
É viver a humildade,
Caminhar na caridade,
Sem orgulho e sem rancor,
É viver primeiro o amor,
Que nos leva à santidade.
*
Buscar a mesa do Reino,
É olhar para o Senhor,
É viver o Seu amor,
Sem ser um interesseiro,
Não querer ser o primeiro,
E nem ser dominador.
*
Buscar a mesa do Reino,
É procurar sempre servir,
É a Jesus aderir,
Sem orgulho e prepotência,
É esperar na paciência,
O Reino que há de vir.
*
Buscar a mesa do Reino,
É viver a oração,
Sem esquecer a ação,
Mas na paz e na harmonia,
Cultivar a alegria,
Que é própria do cristão.
*
Busquemos esta Mesa Santa,
Que Jesus nos oferece,
Façamos a nossa prece,
Para sermos o sinal,
Do Seu amor filial,
Que nossa vida enternece.

*   *   *

Imagem: “The Great Banquet” de E. Burnand (1850-1921).

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina servir na humildade, ilumine o seu caminho! 

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.