VII Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas religiosas e consagradas ⇐

 

Leituras: 1Sm 26,2.7-9.12-13.22-23; Sl 138(137); 1Cor 15,45-49; Lc 6,27-38

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

O Amor no Alto Nível Cristão

Lc 6,27-38

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do VII Domingo do Tempo Comum nos motiva a continuar contemplando Jesus de Nazaré no “Sermão da Montanha”, hoje sobre a vivência do amor e da misericórdia de Deus. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 6,27-38, sequência do Domingo passado, passagem que compõe a terceira parte do Evangelho Segundo São Lucas intitulada “O ministério de Jesus na Galileia”.

Nesta Liturgia, Jesus continua no contexto do “Discurso Inaugural”(1), ensinando os discípulos após a eleição do grupo dos Doze (cf. Lc 6,12-16) possivelmente ao pé da colina de Tabgha, há aproximadamente três quilômetros de Cafarnaum, a cidade de Jesus (cf. Mt 4,12;9,1).

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta, na sequência das bem-aventuranças, as quais vimos no Domingo passado, mais um recurso para o vocacionado, para o discípulo, alcançar e anunciar o Reino de Deus: trata-se do amor no mais alto nível, o qual brota da boca de Jesus, que nos revela um amor desprendido de recompensas ou de aprovação.

O Evangelho de Lucas nos apresenta quatro indicações de Jesus para que o vocacionado: amar os inimigos, fazer o bem aos que odeiam, bendizer os que amaldiçoam e rezar pelos caluniadores (cf. Lc 6, 27-28).

Como seguir tais conselhos? As palavras de Jesus nos provocam a pensar no autêntico desafio do cristão, pois o cristianismo nos coloca na contramão de concepções que o mundo oferece como soluções, quem podem ser políticas, culturais ou econômicas. Às vezes nos esquecemos destas palavras de Jesus e acabamos agindo de modo incoerente com o Evangelho.

E diante de nossas quedas, não devemos nos desanimar, pois a nossa conversão acontece quando conseguirmos dissolver nossos ressentimentos e abrir mão dos desejos de vinganças que corroem nosso coração. Num mundo que incentiva a vingança, a intolerância, muitas vezes as guerras, o uso de armas, somos chamados a discernir sobre as misturas do joio e do trigo(2) presentes entre nós cristãos, seja como indivíduo, seja como comunidade.

Davi, na primeira leitura desta Liturgia, candidato ao trono, evitou sujar as mãos com o sangue do rival por sede de poder. Diz ele: “quem poderia estender a mão contra o ungido do Senhor, e ficar impune?” (1Sm 26,9). Os políticos do nosso país poderiam aprender muito com a atitude de Davi. Quantas vezes se mata ou monta-se armadilhas por disputa política?

São Paulo, na segunda leitura desta Liturgia, nos exorta a caminhar na certeza de que Cristo é o novo Adão que veio nos visitar com sua humanidade e divindade e que a partir de Sua humanidade podemos ser reflexo do homem celeste, que é o Filho de Deus.

Portanto, irmãos e irmãs, a Liturgia de hoje nos motiva a olharmos para Jesus e acolhermos suas palavras carregadas das expressões que nos impulsionam a vivermos o Seu amor e a Sua misericórdia, atitudes que estão prefiguradas já no Antigo Testamento, como por exemplo a atitude de Davi.

Finamente, peçamos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, unção de todos os santos, para que tenhamos a atitude dos servos das bodas de Caná e façamos tudo o que Cristo nos disser (cf. Jo 2,5), em relação a Deus e ao próximo. Com a graça e a força de Deus é possível vivermos estas máximas de Jesus. Amém.

*   *   *
(1) No Evangelho Segundo São Mateus é conhecido como “Sermão da Montanha” (cf. Mt 5,1-7,29).
(2) Cf. Mt 13,24-30. Cf. XVI Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

O Amor Além do Humano


Amor aos inimigos, diz o Senhor,
Fazendo-nos amar na profundidade,
Indo além do dar e do receber,
Que é próprio da nossa humanidade.
Como fugir do convencional?
Como avançar no combate ao mal?
E sair da vingança para a humildade?
*
Muitos humanos estimulam fortemente,
A revanche no lugar do perdão,
O olho por olho como sendo uma lei,
Sufocando a reconciliação,
E então se esconde a verdade,
Não se vê o que é lealdade,
E emerge a forte contradição.
*
Fazer o bem aos enraivecidos,
Buscar vencer o ressentimento,
Provoca o bem e cura a pessoa,
Alivia os traumas e os sofrimentos,
Estimula a paz e a serenidade,
Faz caminharmos para a liberdade,
Cura a alma e seus ferimentos.
*
Bendizer os que nos praguejam,
Semear o bem e se desarmar,
Deixar que nosso coração,
Pulse livre sem se inchar,
Para que a vida seja alegria,
Seja inspiração pra poesia,
E rocha para suportar.
*
E a oração aos caluniadores,
Que o mundo vem a questionar,
Para alguns, quase impossível,
Mas ninguém pode desanimar,
Porque a oração é força vital,
Para os que creem é essencial,
Alimenta a alma e faz caminhar.

*   *   *

 

Extrato da obra “O Sermão da Montanha” (1920), de H. Copping, In wikipedia.org – “File:Harold Copping – The sermon on the mount – (MeisterDrucke-52362).jpg”

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos dá os recursos para perseverar na realização da nossa vocação, ilumine o seu caminho!

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.