4º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33)

 

Leituras: Sf 2,3;3,12-13; Sl 145(146),7.8-9a.9bc-10 (R. Mt 5,3); 1Cor 1,26-31; Mt 5,12a; Mt 5,1-12a

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Felizes os que vivem em Cristo

Mt 5,1-12

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 4º Domingo do Tempo Comum, Ano A , nos motiva a contemplarmos a beleza e o sentido das bem-aventuranças. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 5,1-12.

As bem-aventuranças situam-se no Sermão da Montanha, sendo destinadas aos discípulos e à multidão. Precisamos refletir sobre o sentido mais profundo das bem-aventuranças e podemos nos perguntar: será que a nossa prática cristã, no dia-a-dia de nossa caminhada, consegue expressar, pelas nossas atitudes, as bem-aventuranças?

Precisamos olhar para o Senhor Jesus com o objetivo de perceber como Ele viveu as bem-aventuranças na Galileia. A Sua pregação refletia a própria vida junto aos pobres, aos injustiçados, aos doentes e aos discriminados. E em frente às multidões e aos discípulos, o Senhor apresenta o que, na verdade, poderia trazer felicidade àqueles que quisessem trilhar os caminhos do Reino de Deus e ganhar a salvação eterna.

E a lógica das bem-aventuranças nos ensina e nos prova que a verdadeira felicidade está no coração do homem que vive a prática do amor e da paz. Um amor traduzido numa vida totalmente livre das amarras da alienação e do medo, numa atitude serena no modo de anunciar a justiça e de lutar pela dignidade humana, mesmo nos momentos de tribulações, perseguições, sofrimentos e calúnias.

A Primeira Leitura desta Liturgia é a profecia, em Sofonias, sobre os remanescentes de Israel, também chamados de “os pobres de Israel”. Sofonias, profeta em Jerusalém na época do rei Josias (639-609), é portador de esperança num contexto de violência e opressão, pois após o reinado de Josias, Judá passa a vivenciar todo tipo de insegurança institucional e em seguida o exílio babilônico.

A profecia de Sofonias diz: “deixarei entre vós um punhado de homens humildes e pobres. E no nome do Senhor porá sua esperança (…) Eles não cometerão iniquidades nem falarão mentiras; não se encontrará em sua boca uma língua enganadora; serão apascentados e repousarão, e ninguém os molestará.” (Sf 3,12-13).

Portanto, irmãos e irmãs, a profecia era esperança para os que enfrentavam o exílio e também, séculos depois, para os discípulos e para a multidão presente no Sermão da Montanha (cf. Mt 5,1). Assim, as bem-aventuranças precisam encontrar um coração humilde e justo para que haja a vivência da mansidão, da pobreza em espírito, a misericórdia e a paz.

Já na Segunda Leitura desta Liturgia, o apóstolo São Paulo, escrevendo aos coríntios, também nos fala que “Deus escolheu o que o mundo considera como estúpido, para assim confundir os sábios; Deus escolheu o que o mundo considera como fraco, para assim confundir o que é forte” (1Cor 1,27). A lógica de Deus estará na contramão do nosso mundo material, consumista, dominador, explorador, prepotente e injusto.

Os cristãos serão parecidos com Cristo quando viverem como Ele viveu, do mesmo modo que Ele mesmo percorreu o caminho das bem-aventuranças. Ele foi manso com os prepotentes, humilde com os arrogantes, justo frente aos injustos, pobre em meio aos pobres e também aos ricos. Calou na hora certa, mas também anunciou e denunciou nos momentos necessários. A Sua pregação não foi para um grupo específico, foi para todos e quem acolheu a Sua mensagem entendeu o sentido da verdadeira felicidade.

Nós todos seremos bem-aventurados, isto é, felizes, quando entendermos a lógica da pregação evangélica e a praticarmos em nossa vida diária. Seremos felizes de verdade quando nossas atitudes forem coerentes com o Evangelho. A pobreza de coração, a mansidão, a justiça, a paz e a misericórdia só terão sentido, e mesmo serão percebidas e seguidas, quando estiverem presentes em nossas ações, ou seja, em nosso testemunho.

Talvez o maior desafio dos cristãos para vivenciarem as bem-aventuranças seja a dificuldade de entender que, na prática, exige-se doação de si, desapego às ideias materialistas e egoístas e, sobretudo, aceitar o sofrimento e a perseguição, ou seja, a cruz de Cristo como modelo.

O Senhor Jesus nos dirá pelo evangelista Mateus: “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus” (Mt 5,11-12a). Busquemos viver uma experiência profunda de Deus e assim entenderemos a profundidade das bem-aventuranças. A nossa recompensa e felicidade perfeita, portanto, será a posse da Terra Celeste, o Céu, isto é, a nossa salvação. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

A felicidade em Cristo

 

A felicidade está
No coração desapegado,
Que não vive a escravidão
Da sedução do pecado,
Em quem vive a certeza,
No Deus amor encarnado.
*
A felicidade está
Na pessoa em liberdade,
Que caminha com firmeza,
Com os outros em irmandade,
Em quem busca a justiça,
A paz e a fraternidade.
*
A felicidade está
Nos que vivem a doação,
Guiados pelo Santo Espírito,
Vivendo a compaixão,
Ao lado daqueles que choram,
Fazendo a consolação.
*
A felicidade está
Nos que vivem a pregar
Servindo com o dom do amor,
Sem o outro explorar,
Vivendo a entrega completa,
E o testemunho a falar.
*
A felicidade está
Na mesa santa do amor,
Na pobreza de Espírito,
Vivida por Nosso Senhor,
No discípulo em missão,
Com entusiasmo e ardor.
*
A felicidade estará
Na Terra Santa e Prometida,
Morada da eternidade,
Por Deus estabelecida
No caminho mais perfeito,
Para verdadeira vida.

 

*   *   *

 

“O sermão das bem-aventuranças”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/13418>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos apresenta a beleza e o sentido das bem-aventuranças, ilumine o seu caminho! 

 

 

3º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «
⇒ Domingo da Palavra de Deus 

 

Leituras: Is 8,23b-9,3; Sl 26(27),1.4.13-14 (R. 1a.1c); 1Cor 1,10-13.17; cf. Mt 4,23; Mt 4,12-23 (mais longo); Mt 4,12-17 (mais breve)

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Ele está no Meio de Nós

Mt 4,12-23 (mais longo); Mt 4,12-17 (mais breve)

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 3º Domingo do Tempo Comum, Ano A , nos motiva a contemplarmos, pelo evangelista Mateus, os primeiros passos do Filho de Deus em direção aos Seus discípulos e, consequentemente, no meio de nós. E o Evangelho desta Liturgia está em Mt 4,12-23 (na versão mais longa) ou em Mt 4,12-17 (na versão mais breve).

A nossa caminhada com o Senhor está bem no início e podemos contemplar a Sua luz brilhando no mundo, pois o Senhor Jesus é a presença concreta do Reino de Deus entre nós. Isto pela sua mensagem, pelos seus milagres e pela sua ação salvadora, através da Sua compaixão, pela Sua paixão, morte, ressurreição e glorificação.

O evangelista Mateus nos informa que Jesus foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, no território de Zabulon e Neftali (cf. Mt 4,13) e essa região é a mesma anunciada pelo profeta Isaías ao se referir ao povo de Israel quando era escravo e oprimido pelos assírios, por volta do séc. VIII a.C. Por isso o profeta Isaias anuncia a esperança para aquele povo. E diz: “O povo, que andava na escuridão, viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandece” (Is 9,1).

