27º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Por uma Igreja aberta a todos ⇐
⇒ Mês do Rosário 
⇒ Mês Missionário 2022 
» Tema: A Igreja é missão «
» Lema: “Sereis minhas testemunhas” (At 1,8) «

 

Leituras: Hab 1,2-3.2,2-4; Sl 94(95),1-2.6-7.8-9 (R. 8); 2Tm 1,6-8.13-14; 1Pd 1,25; Lc 17,5-10

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Aumentando a Fé na Caminhada

Lc 17,5-10

 

Meus irmãos e irmãs, estamos no 27º Domingo do Tempo Comum, do Ano C, o primeiro Domingo do Mês do Rosário e também do Mês Missionário, que tem como tema “A Igreja é missão” e como lema “Sereis minhas testemunhas” (At 1,8). Também coloquemos em nossas orações as intenções do Santo Padre, que neste mês, e em consonância com o espírito da sinodalidade, roga por uma Igreja aberta a todos.

A Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum nos motiva a contemplar Nosso Senhor Jesus Cristo diante da forte súplica dos Apóstolos, que pedem: “Aumenta a nossa fé!” (Lc 17,5). E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 17,5-10. sequência do Domingo passado.

Neste Evangelho os apóstolos caminham com Jesus para Jerusalém e, depois de terem ouvido sobre a misericórdia, a pobreza e a riqueza, sentem o desafio e as possíveis barreiras a serem enfrentadas no apostolado. E Jesus, vendo aquela fé “infantil”(1) dos apóstolos, vinda da tradição do antigo povo de Israel, responde: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria.” (Lc 17,6).

Na caminhada com o Mestre, os apóstolos necessitavam de aumentar fé, pois a experiência de segui-Lo em missão exigia um compromisso maduro e mais concreto, fundamentado numa resposta consciente de cada seguidor, a cada dia, a cada desafio, a cada crise. Caminhar com Jesus não era mais como seguir a tradição dos mestres da lei, que muitas vezes impunham normas e preceitos sem adesão das pessoas.

Para seguir Jesus, exigia-se novas atitudes de vivência religiosa e desta vez concreta e encarnada na vida, no contato com os doentes, com os pobres e com os marginalizados, também no embate com as lideranças políticas e religiosas daquela época. Isso exigia que a fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, precisaria crescer, ter força de transformação, de movimento e de mudanças consistentes na vida de cada apóstolo.

Estas palavras de Jesus devem nos levar a refletir sobre a nossa necessidade de suplicar uma fé que seja mais sólida e que tenha a força das palavras do Evangelho, maior do que a fé infantil absorvida (e mesmo necessária!) nos primeiros anos de nossa catequese. E então podemos pedir: Senhor, aumenta a nossa fé, qualifica a nossa fé, torna a nossa experiência com o Senhor cada vez mais autêntica, como aquela que transformou a vida dos primeiros seguidores do Caminho, mesmo que ela seja tão pequena quanto um grão de mostarda.

E Jesus ensina sobre a necessidades de servirmos com humildade. “Quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’.” (Lc 17,10). Neste sentido, é o crescimento de nossa fé como discípulos do Senhor que nos faz nos reconhecermos como servos inúteis ou simples servos.
Crescer na fé é uma graça que vem de Deus, com a nossa colaboração. Servir ao Senhor não nos dar o direito aos merecimentos, às honrarias, mas acessamos às bem-aventuranças por fazermos um caminho de discipulado e assim nos convertermos e ganharmos o Céu.

Vivemos num mundo que estimula os méritos, mas ser discípulos é se colocar na contramão desta concepção de merecimentos humanos. Ser um simples servo é ser discípulo em gratuidade e agradecimento por caminhar com Jesus e colaborar com o seu Reino e no anúncio de sua boa notícia.

Na Primeira Leitura desta Liturgia temos um diálogo entre o profeta Habacuc e Deus, que poderá nos ajudar nesta compreensão da experiência da fé. O profeta se queixa de tantos sofrimentos e problemas sem soluções. E Deus lhe responde no final: “Quem não é correto, vai morrer, mas o justo viverá por sua fé.” (Hab 2,4). O justo viverá pela sua fé, este é o segredo.

Já a Segunda Leitura, da Segunda Carta a Timóteo, nos ensina a vivermos sem medo ou timidez na estrada do Senhor. E diz São Paulo: “Pois Deus não nos deu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e sobriedade.” (2Tm 1,7). O discípulo do Senhor não pode caminhar na insegurança, nem no medo. Ele deve caminhar e carregar no coração a esperança e como servo inútil buscar viver a sua fé numa dinâmica de crescimento do mandato recebido.

E no início do mês missionário e do Santo Rosário, peçamos ao Senhor que aumente a nossa fé e o nosso entusiasmo na missão. Também o nosso compromisso na evangelização, caminhando com Ele na construção do Reino de Deus. Mesmo reconhecendo que a nossa fé seja menor que um grão de mostarda, supliquemos ao Senhor que qualifique a nossa confiança, pois somos servos inúteis e necessitamos sempre da graça de Deus e, ao mesmo tempo, somos incapazes de corresponder plenamente ao que o Senhor nos favorece, porque seu amor além de ser incalculável é gratuito. Amém.

*   *   *
(1) A expressão “infantil” nos remete à uma vivência de adoração a Deus anteriormente a encarnação do Filho. Essa noção pode ser lida em Pagola (O caminho aberto por Jesus: Lucas. Petrópolis: Vozes, 2012, pp. 279-285).

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Os Caminhos da Fé

 

Em missão vão os discípulos,
Junto ao Senhor que tanto os ama,
Suplicam a fé em quantidade,
Para que não se apague o fervor da chama,
Que se acendeu quando Ele os chamou,
E continua acesa por onde Ele caminhou,
Mas que por um momento já não inflama.
*
Ao perceberem os desafios do caminhar,
Pedem a fé para perseverar,
A confiança na rocha firme que é o Senhor,
Para na missão com pés firmes continuar,
Sem medo, sem desconfiança,
Mas na obediência e na esperança,
Que com o Senhor não irão desandar.
*
Hoje somos nós os seguidores,
Que pedem o dom da esperança e da alegria,
Com o peito marcado pelo fervor
Nas noites escuras, mas também ao dia,
Buscando ouvir a Palavra como alimentação,
Querendo viver sem desolação,
E seguindo a Luz que sempre alumia.
*
O Senhor nos chama a sempre caminhar,
E nos dá o seu Corpo que nos fortalece,
Nos chama a viver na comunhão,
Acolher seu Amor que nos enternece,
E o Santo Espírito sempre acolher,
Que a nossa vida quer aquecer,
Numa firme busca que se oferece.
*
E nesta vida de peregrinação,
Como servos inúteis vamos andando,
Aos passos lentos procurando entender,
Tudo que o Senhor vai nos ensinando,
Como na fé a gente vai crescendo,
Mesmo que no momento não entendendo,
Por que a vida santa se faz caminhando.

 

*   *   *

 

Obras: (1) “Santa Teresinha Visitando a Sagrada Família”, (autor desconhecido). In thesacredartgallery.com: “St. Therese Visiting The Holy Family by Old Masters”. (2) Imagem da Rosa: In <gratispng.com/png-uj22en>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina sobre a necessidade de aumentar a nossa fé para vivermos a experiência do discipulado e da missão, ilumine o seu caminho! 

