V Domingo da Páscoa, Ano B, São Marcos

 

*** Ano de São José (2020/2021) ***

 

Leituras: At 9,26-31; Sl 22(21); 1Jo 3,18-24; Jo 15,1-8

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

Cristo é nossa Videira Verdadeira

Jo 15,1-8

 

Meus irmãos e irmãs, o mistério pascal da Liturgia do V Domingo da Páscoa nos motiva a contemplar Jesus Cristo como a verdadeira Videira que nos faz ramos vivos do povo de Deus. E o Evangelho desta Liturgia está em Jo 15,1-8.

Historicamente, Jesus viveu na realidade de plantadores de uvas e nos apresenta o Pai como o agricultor que cuida dos ramos e que tira os ressequidos que impedem a frutificação. A partir da Encarnação de Deus, o Filho nos garante que quem permanecer nEle, desde que aceito, produzirá muitos ramos e frutos (cf. Jo 15,5). Quando Jesus nos fala que é a videira verdadeira, nos vem naturalmente algumas perguntas: O que é a videira falsa? No tempo da promessa (no Antigo Testamento) podemos verificar que Israel foi considerado como uma videira que nem sempre produziu bons frutos e em alguns momentos chegou a produziu uvas inúteis e amargas, como nos fala a parábola dos vinhateiros homicidas (cf. Mc 12,1-12).

Olhando para a Igreja, Corpo Místico de Cristo, nós somos os ramos da videira que precisa de poda (de conversão na caminhada) e se queremos produzir bons frutos devemos permanecer em comunhão com Ele, pois estamos ligados a partir do Batismo. Por isso, precisamos deixar ser podados pelo Agricultor para que tire os ramos ressequidos que nos levam a pecar, mas não somente os pecados mortais, pois são os veniais que nos deixam insensíveis às obras que ferem o Sagrado Coração de Jesus, nos diz Santa Faustina (cf. Diário de Sta Faustina, 1228).

O povo de Deus, cujas raízes estão em Abraão, Moisés e Elias, são os ramos que espalham pelo mundo os frutos nutritivos e doces dos sinais do Jovem Galileu. E a Igreja nos prepara cotidianamente a fonte onde brotam tais frutos: as mesas da Palavra e da Eucaristia. A comunidade cristã, portanto, é o lugar onde nos relacionamos como ramos (como irmãos) para expressar o esplendor da vida, da alegria da nossa comunhão. Isto acontece nas confraternizações, nas orações e nas celebrações e é também onde se realiza a união da vida em Cristo pelo encontro com Ele e com os outros, através da partilha do alimento orgânico e espiritual, inclusive, em tempo de coronavírus, nos grupos de Igreja no whatsapp.

Quanto aos frutos, temos as obras de caridade, as campanhas de ajuda aos famintos e a conscientização política a favor do bem comum, quando os recursos públicos são gastos com justiça e em favor dos que têm direitos ao serviço e também dos pequenos, dos famintos, dos indefesos.

Na segunda leitura, desta Liturgia, o Apóstolo nos adverte: “não amemos só com palavras e de boca, mas com ações e de verdade!” (1Jo 3,18), pois a falta de amor corresponde a videira improdutiva e desliga de Cristo. O amor é praticado quando as nossas atitudes forem coerentes com nossos discursos, que não podem ser puramente teóricos. Sem a presença de Deus em nós, somos como galhos ressequidos. Quantas vezes, com euforia, pregamos tão bonito e no nosso cotidiano somos incoerentes com tudo que falamos. Por isso é importante sempre revermos nossas misérias para que sejamos podados pela graça purificadora de Deus. Se buscarmos o contato com o ser infinito de Deus, nos tornamos mais expressão dEle onde quer que estejamos.

Peçamos ao Espírito Santo que ilumine nosso caminho e nos faça iluminados, porque somos também iluminadores quando estamos unidos a Cristo. Precisamos iluminar o mundo que está em pandemia e que também explora e massacra a Criação, seja o homem ou o meio ambiente.

 

***

⇒ POESIA ⇐

Nossa Eterna Videira

 

Cristo nossa videira eterna,
Pela força do amor,
Faz-nos seus ramos vivos.
E o Pai, o agricultor,
Poda-nos pra santidade,
Dá-nos a vivacidade,
A seiva do salvador.

Cristo tronco vivo e eterno,
Igreja ramo a frutificar,
Pelo mundo espalha os frutos,
E as sementes a germinar,
E pelo Pai tendo cuidado,
Pelo Filho muito amado,
Vida nova a regar.

Nem um ramo viverá,
Sem à videira, ligado,
Precisa permanecer,
E ao tronco enxertado,
Para ter vida de paz,
E a seiva, amor que refaz,
Mundo novo instaurado.

Nos unindo como irmãos,
Em Cristo permanecendo,
Somos ramos em evolução,
E muitos frutos oferecendo,
A esperança será constante,
Frutos doces a todo instante
E a vida nova oferecendo.

Seiva que traz o verdor,
E o existir em harmonia,
A vida com seu sentido,
Que floresce na alegria,
Dá sentido à nossa essência,
Motiva nossa existência,
Sendo à noite ou à luz do dia!

Força, fonte e beleza,
Faz os ramos em união,
O encontro à videira tão bela,
Festa que se faz de irmãos,
No encontro de paz e partilha,
Vinha que cresce e que brilha
Povo novo em comunhão.

 

***

 

 

*** Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, a Videira que nos faz povo de Deus, ilumine o seu caminho! ***

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.