Informado o contexto no qual o Evangelista nos apresenta, vemos que a presença do Senhor Jesus na Galileia é o cumprimento daquilo que o profeta Isaías anunciou: agora chegou a salvação para o povo que andava nas trevas (cf. Is 9,1). Ele é a grande luz presente no mundo, pois anuncia a conversão, cura as enfermidades e, ao mesmo tempo, chama colaboradores para a missão, porque Ele já é a presença do Reino em nosso meio.

Neste Evangelho também constatamos o chamado de Jesus aos primeiros discípulos, Simão Pedro e André, Tiago e João. Eles estavam na pesca. Pedro e André estavam lançando as redes e Tiago e João consertavam as redes na barca. Eram trabalhadores dedicados, mas o Chamado faz com que eles mudem imediatamente o percurso de suas vidas, seguindo, a partir daquele momento, o caminho de Jesus. Eles seguem imediatamente o Mestre, para anunciar, por toda a Galileia, que chegou a salvação.

Faz-se necessário que todos conheçam os ensinamentos sobre o Reino. Era preciso reconhecer a força de Deus em Jesus, o Filho amado que veio morar com o Seu povo. Os discípulos são os primeiros colaboradores de Cristo (cf. Jo 1,41) para que o Reino de Deus possa chegar a todo o mundo, pois a Palavra deve se espalhar pelas nações para fermentar o coração da humanidade proporcionando sentido de vida e libertação.

Na Segunda Leitura desta Liturgia, o apostolo São Paulo nos ensina como sermos irmãos em Cristo, de tal modo que não sejamos causa de divisão na comunidade, pois o poder de Deus está na comunhão e na caridade. Assim nos fala o Apóstolo: “Irmãos, eu vos exorto, pelo nome do Senhor nosso, Jesus Cristo, a que sejais todos concordes uns com os outros e não admitais divisões entre vós.” (1Cor 1,10).

Tanto nós, como os primeiros discípulos, somos chamados a mudar o nosso percurso para seguir o caminho de Jesus. Somos convocados pelo Batismo a formarmos a comunidade de amor que o Senhor deseja. Somos chamados a anunciar o Reino, pois Ele está próximo de nós, está nas curas que Deus propicia, nas ações comunitárias, na luta por justiça, na fraternidade, na paz e na comunhão.

Deus opera milagres em nossas vidas, principalmente quando vamos nos convertendo cada vez mais ao Seu Evangelho. Converter-se é trazer em nossa vida as mesmas atitudes de Jesus. E a Igreja nos ensina que o Senhor está presente de cinco modos na Missa, na celebração eucarística: está presente na pessoa do sacerdote, na Eucaristia, nos sacramentos, na Sagrada Escritura proclamada e quando a Igreja reza e canta (cf. SC 7) (1).

Em Cristo somos livres e, ao mesmo tempo, somos chamados a libertar os outros como membros da comunidade viva de Cristo, a Igreja. O mar, no sentido bíblico, simboliza os perigos e as trevas. Os discípulos saíram dessa escuridão para seguir a Luz do Senhor e, seguindo essa Luz, vão vencendo os perigos que podem levá-los aos tormentos presentes no mundo. Assim somos nós, os cristãos no mundo de hoje, discípulos e missionários em meio aos desafios e às trevas mas confiantes na Luz de Cristo que nos ilumina, que nos fortalece e que nos indica o caminho que, juntamente com os irmãos em Cristo, devemos seguir.

Que o Senhor nos abençoe e nos conduza na missão evangelizadora que Ele mesmo nos confiou. Que nossa missão seja concretizada no nosso testemunho de discípulos missionários. Que antes de pregarmos aos outros, possamos ter a convicção de que “O Senhor é minha Luz e Salvação. O Senhor é a proteção da minha vida” [cf. Sl 26(27),1]. Por fim, possamos ouvir o apóstolo São Paulo que, na Primeira Carta aos Coríntios, nos transmite uma exortação para que não sejamos nem de um grupo nem de outro, mas membros do povo do Senhor (cf. 1Cor 1,12). Amém!

*   *   *
(1) cf. SANTA SÉ. Sacrosanctum Concilium: Constituição conciliar sobre a sagrada liturgia. 1963. Disponível em: <https://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19631204_sacrosanctum-concilium_po.html>. Acesso em: 21 jan. 2023. 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Tão Perto de nós, ó Senhor

 

Tão perto de nós, ó Senhor,
Na Sua Palavra forte,
Falando-nos da vida e do amor,
Tirando-nos do caminho da morte,
Assembleia viva em louvor,
No encontro que nos conforte.
*
Tão perto de nós, ó Senhor,
Pelo Seu Corpo santo e vivo,
Que nos alegra e nos faz prosseguir,
Unindo-nos a Ele num caminhar ativo,
Fazendo-se também Corpo se sentir,
Sendo Fermento, Sal e Luz, o Motivo.
*
Tão perto de nós, ó Senhor,
Nos Teus amigos anunciadores,
Discípulos da justiça e da vida,
Tua boca frente aos opressores,
Teus pés e tuas mãos envolvidas,
Nos tantos e tantos semeadores.
*
Tão perto ainda, ó Senhor!
Nos pobres e tantos sofridos,
Tuas chagas em tantos irmãos,
Partilhando Tua cruz nos desvalidos,
Que buscam em Ti compaixão,
E esperam serem acolhidos.
*
E tão perto de nós, ó Senhor
Pede-nos em nós a mudança,
Para não sermos filhos descrentes,
Pois Seu caminho é luz e esperança,
Mesmo no silêncio está presente,
E Seu amor nunca se cansa!

 

*   *   *

 

“A vocação de São Pedro e Santo André” In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4458> e “A vocação de São Tiago e São João” In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4460>, de J. Tissot (1836-1902).

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, presença concreta do Reino de Deus entre nós, ilumine o seu caminho! 

 

 

2º Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos educadores ⇐
⇒ Janeiro: Mês dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus
⇒ 3º Ano Vocacional 
» Tema: “Vocação: graça e missão” «
» Lema: “Corações ardentes, pés a caminho” (cf. Lc 24,32-33) «

 

Leituras: Is 49,3.5-6; Sl 39(40),2.4ab.7-8a.8b-9.10 (R. 8a.9a); 1Cor 1,1-3; Jo 1,14a.12a; Jo 1,29-34

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Batizados em Cristo

Jo 1,29-34

 

Meus irmãos e minhas irmãs, a Liturgia do 2º Domingo do Tempo Comum, Ano A, nos motiva a contemplarmos o início do Tempo Comum no qual São João Batista indica Nosso Senhor Jesus Cristo como “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 1,29-34.

Após a solenidade da Epifania e a Festa do Batismo do Senhor, nós entramos no chamado Tempo Comum, período que contemplamos a ação do Verbo de Deus na história dos homens. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (cf. Jo 1,29), porque mergulhou em nossa realidade humana, santificou as águas e trouxe o batismo no Espírito Santo para resgatar a nossa imagem, a fim de que se assemelhe à d’Ele.

No Evangelho de hoje (cf. Jo 1,29-34) São João Batista indica Nosso Senhor e confirma o que ele já tinha anunciado nas suas pregações pelo deserto e o próprio João Batista também faz uma memória do acontecimento do batismo de Jesus e a sua experiência de ter visto o Espírito Santo descer e permanecer (cf. Jo 1,33), como ouvimos na Liturgia da Festa do Batismo do Senhor (cf. Mt 3,13-17).