 

 

26º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pela abolição da pena de morte ⇐
⇒ Ciclo das Rosas: Tomada de véu de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Santa Face, em 24 de setembro de 1890 
Mês da Bíblia 2022“O SENHOR, teu Deus, estará contigo onde quer que vás” (Js 1,9) ⇐
⇒ 5a semana: A memória dos prodígios de Deus como suporte para manter-se fiel à Lei do Senhor. 
⇒ Encerramento do Mês da Bíblia: Deus sempre está com o seu povo
⇒ Dia Nacional da Bíblia ⇐

 

Leituras: Am 6,1a.4-7; Sl 145(146),7.8-9a.9bc-10 (R. 1); 1Tm 6,11-16; 2Cor 8,9; Lc 16,19-31

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

No Amor de Cristo, Vencemos os Abismos entre os Irmãos

Lc 16,19-31

 

Meus irmãos e irmãs, o 26º Domingo do Tempo Comum, o quarto e último Domingo do Mês da Bíblia, nos motiva a contemplar Jesus que ensina sobre os abismos entre os homens. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 16,19-31.

No Evangelho de hoje, a Liturgia nos apresenta Nosso Senhor Jesus Cristo contando outra parábola, desta vez, dirigida aos fariseus. Trata-se da parábola do rico avarento e do pobre Lázaro. Nosso Senhor fala sobre duas realidades que envolvem o homem: a riqueza negativa e a pobreza. Num extremo, um homem rico que, vaidosamente, se vestia com belas e caras roupas; no outro, o pobre Lázaro ao chão, ferido, faminto e esfarrapado, diante da porta do rico avarento (cf. Lc 16,19-21).

A segunda cena deste Evangelho já não é mais no plano terrestre. Lázaro encontra-se “junto de Abraão” (Lc 16,22) enquanto que o rico está na “a região dos mortos, no meio dos tormentos” (Lc 16,23).

As realidades se invertem: Lázaro que padeceu na terra, está agora gozando da paz e da harmonia, porque mesmo vivendo na extrema miséria, confiou totalmente na graça divina. Já o rico, que não soube usar dos seus bens para ajudar o próximo, pecou pela indiferença e agora está nos tormentos.

Vejamos que, de forma mesquinha, o rico pede uma gota de água para refrescar a sua língua, como que não acreditando na abundância da graça divina, e ainda mais: pede não pelos os homens que estão na terra, mas, de forma egoística, apela pelos cinco irmãos. No seu abismo não há mais possibilidades de criar uma ponte para junto de Abraão (cf. Lc 16,26).

A riqueza no Antigo Testamento muitas vezes foi vista como se a benção de Deus se realizasse somente na dimensão da prosperidade ao homem fiel à promessa. Consequentemente, a pobreza era como uma maldição. Os tempos passaram e as riquezas materiais foram se tornando mais obstáculos do que acesso ao paraíso eterno.

Atualmente, parece que não mudou muito estas duas realidades, entre ricos avarentos e pobres. Diante disso, há sempre um abismo enorme, quase intransponível entre os filhos do mesmo Pai Divino. Ainda há muitas mansões e palácios luxuosos, ainda há muita ostentação e esbanjamento das riquezas materiais.

O pior é que ainda persiste o pecado da indiferença e do desrespeito para com a necessidade dos pobres. Há nas calçadas, nas ruas, nas portas, muitos famintos, doentes, sofredores e excluídos. Eles clamam por comida, por assistência médica e por justiça social. E é a realidade dos pobres que nos revelam e denunciam as feridas de um mundo desigual, excludente e opressor.

Diante disso, podemos nos perguntar: Como está a nossa atenção aos irmãos que estão na miséria, nas calçadas, feridos e sem a assistência que os humanos merecem? Como está a nossa relação com os bens materiais? As riquezas são possibilidades de aproximação ou de abismo em relação ao Reino de Deus?

O cristão é chamado a ser o agente de transformação desta realidade. Jesus nos chama a romper as portas da indiferença de nosso coração para construímos pontes de solidariedade, de justiça e de caridade no mundo.

E neste Dia Nacional da Bíblia, sejamos motivados pelo lema do Mês da Bíblia a abraçar a promessa que nos garante a presença de Deus conosco sempre. Diz o lema a parir do livro de Josué: “O SENHOR, teu Deus, estará contigo onde quer que vás” (Js 1,9). Também busquemos a intercessão de São Jerônimo, que viveu entre 347 e 420, para termos as Sagradas Escrituras presente em nossas circunstâncias, pois ele foi responsável por traduzir toda a Bíblia para o latim.

Podemos concluir, lembrando-nos do Salmo desta Liturgia, o qual mostra como Deus deseja que o homem trilhe pelo caminho do bem e, ao mesmo tempo, como Ele protege os sofredores, pobres materiais e espirituais, guiando-os na sua vida, porque ele reina e sempre vence o mal. “O Senhor é fiel para sempre, faz justiça aos que são oprimidos; ele dá alimento aos famintos, é o Senhor quem liberta os cativos. (…) Ele ampara a viúva e o órfão, mas confunde os caminhos dos maus. O Senhor reinará para sempre!” [Sl 145(146)]. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Abismos entre Irmãos

 

Há abismos angustiantes
Que nos separam do irmão,
Pelas nossas atitudes,
De egoísmo e de ilusão,
Este abismo é a indiferença,
Pelo orgulho e violência,
Contrárias à comunhão.
*
O que faz a nossa ponte,
Ao outro se ligar,
É o amor de nosso Deus,
Que nos faz ao Céu chegar,
Pois n’Ele somos irmãos,
Não depende a condição,
Em que cada um está.
*
Se andarmos na verdade,
Sem fraude e avareza,
Sem o contratestemunho,
Prepotência da riqueza,
Se a Cristo nos ligamos,
E firmes continuamos,
Ele chamará à mesa.
*
Quantos Lázaros a nossa espera,
Nas calçadas e portões,
Nas ruas e nas estradas,
Esperando nossas ações,
Esperando o grande amor,
Que vem de Nosso Senhor,
Pra quebrar as escravidões.
*
Em Deus está nossa paz,
Sua ponte é o amor,
Ele vence o nosso abismo,
Que nos causa tanta dor,
Sua graça é abundante,
Não só gota refrescante,
Ele é graça e esplendor.
*
Que a santa Palavra,
Alerte o nosso viver,
Sobre a ponte do amor,
Que precisamos erguer,
E atentos aos sofredores,
Sejamos os construtores,
Para o Reino acontecer.

 

*   *   *

 

Obras: (1) “The Poor Lazarus at the Rich Man’s Door” e (2) “The Bad Rich Man in Hell”, por J. Tissot (1836-1902), In brooklynmuseum.org. (3) Imagem da Rosa: In <gratispng.com/png-uj22en>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina e nos alerta sobre os abismos entre os homens, ilumine o seu caminho! 

 

 

25º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pela abolição da pena de morte ⇐
Mês da Bíblia 2022“O SENHOR, teu Deus, estará contigo onde quer que vás” (Js 1,9) ⇐
⇒ 4a semana: Josué – exemplo de continuador da História da Salvação

 

Leituras: Am 8,4-7; Sl 112(113),1-2.4-6.7-8 (R. cf. 1a.7b); 1Tm 2,1-8; 2Cor 8,9; Lc 16,1-13 (mais longo) ou Lc 16,10-13 (mais breve)

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Os Discípulos de Cristo são os Adoradores e Servidores do Único Deus

Lc 16,1-13 (mais longo) ou Lc 16,10-13 (mais breve)

 

Meus irmãos e irmãs, o 25º Domingo do Tempo Comum, o terceiro Domingo do Mês da Bíblia, nos motiva a contemplar Jesus que ensina aos seus discípulos a servir a Deus e não ao dinheiro. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 16,1-13.

