II DOMINGO DO ADVENTO

Leituras: Is 40,1-5.9-11; Sl 85(84); 2Pd 3,8-14; Mc 1,1-8

POESIA

NOSSOS CAMINHOS COM O SENHOR

Nos caminhos tortuosos,
Cheios de grandes defeitos,
Vem o Senhor concertar,
Para se tronarem direitos,
Uma voz em nossos desertos,
Ensina os caminhos certos,
Que não foram ainda feitos.

Esse caminho é refeito,
Pela nossa conversão,
Precisa de escuta e fé,
De silêncio e oração.
Pois para bem celebrar
O Natal que vai chegar,
Precisa-se dedicação.

A espera é importante,
Sendo alegre e prudente,
Numa busca bem atenta,
Vivendo o amor paciente,
Praticando a caridade,
A Paz e a solidariedade,
No agora, no presente.

Novos céus e uma nova terra,
É o que nós esperamos,
Na paz com os nossos irmãos,
Sempre que nos encontramos.
Para o Natal acontecer,
Devemos nos envolver,
É o que nós precisamos,

Ao redor da Santa Mesa,
De todos os caminheiros,
Que buscam endireitar,
Sua vida por inteiro,
Buscando a conversão,
Que leva à redenção,
Para o Reino verdadeiro

Peçamos a Santa Mãe,
Que soube bem esperar,
Para que nos auxilie,
Neste nosso caminhar,
Ela que silenciou,
E perseverante rezou,
Ensine-nos a rezar.

 

HOMILIA

O Senhor vem para endireitar nossos caminhos

Na liturgia deste 2º Domingo do Advento, a Igreja nos apresenta os primeiros versículos do evangelista Marcos, dizendo: “Princípio do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus.” (1,1). Parece óbvio começar um livro com esta expressão, mas não é por acaso que o evangelista faz questão de falar do “princípio” ou “início” e de “Jesus Cristo, Filho de Deus”.

Segundo os estudos bíblicos, os textos de Marcos são os mais antigos e poderão nos mostrar o início da pregação de Jesus no mundo ou o começo da pregação escrita pelo evangelista sobre a ação salvífica de Cristo. Isso, porque até aquele momento o testemunho sobre a experiência do seguimento a Jesus e o conhecimento da sua pessoa e da sua história eram apenas oral.

A outra designação que se torna mais forte e que não podemos deixar de refletirmos é: “Jesus Cristo, Filho de Deus”. Falar de Jesus como sendo o filho de Maria e de José é delimitá-lo como homem histórico, mas falar “Jesus Cristo, Filho de Deus” é algo que exige um conhecimento maior. Trata-se de uma compreensão mais profunda de Jesus, pois a palavra Cristo é um nome que só é compreendido de forma completa após a experiência da Cruz e da ressurreição.

O evangelista também nos apresenta um acréscimo importante: “Filho de Deus”. O homem que foi crucificado pelos romanos, que chamava a Deus de Pai, comprova que de fato Deus é Pai e que ele (Jesus) é verdadeiramente o Filho muito amado, desde o princípio (cf. Jo 1,1). Em Jesus há a natureza humana e divina, por isso ele nos traz a salvação e mostra-nos de verdade a face misericordiosa do Divino Pai Eterno.

Voltando-nos a liturgia de hoje, podemos agora entender as palavras de João Batista: “Depois de mim, vem aquele que é mais forte do que eu, de quem não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das sandálias.” (Mc 1,7). O último profeta antes de Jesus, João Batista, tinha a compreensão de que Jesus era o enviado do Pai. Ele é verdadeiramente Deus e foi verdadeiro homem na carne.

Em função disso o Batista não se sente digno nem de se aproximar, porque o seu batismo é Santo e será com fogo[1] do Santo Espírito. Ele é aquele do qual o profeta Isaías anuncia ao povo de Israel quando estava escravo na Babilônia.

É interessante que o evangelista Marcos lê Isaías e o apresenta no início do seu texto para dizer que João Batista irá preparar a chegada do Ungido de Deus. É preciso que o povo busque a conversão, faça penitência para acolhê-lo. Será necessária uma preparação para que não ignorem a encarnação do verbo de Deus no meio do mundo.

A não conversão, a não aceitação da pregação do Batista ou a não escuta de sua mensagem preparatória, talvez tenham impedindo que muitos reconhecessem Jesus como o Cristo de Deus. Faz-se necessário ir ao deserto, longe dos poderes humanos para escutar a voz profética e o chamado à mudança de vida.

Hoje precisamos ouvir a Igreja como mensageira da vinda de Deus em nossas vidas. Precisamos viver a conversão e a reconciliação. Ouvir a Palavra proclamada e acreditar preparando os nossos caminhos para que Deus renasça em nossas vidas.

Ao mesmo tempo devemos ser como João Batista: preparar o mundo para celebrar o Natal para que esta festa não tenha muitas vezes, uma expressão folclórica, como muitas pessoas a entendem.

Talvez existam muitas distorções do sentido do Natal exatamente por falta de profetas, que faça a preparação ajudando ao povo sobre a vinda do Senhor. Nesse sentido é muito importante a Novena de Natal, a participação assídua e atenta nas liturgias com o objetivo de compreender e viver espiritualmente a experiência da espera alegre do Senhor, que quer renascer em nossa vida.

Cristo quer endireitar nossos caminhos o quais, muitas vezes são tortuosos. Ele quer reconstruir nossas relações de amizades e de companheirismo com os nossos irmãos que muitas vezes são desgastadas pela nossa displicência e nossas ocupações demasiadas e surtos de egoísmo.

Peçamos a Nossa Senhora que nos ensine a esperarmos na perseverança e no silêncio do coração, como ela mesma esperou na sua carne e no seu espírito a encarnação do Verbo. Esperarmos novos céus e uma nova terra, onde habitará a justiça (cf. 2Pd 3,13). Amém.

[1] Expressão usada pelo evangelista Mateus (cf. 3,11).

Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. “ O que vem depois de mim, não sou digno de desatar suas sandálias “… São João Batista, humildade sempre!

  2. Maria Divina dos santos

    Muito bonito Diácono! Por mais que se queira ignorar essa data, as vezes por vários motivos, não se pode negar o quanto ela é mágica! Que a presença de Jesus seja real no coração de todos, trazendo esperança é paz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.