O profeta Isaías nos fala do Servo de Israel, que será luz das nações e que trará a salvação até os confins da terra (cf. Is 49,3-6). Para nós, cristãos, Jesus é este servo, o Cordeiro que agora se entrega para salvar todos do pecado original. Ele traz a redenção e a paz para o mundo.

São Paulo, no início da Primeira Carta aos Coríntios, dirige uma mensagem aos que encontraram em Cristo o fundamento da santidade. Os que estão em Cristo são chamados a viver os mesmos sentimentos dele (cf.1Cor 1,2-4). Por isso os batizados têm a missão de serem santos dentro das diversas realidades do mundo.

Como fermento que transforma a massa e que a faz crescer, a missão dos cristãos, dos batizados no Espírito Santo é fazer crescer a força do Evangelho no mundo, vivendo a santidade com os pés firmes no chão da vida e iluminando os outros para também trilharem o mesmo caminho. Esta é a “missão de todos nós”(1).

Não podemos viver uma espiritualidade mergulhada no isolamento e no intimismo, alheios às realidades concretas da vida as quais estamos inseridos. Onde quer que estejamos, somos chamados a dar testemunho do que vivemos e também dar testemunho nas realidades onde estão ausentes os valores do Evangelho.

No seguimento a Cristo, somos também chamados a tirar o pecado do mundo. Ser seguidor é anunciar a justiça, é construir a fraternidade, vencer os males que afetam a realidade humana. Todas as vezes que nos reunimos para rezar, para planejar as ações de amor e de caridade estamos contribuindo para que a miséria que está no mundo seja diminuída.

Quando nos alimentamos do Corpo e do Sangue do Senhor, apresentados no altar de ação de graças e da doação do amor, somos também nutridos para vivermos, com perseverança e força, a missão que o Senhor nos confiou. A apresentação do Cordeiro na Mesa da Eucaristia nos motiva a recordar a atitude de São João Batista e fazermos o mesmo que ele fez: apontar para Cristo e apresenta-Lo aos que ainda não O encontraram.

Olhemos para o Cordeiro que agora nos oferece um banquete fraterno e santo para nossa salvação e perguntemo-nos: somos capazes de reconhecer os nossos pecados dos quais Cristo quer nos tirar? Quais são os pecados do mundo os quais estamos envolvidos? Que pecados queremos que Cristo tire do mundo, com a nossa colaboração?

São muitos os pecados os quais praticamos e que, de certa forma, podemos nomear nos dias de hoje: as injustiças sociais, a corrupção, as guerras, a opressão e a falta de acolhimento aos refugiados, as ambições, o egoísmo, o individualismo e, sobretudo, a omissão dos cristãos quando é preciso levantar a voz e defender a vida e a justiça.

Mas não esqueçamos dos tantos discípulos do Senhor (Bispos, padres, diáconos, religiosos e leigos) que se dedicam ao Reino com empenho através das missões nas dioceses, nas paróquias, nas comunidades e também os missionários além fronteiras, os que se envolvem em favor da justiça, da paz e do amor. Rezemos por todos os que semeiam, com fidelidade, entusiasmo e coragem a alegria do Evangelho.

Peçamos ao Espírito Divino que ilumine as nossas ações e os nossos corações para vencermos o medo e o comodismo e que nos venha a coragem de tomarmos consciência de nossos erros, os quais trazem consequências para a humanidade se distanciar da vida verdadeira. Que o Banquete do Cordeiro alimente a nossa vontade de vivermos fielmente o nosso batismo no Espírito de Deus em virtude de fazermos a experiência dos discípulos missionários neste mundo marcado por tantas controvérsias. Amém.

*   *   *
(1) Trecho da letra da música “Missão de todos nós”, de Zé Vicente. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=gWj-XoDuuGc>. Acesso em: 18 jan. 2020.
 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Ele é o nosso Cordeiro

 

Olhemos para o altar,
Para o Cordeiro imolado,
Pedimos, Deus nos venha salvar,
Nos livrando do pecado.
*
Ouvindo o que Ele nos diz,
Nutrindo nosso coração,
Pedimos que nos faça feliz,
A vivermos como irmãos.
*
Entrando em Sua morada,
E com os irmãos encontrando,
Queremos a paz anunciada,
E no amor comungando.
*
Nosso Cordeiro amado,
Entregou-se em humildade,
E ao Seu Banquete integrados,
Vivemos a fraternidade.
*
Seu alimento é vida,
E a nós se ofertou
Fonte de eterna acolhida,
Pois a morte derrotou.
*
E a nós, os batizados,
No Espírito abrasador,
Sejamos também enviados,
Do santo e vivo amor.
*
E pelo o mundo em missão,
Levemos sempre a verdade,
O Evangelho em ação,
Salve toda a humanidade.
*
E no Batismo ardente,
Luz do Espírito que irradia,
Preencha-nos a alma e a mente,
De pura e repleta alegria.

 

*   *   *

 

“São João Batista vê Nosso Senhor Jesus de longe”, de J. Tissot (1836-1902). In <https://www.brooklynmuseum.org/opencollection/objects/4450>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, ilumine o seu caminho! 

 

 

VIII Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas religiosas e consagradas ⇐

 

Leituras: Eclo 27,5-8; Sl 92(91); 1Cor 15,54-58; Lc 6,39-45

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Autêntico Exame de Consciência

Lc 6,39-45

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do VIII Domingo do Tempo Comum, do Ano C, nos motiva a continuar contemplando Jesus de Nazaré, o Cordeiro de Deus, no “Sermão da Montanha”, hoje nos apresentando a necessidade de um profundo exame de consciência. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 6,39-45, sequência do Domingo passado.

Nesta Liturgia, Jesus ainda continua no contexto do “Discurso Inaugural”(1) nas proximidades de Cafarnaum, a cidade em que Ele habitou (cf. Mt 4,12;9,1) em cumprimento da profecia de Isaías que diz que Deus não deixará sem luz os que padecem na região da sombra da morte (cf. Mt 4,13-16).

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta, ainda na sequência das bem-aventuranças, as quais vimos nos dois últimos Domingos, mais um recurso para o vocacionado, para o discípulo, para que ele alcance e anuncie o Reino de Deus: a permanente vigilância do que está cultivando no próprio coração. Convém recordar que na Bíblia o coração representa o território das emoções, dos sentimentos, mas principalmente o centro da razão e das decisões.

O Senhor quer que os Seus seguidores imprimam na alma uma nova forma de relação com as pessoas e também entre eles próprios. Jesus pergunta: “Pode um cego guiar outro cego?” (Lc 6,39). Como, em vista da missão, o discípulo poderia “guiar” as pessoas em busca do Reino se não percebesse também seus próprios limites e obstáculos?

Mais adiante, Jesus fala: “Tira primeiro a trave do teu olho, e então poderás enxergar bem para tirar o cisco do olho do teu irmão” (Lc 6,42). Os discípulos, chamados a serem também luz do mundo (cf. Mt 5,14), necessitavam tirar de sua vida aquilo que os impediam de enxergar o mundo e as pessoas com os olhos de Deus. Não podemos ajudar o outro se não tirarmos as traves que nos impedem de nos reconhecermos como somos. O risco é de acabamos agindo hipocritamente, pois como podemos iluminar a vida das pessoas sem estarmos iluminados?

Jesus também lembra da árvore que deve ser reconhecida pelos seus frutos (cf. Lc 6,43). Os frutos do cristão deve ser a paz, a justiça, sabedoria, a fraternidade, o perdão, o cuidado com os pobres e necessitados da Providência de Deus. E do cultivo de tais valores no coração poderá brotar atitudes coerentes com o Evangelho.