No Evangelho de hoje, a Liturgia nos apresenta Nosso Senhor Jesus Cristo contando uma parábola que fala sobre o administrador infiel e esperto. Este administrador, refletindo sobre a sua demissão, usa uma estratégia para sair desta situação. Ele abre mão do seu lucro e desta forma consegue devolver o dinheiro que é do seu patrão (cf. Lc 16,5-7).

Jesus elogia a esperteza daquele administrador(1) e fala para seus discípulos: “Usai o dinheiro injusto para fazer amigos, pois, quando acabar, eles vos receberão nas moradas eternas” (Lc 16,9). Para Jesus, o dinheiro injusto poderia ser originado na exploração das pessoas. Porém, tal recurso também poderia ser usado a serviço da caridade e da vida dos pobres. Desta forma, os pobres, os bem-aventurados, poderiam acolher os ricos no Céu, porque estes colocaram suas riquezas a favor dos necessitados. Pois o Céu é daqueles que fizeram o bem e viveram a caridade na sua caminhada terrena (cf. Mt 25,34-40).

A parábola do administrador infiel é contada aos Seus discípulos (cf. Lc 16,1) mas tinha como ouvintes, também, alguns fariseus zombadores (cf. Lc 16,14). E o Senhor Jesus quer que eles, os discípulos, sejam fiéis no seguimento a Ele e na missão, pois eles serão administradores dos bens celestes e deverão carregar no coração a honestidade e a verdade da Palavra de Deus.

Na missão, os discípulos de Jesus deveriam também estar atentos com a mesma astúcia do administrador infiel, porém estando abertos à Sabedoria do Espírito Santo para administrarem os bens do Reino. Em nossa caminhada cristã, precisamos também da Sabedoria para sermos coerentes, em virtude do nosso testemunho e do serviço ao Evangelho.

Jesus também ensina que o seu discípulo é aquele que é fiel na administração das pequenas e das grandes coisas (cf. Lc 16,10). Também para ser discípulo é preciso que este ame a Deus como único Senhor (cf. Lc 16,13). O dinheiro pode ser cultuado como um deus (um ídolo) com muitos altares erguidos por todos os lugares deste mundo atual de um capitalismo tão selvagem. O dinheiro ser adorado e confundir o homem na busca do bem maior de sua existência, que é o sentido da sua vida e seu papel no mundo.

E através do profeta Amós, a Liturgia nos apresenta a situação de corrupção no séc. VIII a.C., durante o reinado de Jeroboão II na Samaria ou Reino do Norte. Amós denuncia principalmente o que a elite fazia no próprio Sábado, que era o dia sagrado, pois não tinham o menor escrúpulo em diminuir medidas, adulterar balanças, dominar os pobres com dinheiro e os humildes com pares de sandálias (cf. Am 5-6). Parece que o nosso mundo não mudou. Sempre existiu esta luta entre os filhos das trevas e os filhos da luz.

Hoje temos tantas situações parecidas com o que apresenta Amós, pois as fraudes comerciais, políticas e administrativas são visíveis. Nem sempre o dinheiro é usado a serviço das necessidades básicas e da concretização dos direitos os quais as leis nacionais e internacionais exigem que os governantes devam cumpri-las.

Também fiquemos atentos ao que nos ensina São Paulo na Primeira Carta a Timóteo: “Antes de tudo, recomendo que se façam preces e orações, súplicas e ações de graças, por todos os homens; pelos que governam e por todos que ocupam altos cargos, a fim de que possamos levar uma vida tranquila e serena, com toda piedade e dignidade. Isto é bom e agradável a Deus, nosso Salvador; ele quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade.” (1Tm 2,1-4).

Em tempos de campanha eleitoral e ainda o terceiro Domingo do Mês da Bíblia, rezemos pelos candidatos para que a disputa eleitoral não transforme o nosso país em uma terra arrasada, pois junto com o povo sempre esteve e sempre estará Deus, que é Senhor da História e como canta o Salmo nesta Liturgia “Louvai o Senhor, que eleva os pobres!”. Portanto, irmãos e irmãs, a nossa oração pelos que nos governam e o sincero propósito de crescermos na comunhão, na verdade e na honestidade, nos ajudará na construção do Reino de Deus, através do anúncio da Boa-Nova ao mundo. Amém.

*   *   *
(1) Cf. nota de rodapé referente a Lc 16,8 na Bíblia de Jerusalém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Servir Somente ao Senhor

 

Mundo de tantos altares,
Onde o dinheiro é adorado,
Onde tantos estão focados,
Nas coisas materiais,
Tornando-se desiguais.
Como Deus será amado?
*
Jesus nosso Salvador,
É quem nos traz a lição:
Vivermos sem ambição,
As coisas não adorar,
Mas somente administrar,
Para o bem do nosso irmão.
*
Servir somente ao Senhor,
Como único e verdadeiro,
Não sendo interesseiro,
Sem o outro corromper,
Mas a ele oferecer,
O amor como primeiro.
*
Ser fiel no que lhe cabe,
Saber administrar,
Sem ao outro enganar
Viver com muito cuidado,
Para não ser condenado,
Quando Deus vier cobrar
*
Deus de amor Ressuscitado,
Curai nosso coração,
Pra não vivermos a ilusão,
De uma vida enganada,
Guia-nos na Tua estrada,
Que nos leva à salvação.
*
Abençoai todos aqueles,
Que estão sempre a servir,
Amando sem oprimir,
Que sabem administrar,
O que Senhor lhe confiar,
E os irmãos vivem a unir.
*
Espírito Santo de amor,
Iluminai nosso viver,
Faz-nos esclarecer,
Cada passo da estrada,
Nessa nossa caminhada,
Pois, o Céu queremos ver.

 

*   *   *

 

Obra: “Nosso Senhor Jesus Cristo”, de J. Tissot (1836-1902). In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina a servir a Deus e não ao dinheiro, ilumine o seu caminho! 

 

 

24º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pela abolição da pena de morte ⇐
Mês da Bíblia 2022“O SENHOR, teu Deus, estará contigo onde quer que vás” (Js 1,9) ⇐
⇒ 3a semana: O cerco e a queda das muralhas de Jericó

 

Leituras: Ex 32,7-11.13-14; Sl 50(51),3-4.12-13.17.19 (R. Lc 15,18); 1Tm 1,12-17; 2Cor 5,19; Lc 15,1-32 (mais longo) ou Lc 15,1-10 (mais breve)

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Deus Se Alegra, na Sua Misericórdia, com a nossa Volta para os Seus Braços

Lc 15,1-32 (mais longo) ou Lc 15,1-10 (mais breve)

 

Meus irmãos e irmãs, o 24º Domingo do Tempo Comum, o segundo Domingo do Mês da Bíblia, nos motiva a contemplar um pequenino aspecto da misericórdia de Deus: a Sua alegria com a conversão de um só pecador. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 15,1-32.

No Evangelho de hoje, a Igreja nos oferece todo o capítulo 15 do evangelho de Lucas, o qual nos apresenta a parábola da misericórdia, ou seja, a ovelha perdida, a moeda perdida e o filho perdido e o filho fiel.

As três narrativas, chamadas de parábolas da misericórdia, podem ser lidas como um todo. O pai, o pastor e a mulher, representam Deus. A ovelha perdida se relaciona com o filho perdido e achado. A moeda se relaciona com o filho mais velho. Estas narrações expressam a misericórdia de Deus para conosco.

O motivo pelo qual são contadas estas parábolas, está associado às críticas dos fariseus que diziam que Jesus fazia refeições nas casas de pecadores e, ao mesmo tempo, os acolhia.

