XXX DOMINGO DO TEMPO COMUM

Leituras: Ex 22,20-26; Sl 17(18); 1Ts 1,5c-10; Mt 22,34-40

POESIA

O AMOR VERTICAL E HORIZONTAL

Querendo amar ao nosso Deus
A quem fisicamente nós não vemos,
Precisamos também sempre amar,
Ao outro a quem nós conhecemos.

Assim é a vida do cristão,
Que busca viver a comunhão,
Num culto ao Deus da vida,
Celebrado no encontro de irmãos.

Viver os santos mandamentos
É viver a prática do amor,
Deixando sempre Deus agir,
Com sua presença e vigor.

Fixando em Deus e no humano,
Olhando no alto e também no chão,
No respeito e na reverência,
Na escuta e no olhar de atenção.

O Senhor vem nos ensinar,
Que o Amor é sempre a sua essência,
Lei máxima de seu reto agir,
Que invade à nossa existência.

Orienta-nos na nossa caminhada,
Boa-Notícia de paz e liberdade,
Que santifica e enobrece nosso ser,
E se espalha na vida de comunidade.

Em Cristo novo mandamento,
Para vencer todo vão rigorismo,
Aproximando a quem está distante,
E que vive no individualismo.

Porque o amor abarca toda lei,
Acima das letras ele permanece,
É o sentido da nossa existência,
Que nunca, nunca enfraquece.

Amar a Deus de todo o coração,
Com toda alma e entendimento,
E ao irmão como a si mesmo,
Pois o amor é vida e sentimento.

O Senhor também nos ensina,
Que seu amor é transcendente,
Está acima de nossas pretensões,
Existiu, existe e existirá para sempre.

HOMILIA

O amor ao divino e ao humano

“ ‘Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento!’ Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22,37.39). Eis a grande exigência para vivência espiritual dos cristãos que brota do mandamento máximo pregado por Jesus. Eis a hierarquia simples dos preceitos de Deus apresentada pelo mestre nazareno para aquele grupo de fariseus, que mais uma vez colocam Jesus em uma situação embaraçosa.

Naquela época, os intelectuais da lei estudavam exaustivamente em busca de encontrar entre os 613 preceitos bíblicos o maior em uma hierarquia de importância. A pergunta feita a Jesus, pelo representante fariseu, é tendenciosa e tem o objetivo de pegá-lo em contradição.

Jesus vai buscar a sua resposta também nas escrituras: existem dois mandamentos que são maiores, que abrangem todos os outros: o primeiro é o amor total a Deus, um amor com todo o nosso coração, com toda a nossa alma, com todas as nossas forças e com todo o nosso entendimento (cf. Dt 6,4-5); o segundo é o amor ao próximo, igual ao amor por si próprio. Este preceito está no Levítico (cf. 19,18), que nos diz: Não seja vingativo, nem guarde rancor contra seus concidadãos. Ame o seu próximo como a si mesmo.”

Com certeza os fariseus sabiam deste preceito, mas não o consideravam importante, diferente da observância do sábado. Mas esta referência de amor ao próximo está escrita também no livro do Êxodo, na primeira leitura desta liturgia, quando diz: “não oprimas nem maltrate o estrangeiro, pois fostes também estrangeiros na terra do Egito” (Ex 22,20).

Estes versículos acima nos ensinam sobre a vivência do amor que devemos ter pelos sofredores e maltratados, os quais nem conhecemos e que precisamos acolhê-los como estrangeiros nas terras de nossa existência. Cada israelita carregava na sua história este sentimento de que um dia estivera em terra estranha e que Deus os tirou da escravidão. Neste sentido os judeus eram proibidos de desprezar um estrangeiro, uma viúva, um filho sem pai.

A resposta de Jesus sobre os dois maiores mandamentos é exatamente aquilo que ele vivia na sua missão e que nos testemunhou na sua entrega total no momento da crucificação. A sua vida foi uma permanente experiência de amor concreta ao Pai do Céu, na sua obediência, na sua oração e na sua sintonia contemplativa voltada para o alto.

Também esteve sempre com o seu coração e os seus braços voltados para socorrer os excluídos, discriminados pelo sistema religioso, político e econômico de seu tempo. Também esteve sempre aberto a acolher ricos e pobres que, pela conversão, decidiram abraçar o seu caminho e sua missão em favor do Reino de Deus.

O amor a Deus e ao próximo tem uma dimensão que nos lembra a cruz: um amor máximo ao alto onde está o nosso Deus (vertical) o qual se expressa no nosso culto verdadeiro pela escuta e obediência da Palavra; o segundo amor é dirigido ao irmão (horizontal) que caminha conosco, e que é imagem de Deus. Pelo amor ao nosso irmão, somos convidados a encontrar nele o próprio Cristo.

Não foi fácil para os fariseus aceitar esta condição que Jesus apresentou a eles e que inclusive estava escrito na lei. Colocar o amor a Deus e ao irmão no mesmo patamar, ainda hoje, é difícil para nós, pois exige a experiência da prática caritativa de amar o outro sem que ele nos ame. Amar os inimigos, aceitar muitas vezes os insultos, as críticas e as indiferenças e mesmo assim, querer o seu bem como queremos a nós mesmo, eis o desafio da experiência que brota da cruz de Jesus.

Muitas vezes somos motivados, naturalmente, pelo amor compensativo. Um amor que é dirigido aos que também nos amam. Aqui é importante dizer que entender o amor somente desta forma é ser incoerente ou incompleto no que se refere com ao mandamento de Cristo.

Ele se entregou por cada um de nós. Desceu a nossa condição de pecadores e miseráveis e se fez presente. Jesus nos ensinou a transcender no nosso amor: ir além dos nossos limites de puro sentimento e afetividade para uma entrega de todo o coração, de toda a alma e de todo o entendimento.

Os pais e mães de família, os padres, os diáconos sabem muito bem desta realidade. Quantas vezes temos de acolher, por amor, aqueles que não simpatizamos, que são as ovelhas mais feridas de nosso rebanho. Quantas vezes nossos filhos nos enganam ou ignoram nossos conselhos e nós continuamos, por amor, rezando por eles e queremos o sem bem e seu sucesso. Este é o amor do qual Jesus nos fala no evangelho de hoje. Amar o próximo, a quem vemos, para amar a Deus, a quem não vemos (cf. 1Jo 4,20).

Esse amor que Jesus nos fala significa nosso movimento em direção aos que não conhecemos pessoalmente, tais como os doentes nos hospitais, os presos, o povo da rua e as família e crianças carentes. Eles precisam do nosso amor gratuito. É neles que está escondido o Cristo, crucificado pelos pecados humanos, e que precisam de nossa dedicação e atenção.

Lembremos sobre o amor a Cristo no irmão, como descrito no final do evangelho de Mateus: “eu estava com fome, e vocês me deram de comer; eu estava com sede, e me deram de beber; eu era estrangeiro, e me receberam em sua casa; eu estava sem roupa, e me vestiram; eu estava doente, e cuidaram de mim; eu estava na prisão, e vocês foram me visitar”. (Mt 25,35-36). Este amor nos conduzirá a salvação eterna.

Que o Espírito Santo nos fortaleça, nos anime e nos ensine a permanecermos amando a Deus na pessoa do nosso próximo, como uma experiência profunda do amor total a Cristo, nosso Rocha e Salvação. Amém.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.