As orientações de Jesus aos Seus discípulos também são destinadas a todos nós e refletem perfeitamente as palavras contidas na primeira leitura desta Liturgia. Diz o autor sagrado do Eclesiástico: “Como o forno prova os vasos do oleiro, assim o homem é provado em sua conversa, O fruto revela como foi cultivada a árvore; assim, a palavra mostra o coração do homem.” (Eclo 27,6-7).

Portanto, irmãos e irmãs, a Liturgia de hoje nos estimula fortemente a fazermos um profundo exame de consciência, a ponto de tirarmos os obstáculos, as traves, que represam em nós o egoísmo, a ganância, o individualismo e a falta de convivência fraternal. Enxergando o seu caminho, sua vida e sua missão, o discípulo poderá, pelo seu exemplo, guiar outros a Jesus.

Somente a humildade, que nos leva ao reconhecimento de nossa condição humana, poderá nos fazer novas criaturas. O cultivo da sabedoria que vem de Deus nos fará produzir bons frutos em qualquer fase de nossa vida. O salmo 91 nos exorta: “O justo crescerá como a palmeira, florirá igual ao cedro que há no Líbano; na casa do Senhor estão plantados, nos átrios de meu Deus florescerão.”

Peçamos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, unção de todos os santos, para que tenhamos a atitude de confiança dos noivos das bodas de Caná, pois o vinho melhor é promessa para nós e através de nós. É com a graça e a força de Deus que podemos viver estas máximas de Jesus, sendo iluminados por Deus e sendo instrumento de Sua luz para o próximo. Amém.

*   *   *
(1) No Evangelho Segundo São Mateus é conhecido como “Sermão da Montanha” (cf. Mt 5,1-7,29).

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

A Sabedoria que Vem do Alto


Ações sábias alegram o coração de Deus,
Pois do Senhor brota o sumo bem,
Que alimenta a santidade do homem,
Que lhe faz coerente também,
Porque o coração cheio de amor,
Traz para a vida a força e o ardor,
Que aos bons e justos convém.
*
E os olhos limpos das tantas traves,
Fará o sábio para o mundo iluminar,
Porque a sabedoria vem da luz de Deus,
Que ao seu coração vem a orientar,
Para seguir em frente como caminheiro,
Pela longa estrada caminhará inteiro,
Firme e iluminado e sem tropeçar…
*
Quem for discípulo como seu mestre,
Carregará o amor como fundamento,
No ministério do seu dia a dia,
Será da paz em qualquer momento,
Nascerão bons frutos da sua missão,
No seu caminhar terá compaixão,
Seu testemunho será ensinamento.
*
Cristãos iluminados pelo Senhor,
Curados das trevas e das cegueiras,
Fazendo-os também a outros se guiarem,
E se livrarem das trilhas traiçoeiras,
Que às vezes tentam os atropelar,
Porque a vida é este trilhar,
Existência que se faz em nós verdadeira.
*
A comunhão nos traz a lucidez,
Pois o olhar do outro pode nos orientar,
E assim o encontro nos conduz à cura,
Em vista de a nossa vida transformar,
Porque a boa mensagem é fruto do seguidor,
Sentido e fortaleza que vem do Senhor,
Pela Boa Notícia a nos alegrar.

*   *   *

 

Extrato da obra “O Sermão da Montanha” (1920), de H. Copping, In wikipedia.org – “File:Harold Copping – The sermon on the mount – (MeisterDrucke-52362).jpg”

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos apresenta mais uma fonte de recursos para realizarmos a nossa vocação, ilumine o seu caminho!

 

 

VII Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas religiosas e consagradas ⇐

 

Leituras: 1Sm 26,2.7-9.12-13.22-23; Sl 138(137); 1Cor 15,45-49; Lc 6,27-38

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

O Amor no Alto Nível Cristão

Lc 6,27-38

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do VII Domingo do Tempo Comum nos motiva a continuar contemplando Jesus de Nazaré no “Sermão da Montanha”, hoje sobre a vivência do amor e da misericórdia de Deus. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 6,27-38, sequência do Domingo passado, passagem que compõe a terceira parte do Evangelho Segundo São Lucas intitulada “O ministério de Jesus na Galileia”.

Nesta Liturgia, Jesus continua no contexto do “Discurso Inaugural”(1), ensinando os discípulos após a eleição do grupo dos Doze (cf. Lc 6,12-16) possivelmente ao pé da colina de Tabgha, há aproximadamente três quilômetros de Cafarnaum, a cidade de Jesus (cf. Mt 4,12;9,1).

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta, na sequência das bem-aventuranças, as quais vimos no Domingo passado, mais um recurso para o vocacionado, para o discípulo, alcançar e anunciar o Reino de Deus: trata-se do amor no mais alto nível, o qual brota da boca de Jesus, que nos revela um amor desprendido de recompensas ou de aprovação.

O Evangelho de Lucas nos apresenta quatro indicações de Jesus para que o vocacionado: amar os inimigos, fazer o bem aos que odeiam, bendizer os que amaldiçoam e rezar pelos caluniadores (cf. Lc 6, 27-28).

Como seguir tais conselhos? As palavras de Jesus nos provocam a pensar no autêntico desafio do cristão, pois o cristianismo nos coloca na contramão de concepções que o mundo oferece como soluções, quem podem ser políticas, culturais ou econômicas. Às vezes nos esquecemos destas palavras de Jesus e acabamos agindo de modo incoerente com o Evangelho.

E diante de nossas quedas, não devemos nos desanimar, pois a nossa conversão acontece quando conseguirmos dissolver nossos ressentimentos e abrir mão dos desejos de vinganças que corroem nosso coração. Num mundo que incentiva a vingança, a intolerância, muitas vezes as guerras, o uso de armas, somos chamados a discernir sobre as misturas do joio e do trigo(2) presentes entre nós cristãos, seja como indivíduo, seja como comunidade.

Davi, na primeira leitura desta Liturgia, candidato ao trono, evitou sujar as mãos com o sangue do rival por sede de poder. Diz ele: “quem poderia estender a mão contra o ungido do Senhor, e ficar impune?” (1Sm 26,9). Os políticos do nosso país poderiam aprender muito com a atitude de Davi. Quantas vezes se mata ou monta-se armadilhas por disputa política?

São Paulo, na segunda leitura desta Liturgia, nos exorta a caminhar na certeza de que Cristo é o novo Adão que veio nos visitar com sua humanidade e divindade e que a partir de Sua humanidade podemos ser reflexo do homem celeste, que é o Filho de Deus.

Portanto, irmãos e irmãs, a Liturgia de hoje nos motiva a olharmos para Jesus e acolhermos suas palavras carregadas das expressões que nos impulsionam a vivermos o Seu amor e a Sua misericórdia, atitudes que estão prefiguradas já no Antigo Testamento, como por exemplo a atitude de Davi.

Finamente, peçamos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, unção de todos os santos, para que tenhamos a atitude dos servos das bodas de Caná e façamos tudo o que Cristo nos disser (cf. Jo 2,5), em relação a Deus e ao próximo. Com a graça e a força de Deus é possível vivermos estas máximas de Jesus. Amém.