Às vezes nos perdemos como a ovelha, outras vezes, sem que tenhamos muito domínio de nós, somos perdidos como a moeda. Isso em função dos caminhos de nossa existência. Considerando um contexto narrativo, a ovelha perdida pode ser sujeito ou objeto, mas a moeda perdida é um objeto. O pastor só encontra a ovelha quando esta se reconhece perdida, quando ela para de perambular e se afastar do redil. Já a moeda, que é objeto, só pode ser encontrada pela persistência da mulher.

Sendo ovelha (sujeito) ou moeda (objeto), precisamos da luz de Deus e da sua Palavra para nos reencontrarmos. E quando somos encontrados, haverá a alegria de outros, pois a experiência da volta para Deus é sempre uma alegria comunitária.

A ovelha perdida pode nos lembrar dos momentos em que, por um tempo, saímos da comunhão com o rebanho do Senhor e depois nos damos conta dos erros e queremos voltar porque o Senhor nos reencontrou e nos carregou nos seus ombros. Isso com imensa alegria e muito amor e Ele de volta ao encontro de seu rebanho.

Já a moeda nos remete aos momentos de noite escura, quando precisamos que Deus nos ache de qualquer forma, pois ficamos impotentes diante de uma crise de fé. Às vezes não conseguimos encontrar o sentido do caminho e nem nos encontrarmos mesmo estando na casa do Pai.

Na narrativa do Pai misericordioso, vemos o quanto é grande a alegria de Deus na volta do seu filho perdido. Assim Deus faz com cada um de nós quando retornamos aos seus braços. Somos sempre bem acolhidos no banquete da vida, na casa do Pai. Isto com cantos de alegria, com o anel da dignidade, vestes e sandálias novas e o abraço de Deus.

Outras vezes participamos do amor de Deus na realidade do filho mais velho. Este esteve sempre na casa do Pai, mas quis ficar distante da sua alegria. No retorno do seu irmão, o orgulho tomou conta do seu coração. Mesmo o Pai dizendo que ele estivera sempre na sua casa, mesmo tendo recebido o perdão constante de seu Pai o qual nunca o desprezou e nem o expulsou de sua casa, porque este filho também recebeu a herança.

Portanto, o Deus misericordioso que é apresentado nas três narrativas da parábola é o mesmo Deus que diante de Moisés desistiu da punição que havia ameaçado fazer ao povo de cerviz dura (cf. Ex 32,9.14), pois, pela sua misericórdia, permitiu a possibilidade do retorno dos seus filhos para o seu amor e sua graça.

Que neste mês da Bíblia possamos iluminar as nossas ações com a Santa Palavra que é luz para os nossos passos e guia na nossa vida de discípulos missionários do Senhor. Ele nos chama em cada Liturgia, em cada encontro com a sua Palavra, Ele nos chama para voltarmos sempre cada vez mais para sua Casa e para o Seu amor e por isso nos abraça na sua alegria de Pai misericordioso. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

A Alegria da Volta

 

Quando na vida nos percebemos errantes,
E caminhamos por trilhas tão tortuosas,
Quando no abismo chegamos a cair,
Por atitudes e práticas faltosas.
Parar e procurar o que estava perdido,
Voltar um pouco o caminho percorrido,
É a ação mais necessária e corajosa.
*
Reencontrar o que no caminho se perdeu,
Com a luz que vem do eterno amor,
Limpar cada recanto para encontrar a pérola,
Que somente nos vem de Nosso Senhor,
Ele que na alegria nos quer voltando,
Nos acolhe e vai logo nos abraçando,
Por que é misericórdia e vê a nossa dor.
*
Como é bom sentir o abraço do supremo amor,
Que na alegria da volta nos dá o perdão,
Que até nos carrega nos seus ombros santos,
Para nos tirar dos males e da perdição,
E ainda faz festa na nossa chegada,
Porque nossa vida foi restaurada,
Livrou-se das correntes da escravidão.
*
E, agora como ovelhinhas reencontradas,
Ficaremos no rebanho que Ele colocou,
Partilhando a caminhada que Ele ofereceu,
Porque para a vida Ele nos retornou,
E o seu Corpo será nosso alimento,
Para não cairmos nos duros tormentos,
Que, por algum tempo, nos escravizou.
*
A alegria de Deus é nossa salvação,
Ele é Pai de misericórdia infinita,
Sua alegria maior é nos ver voltando,
Pois Ele corre, abre os braços e grita,
Porque vê seu filho que está chegando,
E sem explicações vai logo perdoando,
Oferecendo as joias e roupas mais bonitas.

 

*   *   *

 

Obras: (1) “The Good Shepherd” e (2) “The Lost Drachma”, por J. Tissot (1836-1902), In brooklynmuseum.org. (3) “O Retorno do Filho Pródigo”, por Rembrandt (1606-1669), In pt.wikipedia.org: “O_Retorno_do_Filho_Pródigo”.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que, com sua infinita misericórdia, nos ensina sobre a Alegria com a conversão de um só pecador, ilumine o seu caminho! 

 

 

23º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pela abolição da pena de morte ⇐
Mês da Bíblia 2022“O SENHOR, teu Deus, estará contigo onde quer que vás” (Js 1,9) ⇐
⇒ 1a semana: Fidelidade à Lei recebida no deserto
⇒ 2a semana: Adesão ao povo de Deus pela fé ⇐

 

 Leituras: Sb 9,13-18 (gr. 13-18b); Sl 89(90),3-4.5-6.12-13.14.17 (R. 1); Fm 9b-10.12-17; Sl 118(119),135; Lc 14,25-33

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

O Cristão Diante do Amor e da Bondade do Mestre

Lc 14,25-33

 

Meus irmãos e irmãs, o 23º Domingo do Tempo Comum, do Ano C, o primeiro Domingo do Mês da Bíblia, nos motiva a contemplar mais uma dimensão do discipulado: o desprendimento assertivo em favor do Reino de Deus. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 14,25-33.

No Evangelho de hoje Jesus nos fala que o verdadeiro discípulo é aquele que responde ao Chamado com as seguintes prioridade: (i) prudência na resposta, (ii) desprendimento em relação à família e aos bens materiais e (iii) a atitude de abraçar a cruz no cotidiano, independente das circunstâncias e contingências. Tais prioridades são próprias do Chamado.

Ao aderir o Chamado de Jesus e interiorizar o espírito do Evangelho, cada um deve antes pensar, calcular nas exigências do seguimento. Por isso Jesus nos orienta: “…qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar?” (Lc 14,28). O discípulo também precisa refletir sobre as condições de sua resposta, precisa ser prudente, ter consciência do que assume! O cristão não pode seguir o exemplo do construtor imprudente, do qual nos fala o Evangelho de Lucas. O cristão precisa refletir sobre sua escolha e decisão, para ver se dá conta naquilo que assumiu como vocação, como chamado e para viver isto como missão!

Outro tema deste Evangelho é o desprendimento: quando nos desapegamos das pessoas por amor ao Senhor, nos tornamos mais coerentes com o próximo, pois amar a Deus é também amar o irmão, é fazer o bem e evitar o mal, seja em relação ao próximo, seja em relação ao à natureza, na expressão do Papa Francisco, a “casa comum”, é estarmos a serviço por amor e não por carência afetiva ou por imposição. Quando nos apegamos a pessoas, alimentamos uma relação de idolatria, pois colocamos as pessoas no lugar de Deus.

