IV Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Ano “Família Amoris Lætitia” (2021/2022) ⇐

 

Leituras: Jr 1,4-5.17-19; Sl 71(70); 1Cor 12,31-13,13; Lc 4,21-30

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

A Caridade como Chave para o Reino de Deus

Lc 4,21-30

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do IV Domingo do Tempo Comum, do Ano C, nos motiva a continuar contemplando Jesus de Nazaré, em Seu ministério, como sendo o cumprimento de tudo o que Deus prometeu ao povo através de Moisés e dos profetas. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 4,21-30, sequência, do tipo revezamento, do Evangelho do Domingo passado.

Nesta Liturgia, Jesus continua na Sinagoga de Nazaré, em observação a um dos preceitos do Sábado, quando anunciou o cumprimento da profecia de Isaías (cf. Is 61,1-2) sobre a chegada do Enviado do Pai portador da Boa-Nova aos pobres.

Para esta Liturgia, o início do Evangelho que a Igreja nos oferece é o final do Texto do Domingo passado, em Lc 4,21, que diz: “Então começou a dizer-lhes: ‘Hoje se cumpriu aos vossos ouvidos essa passagem da Escritura’.” A afirmação de Jesus provoca reação em dois grupos diferentes: os que davam testemunho a Seu respeito pelas palavras que saíam da Sua boca (cf. Lc 4,22); e os que ficaram furiosos – estes O expulsaram da cidade e queria lançá-Lo no precipício (cf. Lc 4,28-29).

O Evangelho desta Liturgia nos proporciona dois elementos para meditarmos sobre a nossa ação evangelizadora. O primeiro é o fato de Jesus ser um conterrâneo: “Não é este o filho de José?” (Lc 4,22) e o segundo, que provoca a fúria de alguns, é que o Enviado do Pai não está a serviço de um grupo de privilegiados, como Jesus mesmo faz memória da ação de Deus em favor de estrangeiros como a viúva em Sarepta (cf. 1Rs 17,7-24) e do leproso Naamã (cf. 2Rs 5,1-27).

Pois bem, como discípulos missionários do Senhor precisamos caminhar com a pertença de algum lugar e com a liberdade profética que nos leva onde quer o Senhor. Na pregação sempre haverá os que escutam e ficam até admirados (e elogiam), depois dão testemunhos como seguidores do Senhor. Por outro lado, há os que não aceitam e até matam os profetas da verdade.

Na primeira leitura desta Liturgia, ouvimos sobre a vocação do profeta Jeremias. Diz o texto sagrado: “antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci; antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações.” (Jr 1,5). Somos, enquanto cristãos, chamados a pregar a experiência de ser como Cristo, que foi hostilizado (e ignorado) e perseguido. O chamado profético quer a nossa adesão, que nos aprofundemos na Palavra e que sejamos testemunhas do projeto salvífico no mundo (cf. CIgC 785).

Há, ainda, outra dimensão própria dos cristãos, presente tanto em Jeremias quanto em Lucas: a universalização da Palavra, em que todos são os destinatários da salvação, mas livres para aceitar ou rejeitar o Chamado de Cristo. Vimos, desde os profetas do Antigo Testamento, que a liberdade esperada pelos hebreus era destinada a todas as nações.

A segunda leitura desta Liturgia, da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios, nos exorta para abraçar as virtudes necessárias para nos firmarmos na caminhada com o Senhor. Diz o Apóstolo: “atualmente permanecem estas três coisas: fé, esperança, caridade. Mas a maior delas é a caridade.” (1Cor 13,13). Tudo o que fazemos deve ser fundamentado no amor caritativo, para que nossa pregação não caia no vazio e nossa ação social não seja apenas uma filantropia que não aponta para Deus e Seu projeto salvífico.

Por fim, peçamos a intercessão de São João da Cruz, Doutor Místico da Igreja e um dos principais ícones do Carmelo, que sejamos fortes para abraçar nossas circunstâncias com a certeza de que, como disse o próprio São João da Cruz, “ao entardecer do meu mortal viver serei julgado pelo Amor”. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Marcados pelo Amor


Somente no amor,
Somos capazes de caminhar,
Seguir firmemente e sem desanimar,
Caminhar com o coração livre e dizer:
Que a caridade não se deixa vencer,
Pois o nosso julgamento final será pelo amor.
Quando em nós houve o agir acolhedor,
E a esperança nunca a desaparecer!
*
Somente com o amor,
Exalamos o perfume da vida verdadeira,
Vindo da Flor que sai da Videira,
Vida que segue até eternamente,
Se estendendo com calma e fraternalmente,
Fundamentada na Palavra sempre viva,
Encarnada e com a unção ativa
Que se cumpre no hoje no povo crente.
*
Somente no amor,
Semeamos também nos gestos de profecia,
Da verdade não aceitada que se anuncia,
Porque a Palavra está na boca dos profetas,
Para que as almas estejam despertas,
Denunciam as mentiras e as injustiças,
Os poderes, opressões e as cobiças,
E por isso caminha também em alerta!
*
Somente com o amor,
Somos capazes de entender,
Que desde o ventre e ao nascer,
Fomos por Deus, chamados e amados,
A serviço do Reino a ser implantado,
Que se dar na vida e na comunhão,
Na comunidade viva dos irmãos,
No encontro que nos faz congregados.

*   *   *

 

Que a Palavra e a Luz de Jesus Cristo, que nos trouxe as virtudes necessárias para nos tornarmos filhos de Deus (cf. Jo 1,12), ilumine o seu caminho!

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.