*   *   *
(1) No Evangelho Segundo São Mateus é conhecido como “Sermão da Montanha” (cf. Mt 5,1-7,29).
(2) Cf. Mt 13,24-30. Cf. XVI Domingo do Tempo Comum, Ano A, São Mateus.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

O Amor Além do Humano


Amor aos inimigos, diz o Senhor,
Fazendo-nos amar na profundidade,
Indo além do dar e do receber,
Que é próprio da nossa humanidade.
Como fugir do convencional?
Como avançar no combate ao mal?
E sair da vingança para a humildade?
*
Muitos humanos estimulam fortemente,
A revanche no lugar do perdão,
O olho por olho como sendo uma lei,
Sufocando a reconciliação,
E então se esconde a verdade,
Não se vê o que é lealdade,
E emerge a forte contradição.
*
Fazer o bem aos enraivecidos,
Buscar vencer o ressentimento,
Provoca o bem e cura a pessoa,
Alivia os traumas e os sofrimentos,
Estimula a paz e a serenidade,
Faz caminharmos para a liberdade,
Cura a alma e seus ferimentos.
*
Bendizer os que nos praguejam,
Semear o bem e se desarmar,
Deixar que nosso coração,
Pulse livre sem se inchar,
Para que a vida seja alegria,
Seja inspiração pra poesia,
E rocha para suportar.
*
E a oração aos caluniadores,
Que o mundo vem a questionar,
Para alguns, quase impossível,
Mas ninguém pode desanimar,
Porque a oração é força vital,
Para os que creem é essencial,
Alimenta a alma e faz caminhar.

*   *   *

 

Extrato da obra “O Sermão da Montanha” (1920), de H. Copping, In wikipedia.org – “File:Harold Copping – The sermon on the mount – (MeisterDrucke-52362).jpg”

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos dá os recursos para perseverar na realização da nossa vocação, ilumine o seu caminho!

 

 

VI Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas religiosas e consagradas ⇐

 

Leituras: Jr 17,5-8; Sl 1; 1Cor 15,12.16-20; Lc 6,17.20-26

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

A Felicidade que Não se Acaba

Lc 6,17.20-26

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do VI Domingo do Tempo Comum, neste Ano “Família Amoris Lætitia, nos motiva a contemplar Jesus apresentando as bem-aventuranças aos pobres e o alerta aos ricos. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 6,17.20-26.

Nesta Liturgia, Jesus continua percorrendo a Galileia, possivelmente ao pé da colina de Tabgha, onde fica a Igreja da Multiplicação (também conhecida como Igreja do Primado de São Pedro). Tabgha está entre Genesaré e Cafarnaum.

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta o programa do vocacionado, ou seja, aqueles que são chamados a serem discípulos e missionários. E as bem-aventuranças – e as ameaças aos ricos – são apresentadas por Jesus após a eleição do grupo dos Doze (cf. Lc 6,12-16). O Evangelista nos conta que, ao descer da montanha e, diante de uma imensa multidão oriunda da Judeia, de Jerusalém e de Tiro e Sidônia, Jesus ensina aos Seus discípulos (cf. Lc 6,17.20).

Jesus se dirige aos pobres – sejam famintos, odiados, perseguidos (cf. Lc 6,20-22) – e Sua pregação revela uma realidade que oprime o povo com fome, angústia, hostilidade. Mas a pregação do Jovem Galileu também traz um alento e revela o amor (a caridade), a esperança e a fé como recursos para que os discípulos (os vocacionados) alcancem e anunciem o Reino de Deus.

Jesus, o Profeta por excelência, anuncia e denuncia o sofrimento do povo expondo um conflito com a elite religiosa (e política) de sua época. Na segunda parte do Evangelho desta Liturgia (cf. Lc 6,24-26) a Palavra se volta, em modo de ameaça, aos ricos. E diz Jesus: “Ai de vós ricos, porque já tende vossa consolação… Ai de vós que agora rides, porque tereis luto e lágrimas!” (Lc 6,24-25). Deste modo, Jesus quer converter os que agem com avareza e zombaria, para que usem seus dons (bens e capacidades) para uma vida de amor (uma vida de caridade e de fraternidade).

Os que buscam experiência da confiança no Senhor e que lutam por um mundo melhor são como “como a árvore plantada junto às águas, que estende as raízes em busca de umidade, por isso não teme a chegada do calor: sua folhagem mantém-se verde” (Jr 17,8). Portanto, a primeira leitura desta Liturgia nos indica que é Deus a fonte da nossa força quando somos atingidos pelo sofrimento, provindo da pobreza, da opressão e das calúnias – consequência do exercício do discipulado.

A Palavra de Deus será sempre o alimento e o guia para o cristão seguir em frente com desprendimento (ou seja, a pobreza evangélica), pois os bem-aventurados encontram em Deus o sentido pleno de suas existências, sem reproduzir atitudes desumanas, incoerentes com o Evangelho. A cada encontro com o Senhor, através de Sua Palavra, todos somos convidados a refletir sobre o sentido das bem-aventuranças.

recisamos entender que as bem-aventuranças não representam uma apologia ao sofrimento vitimista, mas é uma forma de fazer a vontade de Deus, proporcionando o encontro com a verdadeira felicidade, pois as bem-aventuranças (ou as felicidades) nos apontam para a vida eterna, onde tudo é pleno e permanente.

Portanto, irmãos e irmãs, podemos nos perguntar: como está nossa vida de seguidor e de servidor de Cristo? Como agimos no nosso dia a dia? Em quem depositamos nossa confiança? E a resposta para tais questões podemos encontrar na experiência da fé no Ressuscitado, pois Cristo é o fundamento que nos faz seguir vivendo como peregrinos em busca da felicidade plena.

São Paulo, na segunda leitura desta Liturgia, escreve na Primeira Carta aos Coríntios: “na realidade, Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram.” (1Cor 15,20). Nossa fé cristã deve se fundamentar nessa verdade para que possamos prosseguir com segurança no discipulado a serviço do Reino de Deus.

Por fim, roguemos a Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, Distribuidor dos Dons Celestes, para que possamos ouvir como discípulos e falar (anunciar) como missionários a Boa-Nova das bem-aventuranças. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Raízes Mais Profundas da Vida


Como a raiz da árvore próxima ao rio,
Buscando a energia e a força vital,
Assim é o homem que busca o Senhor,
Vivendo sua essência original,
Com os pés no chão da vida, firmando,
Com segurança ele vai caminhando,
Sendo mensageiro e para o mundo um sinal.
*
Seguir o caminho da vida aventurada,
Na busca do verdadeiro sentido,
Nos propósitos das bem-aventuranças,
Com o caminho iluminado e fortalecido,
Sem se render a uma posição superficial,
Mas mergulhando na Palavra que é sinal,
E nos braços de Deus – Amor e Pai querido!
*
O Senhor nos alerta a viver a felicidade,
Que se constrói pela nossa conversão,
Que se expressa na coerência e bondade,
Porque Ele nos ensina a compaixão,
Nos motiva a vivermos no sumo bem,
Abraçados pela sua misericórdia também,
Porque Ele nos oferece a Redenção.
*
A Palavra do Senhor é também alimento,
Para os peregrinos da paz e da alegria,
Para os que promovem a justiça e a vida,
Na realidade da criação, a cada dia,
Porque Deus nos criou para a felicidade,
Para comunhão, o encontro e a fraternidade,
Como Pai amoroso nos fortalece e nos sacia!

*   *   *

 

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos dá o alimento e o guia para a realização da nossa vocação, ilumine o seu caminho!

 

 

V Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelas religiosas e consagradas ⇐

 

Leituras: Is 6,1-2a.3-8; Sl 138(137); 1Cor 15,1-11; Lc 5,1-11

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

“Eis-me Aqui, Envia-me!”

Lc 5,1-11

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do V Domingo do Tempo Comum nos motiva a contemplar a vocação como uma iniciativa de Cristo. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 5,1-11.