Em sua natureza, o cristão deve ter o seu coração livre. Livre dos excessos de coisas que sufocam e desviam do caminho do amor. É claro que sempre precisaremos servir-nos de vários meios para os nossos compromissos de trabalho e de estudo, também para o lazer na nossa vida, porém, nunca estes deverão ser um obstáculo na experiência espiritual e na convivência humana. O Evangelho sempre nos pedirá que o nosso coração esteja livre para Deus, pois é neste sentido que somos livres para nos colocamos de braços abertos diante de nossas escolhas, como sentido e missão para a nossa existência.

Também é oportuno refletir que na vida pastoral, na vida eclesial podemos nos apegar ao serviço (ou ministério) como se fossem cargos de nossa propriedade e não da Igreja. Agindo assim haverá o grande perigo de tornarmos a Igreja estéril no crescimento do seu rebanho.

Portanto, coloquemos em nossos corações o apelo que o Senhor nos faz para nos esvaziarmos de nós mesmos e seguirmos com o coração livre para ouvir a sua Palavra e acolher o seu Amor. Tenhamos também a consciência e a sabedoria de que desapego faz parte de todos os ministérios da Igreja, pois todos são chamados a abrirem o coração para a experiência do desprendimento, pela pregação do Evangelho.

Que neste Mês da Bíblia possamos fortalecer cada vez mais o amor à Sagrada Escritura, através da leitura orante e constante, em vista de nossa permanente conversão e levando ao próximo a alegria dos que seguem o Senhor. Que a nossa alegria brote da Palavra de Deus, pela iluminação do Espírito Santo, como nos ensina o livro da Sabedoria: “Acaso alguém teria conhecido o teu desígnio, sem que lhe desses Sabedoria e do alto lhe enviasses teu santo espírito?” (Sb 9,17). Amém, amém, amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Ser Cristão, Ser Missionário

 

Ser cristão é ser discípulo,
Livre e desapegado,
De tudo que o aprisiona,
Não sendo escravizado,
É abraçar também a cruz,
Caminhar na santa Luz,
De Jesus, Ressuscitado.
*
Ser cristão é ir aos outros,
Levando a alegria,
Dos que seguem o Senhor,
Na vida de cada dia,
Deixando um pouco o seu lar,
Firme, sem desanimar,
Na paz e na harmonia.
*
Ser cristão é caminhar,
Com o amor no coração,
Enfrentando desafios,
No trabalho e na missão,
É estar também rezando,
E aos irmãos sempre ajudando,
Num gesto de gratidão.
*
Ser cristão é prosseguir,
Sempre a Palavra escutar,
Para crescer sempre mais,
No seguir, no caminhar,
É crescer na comunhão,
Na alegria com os irmãos,
Sempre, sempre a perseverar.

 

*   *   *

 

Obra: “Ele passou pelas aldeias no caminho para Jerusalém”, de J. Tissot (1836-1902). In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina sobre o desprendimento assertivo em favor do Reino de Deus, ilumine o seu caminho! 

 

 

22º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos pequenos e médios empreendedores ⇐
⇒ Mês Vocacional – 4º Domingo: pela vocação para os ministérios e serviços na comunidade ⇐
⇒ Dia Nacional dos Catequistas ⇐

 

Leituras: Eclo 3,19-21.30-31 (gr. 17-18.20.28-29); Sl 67(68),4-5ac.6-7ab.10-11 (R. cf. 11b); Hb 12,18-19; Mt 11,29ab; Lc 14,1.7-14

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

A humildade é a virtude que nos leva à Mesa do Reino

Lc 14,1,7-14

 

Meus irmãos e irmãs, no 22º Domingo do Tempo Comum vivenciamos o quarto Domingo do mês vocacional em que refletimos e rezamos pela vocação para os ministérios e serviços na comunidade e também Dia Nacional dos Catequistas. E neste Domingo, a Liturgia nos motiva a contemplar o ensino sobre a humildade nas palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 14,1.7-14.

No Evangelho de hoje, o Senhor Jesus está na casa de um importante fariseu para fazer uma refeição, em dia de Sábado. A mesa está pronta, muitos convidados chegam e Jesus observa lugares não ocupados. Observa também os convidados. É de se supor a presença de outros fariseus e autoridades religiosas naquela casa, os quais ocupavam os lugares principais.

Há um ensinamento de Nosso Senhor diante daquela refeição no que se refere aos lugares à mesa e também aos convidados. Ele ensina sobre a humildade numa relação não somente do homem para com o seu semelhante, mas também do homem para com Deus. Na História da Salvação, a tradição valoriza a humildade como uma virtude cristã, pois é concretizada por Deus em seu próprio Filho, Jesus, que desceu à nossa miséria e caminhou conosco, não só nos ensinando, mas também sentido as dores do nosso pecado.

“Quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado” (Lc 14,11). Este ensinamento, contido no texto de Lucas é de uma profundidade esplêndida. Pois humildade é se abaixar. Jesus desceu à terra (se abaixou), se igualou em natureza aos homens, menos no pecado, e foi mais longe: desceu à sepultura, viveu a experiência da morte, mas foi exaltado para vida infinita a fim de oferecer à humanidade a possibilidade da redenção eterna.

Jesus, Deus e homem, viveu a humildade como servo, lavou os pés dos discípulos para nos ensinar que precisamos também nos abaixar com o avental da humildade aos outros para servir. Parou para conversar com as crianças ficando no mesmo nível (físico) delas para acolhê-las e para nos dizer que é necessário viver como elas para participarmos da mesa do Reino.

Para nós, cristãos, faz-se necessário olharmos para a humildade de Deus, a humildade de Jesus, e nos enchermos dessa virtude cristã, pois o mundo do capital, da política e até das profissões parecem andar na contramão dessa força. Podemos nos perguntar: Como viver, neste mundo, a humildade a caminho do banquete do Reino? Como construirmos a fraternidade e inundar os corações das pessoas com os valores cristãos, sem que deixemos de ser eficientes, humanos e úteis no mundo do nosso trabalho?

A humildade verdadeira agrada a todos e leva a cada pessoa a meditar nesse valor. Quem é humilde coloca a sua função e eficácia a serviço dos outros. O motivo de alguém se tornar responsável por uma instituição, por um ministério, empresa ou outras responsabilidades na linha de frente, será de qualidade na medida em que esta se torna coerente. E deve ser construída na humildade, ou seja, na contramão da prepotência, abuso de poder e interesses egoístas.

Na escola da vida cristã, há muitos meios de aprendermos e aperfeiçoarmos no caminho da humildade, dependendo da opção que vamos fazendo pela vida. Por exemplo: na família, os cônjuges são chamados a se completarem e se construírem através da aceitação do outro, pelo diálogo, pelo perdão diário e de muitas vezes se abaixarem (pela humildade) um ao outro, para que o lar seja um ambiente de amor, de paz e de comunhão.

Não podemos esquecer o testemunho do clero, dos sacerdotes e diáconos, religiosos e leigos que, pela missão de levar o Evangelho aos outros, caminham junto com os injustiçados, os pobres, muitas vezes lavando os seus pés pela doação e defesa da justiça, da verdade, pela caridade e também pelo amor incondicional.

São tantos os exemplos concretos os quais podemos contemplar e seguir em frente para vivermos a humildade a caminho da mesa do Reino. Pois os últimos lugares são dos que querem viver com os mesmos sentimentos de Jesus, não somente para serem percebidos pelo dono da casa, mas porque esta postura indica o serviço e a doação cristã e não o egoísmo, prepotência e os interesses individuais.

