17º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos idosos ⇐
⇒ 2º Dia Mundial dos Avós ⇐

 

Leituras: Gn 18,20-32; Sl 137(138),1-2a.2bc-3.6-7a.7bc.8 (R. 3a); Cl 2,12-14; Lc 11,1-13

 

Ouça o áudio preparado para esta Liturgia (pode demorar alguns segundos)

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

A Oração que o Senhor nos Ensinou

Lc 11,1-13

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum, 2º Dia Mundial dos Avós(1), instituído pelo Papa Francisco em 2021 , nos motiva a contemplar Nosso Senhor nos ensinando a rezar. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 11,1-13, novamente uma sequência do Evangelho do Domingo passado.

A oração que o Senhor nos ensinou é a oração por excelência do cristão, o Pai-Nosso, que rezamos sempre quando nos encontramos, seja para a Eucaristia, seja para as reuniões, estudos, Terços, novenas ou nas várias práticas devocionais que a Igreja nos oferece.

O Evangelista Lucas (cf. 11,1-13), portanto, nos apresenta Jesus rezando num certo lugar e depois levando os discípulos a sentirem o desejo de também quererem rezar. Para isso eles pedem ao Mestre que lhes ensinem, numa suplica muito significante: “Senhor, ensina-nos a rezar” (Lc 11,1).

Com a oração que saiu da boca de Jesus, o Pai-Nosso, podemos confirmar que Ele nos ensinou a chamarmos a Deus de Pai, pois nesta oração reconhecemos que somos irmãos e irmãs, porque este Pai é de todos e para todos. Com a oração do Pai-Nosso, podemos também aprender a rezar, deixando que Deus faça a Sua vontade e não a nossa, pois na nossa vida muitos acontecimentos estão nas mãos de Deus, que, como canta o salmista, faz muito mais do que promete [cf. Sl 137(138),2c].

O Pai que Jesus nos apresenta é o Pai bondoso e misericordioso, tem um amor tão grande que veio mostrar porque somos semelhantes à Ele. Veio caminhar conosco, ter a nossa carne e nos ensinar o caminho que devemos percorrer para chegar ao Céu, porque Ele é Santo e quer todos os seus filhos juntos d’Ele na morada celeste.

Na oração ensinada por Jesus pedimos que o Reino de Deus venha a nós. Quantas vezes Jesus nos fala que este Reino estava perto ou que estava no meio dos homens. Jesus e Sua ação salvadora é o próprio Reino em nosso meio. Quantas vezes pensamos que este Reino ainda está distante… Talvez esteja assim distante porque ainda não colocamos em prática o que rezamos no Pai-Nosso. O pão que pedimos ainda falta a muitos irmãos ou poucos têm demais e não aprenderam ainda não aprenderam a partilhar, pois falta a justiça, a dignidade, o respeito e a atenção para com os irmãos necessitados.

Já a Eucaristia que participamos aos Domingos, ou diariamente, ainda não se transformou em verdadeira comunhão, partilha dos irmãos e irmãs que fazem a comunidade viva, fraterna e expressão concreta da caridade no sentido bíblico, no sentido cristão.

Este Reino ainda pode estar distante porque não aprendemos a perdoar uns aos outros e pelo o nosso egoísmo ainda estamos fechados. Neste caso, nos falta a humildade de pedirmos perdão para que a fraternidade e a santidade de Deus estejam presentes entre nós. Nos falta ainda a atitude de irmãos e irmãs, amigos e amigas de verdade sem receio de corrigir o outro quando percebemos errando e caindo nas tentações da não escuta ao outro e no individualismo.

Precisamos meditar profundamente colocando no coração aquele pedido final do Pai-Nosso, quando rezamos: “perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixeis cair em tentação” (Lc 11,4). A presença do Reino no meio de nós é, portanto, o perdão dos nossos pecados, no momento em que nos reconhecemos pecadores e também perdoamos aos outros quando estes nos vem pedir perdão, em vista de retomamos a harmonia na convivência humana e na comunidade cristã.

Faz-se necessário pedir sempre ao Senhor que nos livre das armadilhas do Tentador e dos males que muitas vezes nos rodeiam. Nosso erro é querermos resolver sozinhos sem a ajuda do Senhor. Por isso o evangelista Lucas continua o resto do texto insistindo sobre a perseverança na oração diante de Deus. E diz: “Se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo aos que o pedirem!” (Lc 11,15).

Confiemos ao Senhor nossa existência, nosso convívio e nossa vontade de construirmos a comunhão, a fraternidade e a paz, para que o Reino de Deus esteja sempre presente no mundo e em nosso meio. Amém.

*   *   *
(1) Cf. PAPA FRANCISCO. Ângelus (31 jan. 2021). Disponível em: <https://www.vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2021/documents/papa-francesco_angelus_20210131.html>. Acesso em 20 jul. 2022.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Jesus nos Ensinou a Rezar

 

O Senhor nos ensinou a rezar,
Quando de nós próximo ficou,
Sabendo de nossas carências,
Por isso se aproximou,
Quando quis nossa humildade,
Pra acolher Sua santidade,
Pois primeiro nos amou!
*
Senhor ensina-nos a Sua oração,
Para Deus, nosso Pai, chamarmos,
Ensina-nos a perseverança,
Para não desanimarmos,
E a rezar sem egoísmo,
Com perdão e otimismo,
Para nos santificarmos.
*
Senhor ensina-nos a rezar,
Com a Sua oração,
Que a nós venha o Seu Reino,
Nosso Deus e salvação,
Pra Sua vontade fazer,
E não o nosso querer,
Mas na Sua santa ação!
*
Nosso pão de cada dia,
Ensina-nos a pedir,
Para continuar a vida,
E na missão nos nutrir,
Este pão de cada dia,
É também a Eucaristia,
No Seu caminho a seguir.
*
O perdão de nossas culpas,
Ensina-nos a suplicar,
Quando ferimos os irmãos,
Ou viemos a errar,
Tu és o Deus de puro amor,
És o nosso Salvador,
Que quer nos santificar!
*
Livra-nos de todo o mal,
Quando a Ti vos suplicamos,
Pra vencer a tentação,
Quando com ela estamos.
Assim devemos rezar,
Firmes, sem desmoronar,
Pois em Ti nós confiamos!

*   *   *

 

Obra: “O Pai-Nosso”, de J. Tissot (1836-1902). In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina a rezar como Ele rezou, ilumine o seu caminho! 

 

 

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.