Nesta Liturgia, Jesus está nas margens do lago de Genesaré(1). Genesaré ficava situada entre Cafarnaum e Magdala, que são separadas por uma distância de 10 quilômetros.

Neste Domingo, a Igreja nos apresenta a dimensão vocacional. Anteriormente, no Domingo passado, vimos que Jesus agiu e falou sozinho, mas agora estará em movimento, fora do espaço religioso e às margens do Lago, formando, assim, o Seu grupo (discípulos e Apóstolos) e futuros missionários a todas as nações (cf. Lc 24,44-48).

Para isso, a Liturgia nos apresenta o Evangelho em três momentos: o primeiro é a pregação à multidão (cf. Lc 5,1-3); o segundo é a pesca milagrosa (cf. Lc 5,4-7); e terceiro é o chamado aos quatro primeiros discípulos (cf. Lc 5,8-11).

Podemos imaginar o cenário daquela manhã às margens do Lago: uma multidão que cerca Jesus; pescadores desanimados pelo insucesso do trabalho noturno e barcos vazios de peixe. Depois de dar o ensino às multidões, Jesus ordena a Pedro e aos seus companheiros que lancem suas redes em águas mais profundas (cf. Lc 5,4), pois estavam na margem.

Como resultado, eles pescam uma abundância de peixes que chega a romper as redes. Em resposta, Pedro, aos pés de Jesus, diz “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!” (Lc 5,8). Isso indica que começa a acontecer o reconhecimento de que Jesus é o Senhor e Ele mesmo já sinaliza para a sua Ressurreição quando vencerá a morte, dando-nos a prova de que Ele é o Deus verdadeiro e quer que todos ressuscitem.

O momento final é o chamado para serem pescadores de homens e lançarem suas redes anunciando a chegada do Reino. E a resposta está contida numa belíssima descrição. Diz o Evangelista: “Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.” (Lc 5,11).

A barca simboliza a Igreja onde Jesus sacia os famintos (uma imagem da Mesa da Palavra) e onde também Jesus opera o milagre da abundância (imagem da Mesa da Eucaristia). Ao nos dar o ensino e o milagre da abundância, Jesus nos fornece elementos essenciais para combater o desânimo, a desmotivação e a desesperança. Mas há um detalhe importante: para ensinar, Jesus tinha à sua disposição duas barcas (cf. Lc 5,2) e Ele escolhe a de Pedro (cf. Lc 5,3). Naquele dia, a barca de Pedro, “uma barca petrina”, foi um verdadeiro ambão, uma verdadeira Mesa da Palavra.

Sendo obediente, o discípulo precisa ir além das práticas religiosas e se lançar no mundo como testemunha da Salvação. E diante do desânimo e da debilidade, se volte para Deus, fonte de coragem para ser sal e luz do mundo no caminho que Deus mesmo indica. Para isso, é preciso discernir quando deixar aquilo que para nós “é tudo” e seguir em frente, mesmo continuando a nossa profissão, mas colocando os dons (bens e capacidades) a serviço da Missão.

Recordarmos que neste mês as intenções do Papa Francisco, herdeiro da barca de Pedro, estão voltadas para as religiosas e consagradas, que respondem a muitos desafios e são exemplos de fé, esperança e caridade, num tempo carente de pão, fruto da terra, mas também, e sobretudo, do Pão descido do Céu que nos sacia verdadeiramente (cf. Jo 6,58).

Por fim, roguemos a Nossa Senhora, Torre de Marfim, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, Espírito das Virtudes, para sermos melhores cristãos, pois, como diz São Paulo, pela graça de Deus (cf. 1Cor 15,10) e completemos com as palavras do profeta Isaías: “aqui estou! Envia-me!” (cf. Is 6,8). Amém.

*   *   *
(1) Depois de ser expulso de Nazaré (cf. Lc 4,29), Jesus vai para Cafarnaum (cf. Lc 4,31-41). Em seguida, sai de Cafarnaum em segredo e vai pregar nas sinagogas da Judeia (cf. Lc 4,42-44).

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Avancemos para a Messe


Avancemos para os campos,
Para as cidades, vilas e favelas,
Anunciemos nelas,
O dom do amor,
Também do fervor,
Sempre a proclamar,
E acreditar,
No que diz o Senhor.
*
Avancemos com a barca de Jesus,
Em busca das multidões,
Em mutirões,
Para viver a pesca,
Pois ainda resta,
A nossa obediência,
Na paciência,
E na vida honesta.
*
Avancemos com os discípulos,
Que firmes seguiram,
E se uniram,
A caminhar,
Vivendo a pregar,
As vezes a cair,
Mas sem desistir,
Sempre a levantar.
*
Avancemos para os mundos humanos,
Em suas existências,
Com suas essências,
Se fazendo união,
Na vida de irmãos,
Nas tantas partilhas,
Nas estradas e trilhas,
Pela comunhão!

*   *   *

 

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que tem a iniciativa da nossa vocação, ilumine o seu caminho!

 

 

IV Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐

 

Leituras: Jr 1,4-5.17-19; Sl 71(70); 1Cor 12,31-13,13; Lc 4,21-30

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

A Caridade como Chave para o Reino de Deus

Lc 4,21-30

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do IV Domingo do Tempo Comum, do Ano C, nos motiva a continuar contemplando Jesus de Nazaré, em Seu ministério, como sendo o cumprimento de tudo o que Deus prometeu ao povo através de Moisés e dos profetas. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 4,21-30, sequência, do tipo revezamento, do Evangelho do Domingo passado.

Nesta Liturgia, Jesus continua na Sinagoga de Nazaré, em observação a um dos preceitos do Sábado, quando anunciou o cumprimento da profecia de Isaías (cf. Is 61,1-2) sobre a chegada do Enviado do Pai portador da Boa-Nova aos pobres.

Para esta Liturgia, o início do Evangelho que a Igreja nos oferece é o final do Texto do Domingo passado, em Lc 4,21, que diz: “Então começou a dizer-lhes: ‘Hoje se cumpriu aos vossos ouvidos essa passagem da Escritura’.” A afirmação de Jesus provoca reação em dois grupos diferentes: os que davam testemunho a Seu respeito pelas palavras que saíam da Sua boca (cf. Lc 4,22); e os que ficaram furiosos – estes O expulsaram da cidade e queria lançá-Lo no precipício (cf. Lc 4,28-29).

O Evangelho desta Liturgia nos proporciona dois elementos para meditarmos sobre a nossa ação evangelizadora. O primeiro é o fato de Jesus ser um conterrâneo: “Não é este o filho de José?” (Lc 4,22) e o segundo, que provoca a fúria de alguns, é que o Enviado do Pai não está a serviço de um grupo de privilegiados, como Jesus mesmo faz memória da ação de Deus em favor de estrangeiros como a viúva em Sarepta (cf. 1Rs 17,7-24) e do leproso Naamã (cf. 2Rs 5,1-27).

Pois bem, como discípulos missionários do Senhor precisamos caminhar com a pertença de algum lugar e com a liberdade profética que nos leva onde quer o Senhor. Na pregação sempre haverá os que escutam e ficam até admirados (e elogiam), depois dão testemunhos como seguidores do Senhor. Por outro lado, há os que não aceitam e até matam os profetas da verdade.