E neste quarto Domingo do Mês Vocacional, e também na semana que o segue, devemos rezar para que os leigos que se dedicam, sobretudo com as verdadeiras virtudes heroicas, ao serviço da Igreja sem se descuidar de seus compromissos no mundo secular ou mesmo domésticos, sendo testemunhas como desejou Nosso Senhor quando instituiu Sua Igreja não para condenar, mas para salvar o mundo (cf. Jo 3,17;12,47). Rezemos ainda pelos catequistas, para que, neste Dia Nacional dos Catequistas e segundo ano da Carta Apostólica Antiquum Ministerium(1) que instituiu o Ministério laical dos Catequistas, eles possam ser edificadores da Igreja como exorta São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios (cf. 12,28-31).

E os nossos parabéns e oração a todos os irmãos e irmãs leigos e leigas, que dedicam a algum serviço à nossa Igreja, que Deus vos abençoe. Amém.

*   *   *
(1) Disponível em: <https://www.vatican.va/content/francesco/pt/motu_proprio/documents/papa-francesco-motu-proprio-20210510_antiquum-ministerium.html>. Acesso em: 27 ago. 2022.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Buscar a Mesa do Reino

 

Buscar a mesa do Reino,
É viver a humildade,
Caminhar na caridade,
Sem orgulho e sem rancor,
É viver primeiro o amor,
Que nos leva à santidade.
*
Buscar a mesa do Reino,
É olhar para o Senhor,
É viver o Seu amor,
Sem ser um interesseiro,
Não querer ser o primeiro,
E nem ser dominador.
*
Buscar a mesa do Reino,
É procurar sempre servir,
É a Jesus aderir,
Sem orgulho e prepotência,
É esperar na paciência,
O Reino que há de vir.
*
Buscar a mesa do Reino,
É viver a oração,
Sem esquecer a ação,
Mas na paz e na harmonia,
Cultivar a alegria,
Que é própria do cristão.
*
Busquemos esta Mesa Santa,
Que Jesus nos oferece,
Façamos a nossa prece,
Para sermos o sinal,
Do Seu amor filial,
Que nossa vida enternece.

*   *   *

Imagem: “The Great Banquet” de E. Burnand (1850-1921).

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos ensina servir na humildade, ilumine o seu caminho! 

 

 

Solenidade da Assunção de Nossa Senhora

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos pequenos e médios empreendedores ⇐
⇒ Mês Vocacional – 3º Domingo: pela vocação à vida consagrada ⇐

 

Leituras da Missa da Véspera: 1Cr 15,3-4.15-16;16,1-2; Sl 131(132),6-7.9-10.13-14 (R. 8); 1Cor 15,54-57; Lc 11,27-28
Leituras da Missa do Dia: Ap 11,19a;12,1.3-6a.10ab; Sl 44(45),10bc.11.12ab.16 (R. 10b); 1Cor 15,20-27a; Lc 1,39-56

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Maria e Isabel: O Encontro da Profecia e da Salvação

Lc 1,39-56

Meus irmãos e irmãs, neste terceiro Domingo do mês vocacional em que refletimos e rezamos pela vocação à vida consagrada, celebramos com muito júbilo a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora. Esta Liturgia nos motiva a contemplar a assunção de Nossa Senhora ao Céu, de corpo e alma, sendo a primeira a participar da redenção e da glorificação celeste. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 1,39-56.

A Assunção de Nossa Senhora à glória celeste, de corpo e alma, é um dogma proclamado pela Igreja, ou seja, uma verdade de fé, e é o mais recente entre os quatro dogmas marianos, tendo sido proclamado pelo Papa Pio XII em de 1950(1). Os outros três dogmas marianos são: Maternidade Divina, Imaculada Conceição e Virgindade Perpétua.

No Evangelho desta Liturgia, o evangelista São Lucas nos apresenta a caminhada de fé da jovem Virgem rumo à casa de Isabel. A Virgem Maria, grávida por obra do Espírito Santo (cf. Mt 1,20), segue pelo longo percurso de 150 km rumo à Judeia e caminha, por entre as montanhas, para levar a caridade e a alegria à sua prima. Com esta missão, a Virgem, grávida do Salvador e vazia de interesses pessoais, na configuração de Sacrário Vivo do Senhor.

A Virgem peregrina nos dá exemplo de como abraçar o chamado de Deus e da firme decisão para crescer na resposta de fé, em atitude de amor e de doação. A Mãe do Salvador se doa de forma lenta e desinteressada, mas vai apressadamente para servir a outra grávida, portadora da profecia em seu ventre, João Batista, que preparará os caminhos de Jesus, o Messias, para que os homens o acolham, sejam curados, chamados e redimidos pelo sangue do Cordeiro.

A esposa de São José, Maria, é a imagem perfeita da Igreja [cf. CIgC(2), nº 967], que é o Corpo Místico de Cristo (cf. CIgC, nº 787-810). Ela é também Sacrário Santo e vínculo de amor entre irmãos, é meio de salvação para todos que dela se aproximam para escutar e se alimentar do Senhor, sendo purificados pela fé e glorificados na dimensão celestial.

A Virgem Maria é a mulher “vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e sobre a cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1), como nos fala a Primeira Leitura desta Liturgia. É ela sim, pois tem no seu ventre o poder da vida vitoriosa sobre o dragão da morte, dando a vida verdadeira a todos os que acolhem os valores do Reino e a Redenção; e que desejam participar da glória de Deus.

São Paulo nos diz que “Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram” (1Cor 15,20). Deus antecipa para a Mãe do Salvador a graça da ressurreição e da glorificação. Ela é a primeira cristã entre os que seguiram e seguem o Senhor. Por isso podemos chamá-la de Nossa Senhora da Glória, pois é a rainha-mãe cuja contemplação o salmista descreve como tendo “veste esplendente de ouro de Ofir” [Sl 44(45),10c], o mais puro ouro da era do rei Salomão (cf. 1Rs 9,28), mas que na Virgem Maria o ouro de Ofir não é nada se comparado com a sua beleza e santidade.

Para vivermos um testemunho coerente, precisamos olhar para Virgem Maria, que interioriza e pratica as virtudes na simplicidade do seu cotidiano. Estando atentos ao que Deus nos pede, vivendo a obediência à Palavra do Senhor, não desviaremos a nossa atenção das diversas situações do mundo, principalmente no que se refere a todos os sofredores. Enfim, nos esvaziando do nosso egoísmo para poder nos encher da graça de Deus.

E neste terceiro Domingo do Mês Vocacional, dedicado à vocação à vida consagrada (religiosos e religiosas, consagrados e consagradas, seculares), vamos rezar pelos que foram chamados a viver de forma radical os votos de pobreza, obediência e castidade em favor do Reino de Deus, como discípulos e discípulas na experiência da santidade e da entrega missionária no mundo. Que possamos aprender da Virgem Maria sobre a escuta da Palavra, no desprendimento das coisas materiais do mundo, na obediência ao chamado de Deus, à vida de castidade, ao anúncio do Reino de Deus e na contemplação frutífera, através da oração perseverante. Amém.