Na primeira leitura desta Liturgia, ouvimos sobre a vocação do profeta Jeremias. Diz o texto sagrado: “antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações.” (Jr 1,5). Somos, enquanto cristãos, chamados a pregar a experiência de ser como Cristo, que foi hostilizado (e ignorado) e perseguido. O chamado profético quer a nossa adesão, que nos aprofundemos na Palavra e que sejamos testemunhas do projeto salvífico no mundo (cf. CIgC 785).

Há, ainda, outra dimensão própria dos cristãos, presente tanto em Jeremias quanto em Lucas: a universalização da Palavra, em que todos são os destinatários da salvação, mas livres para aceitar ou rejeitar o Chamado de Cristo. Vimos, desde os profetas do Antigo Testamento, que a liberdade esperada pelos hebreus era destinada a todas as nações.

A segunda leitura desta Liturgia, da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios, nos exorta para abraçar as virtudes necessárias para nos firmarmos na caminhada com o Senhor. Diz o Apóstolo: “atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade.” (1Cor 13,13). Tudo o que fazemos deve ser fundamentado no amor caritativo, para que nossa pregação não caia no vazio e nossa ação social não seja apenas uma filantropia que não aponta para Deus e Seu projeto salvífico.

Por fim, peçamos a intercessão de São João da Cruz, Doutor Místico da Igreja e um dos principais ícones do Carmelo, que sejamos fortes para abraçar nossas circunstâncias com a certeza de que, como disse o próprio São João da Cruz, “ao entardecer do meu mortal viver serei julgado pelo Amor”. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Marcados pelo Amor


Somente no amor,
Somos capazes de caminhar,
Seguir firmemente e sem desanimar,
Caminhar com o coração livre e dizer:
Que a caridade não se deixa vencer,
Pois o nosso julgamento final será pelo amor.
Quando em nós houve o agir acolhedor,
E a esperança nunca a desaparecer!
*
Somente com o amor,
Exalamos o perfume da vida verdadeira,
Vindo da Flor que sai da Videira,
Vida que segue até eternamente,
Se estendendo com calma e fraternalmente,
Fundamentada na Palavra sempre viva,
Encarnada e com a unção ativa
Que se cumpre no hoje no povo crente.
*
Somente no amor,
Semeamos também nos gestos de profecia,
Da verdade não aceitada que se anuncia,
Porque a Palavra está na boca dos profetas,
Para que as almas estejam despertas,
Denunciam as mentiras e as injustiças,
Os poderes, opressões e as cobiças,
E por isso caminha também em alerta!
*
Somente com o amor,
Somos capazes de entender,
Que desde o ventre e ao nascer,
Fomos por Deus, chamados e amados,
A serviço do Reino a ser implantado,
Que se dar na vida e na comunhão,
Na comunidade viva dos irmãos,
No encontro que nos faz congregados.

*   *   *

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos trouxe as virtudes necessárias para nos tornarmos filhos de Deus (cf. Jo 1,12), ilumine o seu caminho!

 

 

III Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐
⇒ Domingo da Palavra de Deus, Ano C, São Lucas ⇐

 

Leituras: Ne 8,2-4a.5-6.8.10; Sl 19(18); 1Cor 12,12-30; Lc 1,1-4;4,1-4-21

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Jesus é o Cumprimento das Escrituras

Lc 1,1-4;4,14-21

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do III Domingo do Tempo Comum, que o Papa Francisco instituiu como “o Domingo da Palavra de Deus”, nos motiva a contemplar Jesus de Nazaré, em Seu ministério, como o cumprimento de tudo o que Deus prometeu através de Moisés e dos profetas.

Para esta Liturgia, a Igreja nos oferece, como ápice da Mesa da Palavra (o Evangelho), dois trechos distintos do Evangelho Segundo São Lucas. O primeiro é a parte introdutória do Evangelho e o segundo trata do início da pregação de Jesus (cf. Lc 4,14-15) e o Seu retorno a Nazaré (cf. Lc 4,16-30) após a tentação no deserto.

A introdução (cf. Lc 1,1-4) é dirigida a um certo Teófilo, que estudos bíblicos indicam como “amigo de Deus”, ou seja, aqueles que estão abertos ao chamado do Senhor. Nos quatro primeiros versículos, o evangelista Lucas nos apresenta, em primeiro lugar, os acontecimentos sobre Jesus (cf. Lc 1,1); depois a pregação das testemunhas oculares (apóstolos e discípulos) (cf. Lc 1,2); no terceiro momento sobre os escritos menores transmitidos pelos primeiros cristãos (cf. Lc 1,3); e, por fim, no versículo 4, o próprio escrito do Evangelho como lemos atualmente, quando o evangelista comunica sua decisão de escrever de modo ordenado (cf. Lc 1,4).

Já o segundo trecho do Evangelho desta Liturgia é composto pelos versículos de 14 a 21 do capítulo 4. A partir deste Domingo começamos a ser iluminados pela terceira parte do Evangelho Segundo São Lucas intitulada “O ministério de Jesus na Galileia”, que nos acompanhará até o XII Domingo do Tempo Comum e que neste ano acontecerá após a Solenidade da Santíssima Trindade.

Neste trecho do Evangelho, Jesus está na sinagoga de Nazaré, cumprindo um dos preceitos do Sábado. Na ocasião, a leitura dos profetas poderia ser comentada por qualquer pessoa autorizada pelo dirigente da assembleia. Portanto, aquele que parecia mais um encontro celebrativo foi um evento totalmente novo e após a leitura feita por Jesus todos estavam de olhos fixos n’Ele (cf. Lc 4,20). Jesus tem a permissão e faz um comentário afirmando que ali se cumpria aquela profecia de Isaías (cf. Is 61,1-2). E mesmo que a libertação de Israel fosse esperada (e desejada) a afirmação de Jesus não foi aceita e nem bem recebida.

A Boa-Nova de Jesus é uma mensagem de esperança direcionada aos pobres – os cativos, as viúvas, os estrangeiros, os órfãos, os doentes, os oprimidos; estes que esperavam a promessa de Deus desde Moisés e os profetas. Jesus é a encarnação da Palavra de Deus e também do sonho do povo prefigurado no livro de Neemias, presente na primeira leitura desta Liturgia. Ali, o sacerdote e escriba Esdras celebra com o povo a Palavra de Deus, apresentando um conjunto de orientações litúrgicas para renovar e nutrir a Aliança com o Senhor.

Ao declarar o cumprimento da Escritura (cf. Lc 4,21), Jesus nos apresenta a chegada do Reino e a redenção para todos. Também somos estimulados a vivermos plenamente a Palavra como regra principal, a fim de combatermos o relativismo que deixa o ser humano à mercê da escravidão das drogas, do álcool e de tudo aquilo que enfraquece a essência da dignidade humana.

Assim, Cristo nos fornece os recursos necessários para sermos Seus seguidores, membros do Seu Corpo, como nos exorta São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios: “Vós, todos juntos, sois o Corpo de Cristo e individualmente, sois membros desse Corpo.” (1Cor 12,27). Ser membro do Corpo de Cristo é ser fraterno, sentir a dor do outro e também valorizar a dignidade independente do ter ou do poder.

E neste Domingo queremos recordar que neste ano estamos vivendo pela terceira vez “o Domingo da Palavra de Deus” como instituído, no dia de São Jerônimo em 2019, pelo Papa Francisco na sua Carta Apostólica em forma de Motu Proprio intitulada Aperuit Illis(1). “O Domingo da Palavra de Deus” nasceu no final do Ano da Misericórdia (2015-2016) quando o Papa Francisco quis que houvesse, no Ano Litúrgico, um Domingo dedicado à Palavra de Deus, seja como Sagrada Tradição, Sagrada Escritura ou como Magistério da Igreja (DV, 10)(2).