*   *   *
(1) Através da constituição apostólica Munificentissimus Deus. Disponível em: <http://w2.vatican.va/content/pius-xii/pt/apost_constitutions/documents/hf_p-xii_apc_19501101_munificentissimus-deus.html>.
(2) Disponível em: <http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/prima-pagina-cic_po.html>.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

A Primeira Crente da Nova Aliança

 

Aberta à voz de Deus e ao Seu chamado,
Grávida, a serviço da vida e da esperança,
Lá vai a caminheira para a sua santa missão,
Como primeira crente da Nova Aliança.
*
Vai pelas montanhas sempre entre o vento e a poeira,
Motivada pelo amor e levando a força da Redenção,
Visita a sua prima Isabel, com gratuidade fraterna,
Levando um cântico de alegria, profecia e libertação.
*
Sua alma é engrandecida pelo amor supremo,
Pois a alegria é plena do Espírito Divino,
Porque o mundo a chamará Senhora Bendita,
Porque da sua boca nasce o anúncio, por um belo hino.
*
É glorificada no Céu de corpo e alma,
Porque em Cristo és Mãe e Santificada,
Por isso o nosso culto a ti elevamos felizes,
Porque és a primeira cristã de vitória alcançada.
*
Rogai por nós, nos vales dos nossos sofrimentos,
Mãe da profecia e cheia do belo cantar de amor,
Ensina-nos a sermos vazios de nós e cheios da Graça,
Como servos atentos e santos de Nosso Senhor.

*   *   *

 

Imagem: “A bem-aventurada Virgem Maria é coroada Rainha do Céu por Seu Filho Amado”. In zephyrinus-zephyrinus.blogspot.com.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos deu como Mãe a Virgem Maria – assunta ao Céu de corpo e alma, ilumine o seu caminho! 

 

 

20º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos pequenos e médios empreendedores ⇐
⇒ Mês Vocacional – 2º Domingo: pela vocação da vida em família ⇐

 

 

Leituras: Jr 38,4-6.8-10; Sl 39(40),2.3.4.18 (R. 14b); Hb 12,1-4; Lc 12,49-53

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

O Fogo do Amor do Senhor

Lc 12,49-32-48

 

Meus irmãos e irmãs, celebramos o 20º Domingo do Tempo Comum o segundo Domingo do mês vocacional em que refletimos e rezamos pela vocação para a vida em família, a Igreja doméstica, e também celebramos, neste dia, o dia dos pais, aos quais desejamos muita paz, graças e bênçãos divinas. A Liturgia deste Domingo nos motiva a contemplar a respeito do impacto do fogo do Espírito e da Palavra purificadora do Senhor e a força transformadora do ministério messiânico. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 12,49-53, sequência do Domingo passado.

No Evangelho desta Liturgia, as Palavras de Jesus verdadeiramente nos impactam e nos provocam a refletir e pensar profundamente sobre Suas Palavras. Disse o Senhor Jesus: “Eu vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso!” (Lc 12,49). Em seguida complementa: “devo receber um batismo e como estou ansioso até que isto se cumpra” (Lc 12,50).

Quando olhamos para o ministério de Jesus em toda a sua realização, podemos entender o que significa profundamente essas Palavras. Na verdade, Ele veio para transformar o mundo a partir da purificação dos corações com o fogo do Seu amor, através de Sua Palavra, profética e redentora, sua aproximação junto ao seu povo, tornando todos filhos de Deus. Com seus milagres corporais e espirituais e com seus ensinamentos, converteu e transformou a vida e o coração de muitas pessoas. Não somente isso: Suas palavras impactaram e mobilizaram muitos seguidores a viverem também o que Ele viveu.

Desse modo, o Seu chamado mudou a vida de muitas famílias fazendo com que sua Palavra libertadora chegasse a todos nós e também nos impulsionasse a sermos Seus discípulos e missionários. Essa mudança provocou, e ainda provoca, uma divisão entre os que estão em conversão e os que são indiferentes à Boa-Nova de Jesus.

Os Apóstolos e discípulos seguiram proclamando o amor misericordioso de Deus, uma vida nova, pela força da Ressurreição onde a semente da dignidade humana e a vida fraterna foram semeadas e se espalham pelo mundo. Não podemos esquecer que o anúncio da Boa-Nova de Jesus trouxe muitas consequências para as primeiras gerações de cristãos, as quais sofram perseguição por parte dos poderosos e muitos foram martirizados por causa do Evangelho, mas foram perseverantes, corajosos e cheios de fé, porque o fogo do amor do Senhor os impulsionava a seguir em frente.

Assim acontece com profeta Jeremias também sofreu perseguição de Sedecias, Rei de Judá entre os anos 597 e 587 a.C. Um poderoso rei sim, mas o último rei antes do exílio da Babilônia (586-538 a.C.). Vimos na primeira leitura desta Liturgia (cf. Jr 38,6) que o profeta quase morreu quando foi atirado numa cisterna por que anunciava o amor de Deus e a paz em vez da guerra. Jeremias estava ciente do sofrimento do povo escravizado pelo rei da Babilônia!

Assim aconteceu também ao longo dos tempos desde que Jesus consolidou Seu “pequenino rebanho” (Lc 12,38). Os que sempre anunciaram os valores do Evangelho sofreram consequências como calúnia, indiferença, perseguição e a até a morte! Nossos heróis (os santos conhecidos e anônimos), homens e mulheres que testemunharam com suas vidas as virtudes de Cristo, defenderam a dignidade humana como valor que nivela todos (homens e mulheres) no mesmo patamar diante de Deus, defenderam a fraternidade e a justiça. Tudo isso em contraste com os poderes do mundo com seus recursos políticos, econômicos e ideológicos, sempre com o objetivo de exercer domínio em benefício da elite.

Já o autor da Carta aos Hebreus nos aconselha: “Empenhemo-nos com perseverança no combate que nos é proposto, com os olhos fixos em Jesus.” (Hb 12,1-2). Diante dos poderes do mundo, o cristão que vive verdadeiramente os valores da Boa-Nova, a fé e os olhos fixos em Cristo, estará alerta diante das realidades que estão na contramão do Evangelho!

E neste Domingo, dia dos pais, rezemos , ao longo da semana que se segue, pela vocação para a vida em família, a “Igreja doméstica”, pelos nossos casais, também pelos jovens que aspiram ao Matrimônio, sacramento que eleva homem e mulher à “realidade divina”(1) quando realizadas as finalidade do Matrimônio, seja no bem-estar mútuo, na geração e educação dos filhos, na fidelidade, enfim, numa aliança, entre batizados, una e indissolúvel, uma reposta a Deus, sendo testemunhas de sua missão na vida do lar, na Igreja e na sociedade. Que os casados e noivos sejam abençoados e iluminados pela ação do Espírito Santo. Amém.

*   *   *
(1) Cf. Código de Direito Canônico, cânones 1055-1057.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Nosso Coração Arde com Seu Amor

 

O fogo do amor do Senhor,
Faz arder nosso coração,
Traz-nos uma vida nova,
Nos motiva pra missão,
Faz tudo se transformar,
Provoca-nos a caminhar,
Suscita transformação.
*
Fogo aceso em nossas vidas,
Pelo Espírito de amor,
Que queima e purifica,
Pra nascer novo vigor,
Dá coragem e movimento,
Pelo Santo Alimento,
Vivo e transformador!
*
Fogo novo no Espírito,
Que deu vida e alegria,
Fazendo os Seus discípulos,
Viverem em romaria,
Boa-Nova anunciando,
A Jerusalém caminhando,
Em meio a noite e ao dia!
*
Ação divina em nós,
Em meio aos sofrimentos,
Palavra que causa mudança,
Na vida e nos acontecimentos,
Olhos fixos no Senhor,
A fé, a vida e o amor,
Pés firmes e também atentos!
*
Que a santa Eucaristia,
Alimente-nos a esperança,
E sua Palavra viva,
Provoque em nós a mudança,
Convertendo nossa vida,
Fortalecendo a nossa lida,
Com o Amor que não se cansa!

*   *   *

 

Obra: “Nosso Senhor Jesus Cristo”, de J. Tissot (1836-1902). In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que transforma o nosso coração com o fogo do Seu Amor, ilumine o seu caminho! 