Por fim, roguemos a Nossa Senhora, Rainha dos Profetas, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, Inspiração dos Profetas, para termos os olhos fixos em Cristo e melhor vivermos o testemunho autêntico de um discípulo missionário do Senhor. Amém.

 

*   *   *
(1) Cf. Papa FRANCISCO. Carta Apostólica sob forma de Motu Proprio Aperuit Illis, pela qual se institui “O Domingo da Palavra de Deus”. Disponível em: <https://www.vatican.va/content/francesco/pt/motu_proprio/documents/papa-francesco-motu-proprio-20190930_aperuit-illis.html>. Acesso em: 21 jan. 2022.
(2) SANTA SÉ. Dei Verbum: Constituição conciliar sobre a revelação divina. 1965. Disponível em: <http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents /vat-ii_const_19631204_sacrosanctum-concilium_po.html>. Acesso em: 21 jan. 2022.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

O Espírito do Senhor está sobre Nós


O Espírito do Senhor está sobre nós
Para que ilumine o nosso caminhar,
Para que purifique o nosso olhar,
Para que no Corpo do Senhor,
Encarnemos o Seu amor,
E não venhamos a desanimar.
*
O Espírito do Senhor está sobre nós
Para fazermos o Reino acontecer,
No “hoje” desde o amanhecer,
Como naquele dia da Ressurreição,
Certeza da nossa Redenção,
Infinita nossa vida há de ser.
*
O Espírito do Senhor está sobre nós
No seguimento de discípulos missionários,
Na vida dos pobres sendo solidários,
Para sermos “sal e luz do mundo”,
Vivendo com amor profundo,
Trabalhando como dignos operários.
*
O Espírito do Senhor está sobre nós,
Na escuta da Palavra e na oração,
Como membros em fraterna comunhão,
Vivendo em Cristo o amor perfeito.
Pra ser feliz não há outro jeito,
Somente buscando a santificação.

*   *   *

 

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos dá o poder de nos tornarmos filhos de Deus (cf. Jo 1,12), ilumine o seu caminho!

 

 

II Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐

 

Leituras: Is 62,1-5; Sl 96(95); 1Cor 12,4-11; Jo 2,1-11

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Fazei Tudo o que o Senhor Vos Disser

Jo 2,1-11

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do II Domingo do Tempo Comum nos motiva a contemplar a oração da Virgem Maria que nos indica para fazer tudo o que o Senhor nos disser. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 2,1-11, passagem conhecida como “as bodas de Caná” e que está localizada no anúncio da nova economia da salvação (cf. Jo 1,19-4,54) no início da segunda parte do Evangelho segundo São João, intitulada “O ministério de Jesus” (cf. Jo 1,19-12,50).

Nesta Liturgia, Jesus está em Caná, próxima do Mar da Galileia e muito próxima de Nazaré.

Na cultura judaica, as festas de casamento duravam em média uma semana e o vinho era a bebida principal, a qual não poderia faltar. Mas naquela festa, faltou vinho. A Virgem Maria, percebendo a situação constrangedora dos noivos e consciente de que Jesus poderia resolver o problema, pede que Ele encontre uma saída e depois diz aos servos da festa que obedecessem ao Senhor (cf. Jo 2,5).

E Jesus opera o Seu primeiro milagre, que o evangelista João chama “sinal”, pois a água transformada em vinho é sinal de vida nova ao mesmo tempo em que já aponta para a Sua Ressurreição e a certeza da nossa salvação por meio d’Ele. O vinho novo também se relaciona com a Eucaristia quando é transformado no Corpo e Sangue do Senhor, o sangue da Nova Aliança que nos conduz à nossa redenção.

A passagem das bodas de Caná nos fornece alguns pontos para meditação. O primeiro é sobre a intercessão da Virgem Maria, a “nova Eva” que nos conduz à salvação e nos pede para fazermos tudo o que nos manda Cristo (cf. Jo 2,5).

O segundo ponto de meditação é o sinal, o milagre em si que resgata o Antigo Testamento, presente na primeira leitura desta Liturgia. A profecia de Isaías diz que “não mais te chamarão Abandonada, e tua terra não mais será chamada Deserta; teu nome será Minha Predileta e tua terra será a Bem-Casada, pois o Senhor agradou-se de ti e tua terra será desposada.” (Is 62,4). Em cumprimento à profecia de Isaías, Jesus é o esposo fiel da Igreja e doa o Seu Corpo e Seu Sangue que alimenta a própria esposa, a Igreja, para que se torne a presença do Reino no mundo.

O terceiro ponto é que, segundo o evangelista João, foi o sinal, o milagre que fez com que os discípulos acreditassem em Jesus. A partir do encontro e da vivência com o Senhor devemos testemunhar, como missionários, o próprio Cristo num mundo de tantas controvérsias. Deus é o esposo fiel, mesmo diante das nossas infidelidades. Ele que não deixa acabar o vinho da alegria e do amor na festa da nossa vida.

Não podemos esquecer que o Matrimônio é um grande sinal do Reino no mundo, expresso na vida conjugal pelo amor na unidade, no diálogo e na fidelidade. A família que vive tais virtudes é sinal da presença de Deus e do vinho novo transbordado desde Caná.

E nesta Liturgia, queremos fazer memória de São Simão e São Judas Tadeu, que são cultuados no dia 28 de outubro. Algumas tradições(1) nos indicam que São Simão é o mestre-sala das bodas de Caná que atestou a qualidade do vinho bom e São Judas o noivo das bodas de Caná.

Por fim, roguemos a Nossa Senhora, Mãe de Deus e nossa, que ela interceda por nós e que possamos receber o Espírito Santo, unção de todos os santos, para que tenhamos a atitude dos servos da festa e sejamos obedientes e assíduos na meditação da Palavra de Deus que nos converte, que nos chama e depois pela fé nos torna discípulos missionários de Cristo, como Maria. Amém.

 

*   *   *
(1) Fonte: Pia Sociedade Filhas de São Paulo Paulinas http://www.paulinas.org.br.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Festa do Vinho Novo


Convidamos o Senhor
Para a festa nova da nossa vida,
Para matar a sede que nos torna tristes,
Para transformar a estrada percorrida,
Superando a barreiras que existem,
E que torna nossa história sofrida.
*
Convidamos a nossa Santa Mãe,
Que percebe nossas dificuldades,
Quando não temos o suficiente,
Para prosseguir o encontro com a verdade.
Pois nem sempre há clareza existente,
Para seguir o caminho da unidade.
*
Convidamos ainda os primeiros seguidores,
Que pela fé aderiram o Senhor,
Para sempre foram anunciadores,
Mesmo diante das barreiras e da dor,
Viveram a santidade como grandes pregadores,
Entregaram a vida com radical amor.
*
Que sejamos servos obedientes,
Quando o Senhor algo nos pedir,
Possamos exercer a liturgia da vida,
Vivendo a santidade agora e aqui,
Que nossa missão nunca seja esquecida,
E que o vinho novo possa sempre existir.
*
Que a mesa santa traga-nos a fraternidade,
E os gestos falem mais do que pronunciamentos,
Trazendo os sinais da transformação,
E a alegria viva como fermento,
A justiça e a paz via de comunhão,
E o amor na vida: sentido e sustento.

*   *   *

 

Extrato da obra “As Bodas de Caná”, de J. Tissot, In brooklynmuseum.org – “The Marriage at Cana (Les noces de Cana)”

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos dá o alimento novo e a bebida nova, ilumine o seu caminho!