 

 

19º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos pequenos e médios empreendedores ⇐
⇒ Mês Vocacional – 1º Domingo: pelas vocações ordenadas (Bispos, Padres e Diáconos) ⇐

 

 

Leituras: Sb 18,6-9; Sl 32(33),1.12.18-19.20.22 (R. 12b); Hb 11,1-2.8-19; Lc 12,32-48

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

Vivendo a Segurança e a Vigilância no Senhor

Lc 12,32-48

 

Meus irmãos e irmãs, a Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum, do Ano C, o primeiro Domingo do mês vocacional em que refletimos e rezamos pelas vocações ordenadas, nos motiva a vencermos o medo, sermos caridosos, estarmos atentos, abraçarmos o desprendimento e vivermos a fé. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 12,32-48.

Para essa Liturgia, o Evangelho nos mostra o Senhor Jesus formando os seus discípulos, orientando-os para a experiência das realidades do Reino. E para que os Seus seguidores estejam preparados, estes devem, em primeiro lugar, perder o medo daquilo que os atrapalham no caminhar, pois o medo os desvia do foco, ou seja, do caminho e da missão.

Nosso Senhor os chama de pequeno rebanho, nome que lembra o povo de Israel. O grupo dos discípulos agora é o novo Israel que segue o Caminho da libertação plena. Libertação que o Senhor realizou na Ressurreição, quando venceu em definitivo a morte e nos presenteou com a vida nova, vida banhada pelo seu Sangue, que nos liberta e nos motiva a viver a verdadeira paz, iluminada e conduzida pelo Espírito Santo.

Outro assunto que a Igreja nos oferta nesta Liturgia é o da esmola. Para seguir o Senhor é preciso partilhar, não somente dos ideais e projetos, mas também dos bens materiais, os quais são, muitas vezes, empecilhos para cultivarmos o bem maior que é o Céu. Jesus agora pede aos discípulos esta atitude, porque percebe a dificuldade de colocar no coração o desejo de construir tesouros eternos, santos, seguros e imperecíveis.

Em seguida, Jesus orienta para a vigilância: “Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas” (Lc 12,35). Esse é um dos maiores desafios para os que seguem o Senhor, pois parece que nunca estamos preparados para as situações que acontecem repentinamente em nossa vida.

Não estamos preparados porque colocamos nossa confiança e nossa segurança nas coisas contrárias às Reino de Deus, apegando-nos àquilo que desejamos adquirir ou que vamos amontoando nas nossas casas e na nossa vida.
Por isso, em certos momentos da nossa existência o medo e a insegurança nos invadem, nos paralisam. E então nos perguntamos: em quem ou em que coloco minha segurança? Somente nas coisas terrenas ou nas realidades divinas?

E muitos serão os desafios que enfrentaremos na vida, muitos serão os “desesperos” e angústias que deveremos passar, mas a nossa capacidade de encarar as barreiras e vencer as provações dependerão da nossa atenção, do nosso amor às realidades essenciais que Jesus nos apresenta. Ainda assim corremos o risco de desviar-nos do Caminho até que coloquemos com toda a força o nosso coração no que Deus nos oferece, o verdadeiro tesouro e perfeita segurança.

Assim como os discípulos que estiveram próximos a Jesus e caminharam com Ele demoraram para aprender sobre as verdades do Reino, nós também devemos nos esforçar para aprendermos e assim possamos estar preparados para quando chegar a nossa hora, inclusive porque não temos a mínima noção de quando será esse momento.

Na Carta aos Hebreus, o autor sagrado nos motiva a refletir sobre o belo e profundo significado da fé. Diz a Carta: “A fé é um modo de já possuir o que ainda se espera, a convicção acerca de realidades que não se veem” (Hb 11,1). Quem tem fé já possui aquilo que se espera, já tem a posse do tesouro que não pode ser corroído. Quem vive na fé já é convicto das coisas de Deus mesmo não enxergando com os olhos físicos, mesmo não apalpando ou usufruindo. Portanto, é preciso, ao mesmo tempo, acreditar, tomar posse e vivenciar a fé. Com isso, se apropriar da fé em nosso cotidiano.

Já está mais do que provado que o apego às coisas materiais, a certas opiniões rígidas e fixas, a certos cargos e funções produz vazio existencial, ou seja, falta de sentido. Com isso vem um conjunto de infelicidades, tais como ansiedade, depressão, perda do sentido de vida. Com a modernidade, desenvolvemos e possuímos tantas tecnologias, mas mesmo assim, corremos o risco de viver a infelicidade se o apego for às coisas materiais.

Precisamos então buscar em Deus as razões fundamentais para vivermos realizados como herdeiros do Pai (cf. Hb 11,9). Porque, pela graça, a nossa felicidade deve ser buscada dentro de nós e não nos arredores, nas coisas exteriores. Às vezes buscamos esta felicidade de forma egoísta, esquecendo que é na partilha, na comunidade que nos completamos e nos realizamos como irmãos, filhos do mesmo Pai.

Portanto, busquemos nossa realização no nosso “ser pessoa” (essência). Também aprendamos a nos relacionar com o mundo e com as coisas, sem sermos escravos. Por fim, o mais importante: “o ser e o viver” com os outros, como comunidade de filhos que partilham e que se amam no Senhor. E neste primeiro Domingo do mês vocacional, busquemos, ainda, rezar ao longo da semana pelos Bispos, Padres e Diáconos para que seus ministérios sejam abençoados e iluminados pela ação do Espírito Santo. Amém.

 

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

Segurança e Vigilância no Senhor

 

Por que termos medo
E insegurança desesperadora?
Diante do mundo,
Nesta vida, neste caminhar.
Se Deus é nossa segurança
E nosso tesouro,
Sentido maior
Que não nos deixa amedrontar.
*
Porque a displicência,
Deixando a vida acontecer?
No egoísmo, na ganância,
A nos consumir.
Quando o amor
É o nosso bem maior,
Sentido principal
Deste nosso existir?
*
O Senhor nos orienta
Sobre o essencial,
Que devemos buscar
Sem afogamento no mar,
Para não sermos
Surpreendidos naquele dia,
Quando Ele virá nos cobrar?
*
Por que precisamos
Viver tanta fadiga?
Sabemos que nos bens
Não está a segurança,
Somente vivendo a fé
De forma completa,
Pois em Deus
Está a nossa esperança.
*
Alegremo-nos,
Pois Ele sempre nos ama,
Devemos abraçá-Lo
Como nosso fundamento,
Rocha firme
Que nos faz perder o medo,
Ele, a nossa Paz,
O amor, nosso alimento.

*   *   *

 

Imagem sacra: “Cristo Pantocrator (extrato) – Paróquia Epifanía do Senhor e São Tomás de Vilanova (Valência, Es). In <epifania.es/parroquia/retablo/cristo-pantocrator>.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos motiva a vencermos o medo, sermos caridosos e vigilantes, ilumine o seu caminho! 

 

 

18º Domingo do Tempo Comum, Ano C, São Lucas

 

⇒ Intenções do Santo Padre, o Papa Francisco: Pelos idosos ⇐

 

Leituras: Ecl 1,2;2,21-23; Sl 89(90),3-4.5-6.12-13.14.17 (R. 1); Cl 3,1-5.9-11; Lc 12,13-21

 

 

⇒ HOMILIA ⇐

 

O Verdadeiro e Infinito Tesouro Somente Encontramos em Deus

Lc 12,13-21

 

MMeus irmãos e irmãs, a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum nos motiva a contemplar Nosso Senhor nos ensinando sobre o verdadeiro tesouro, a verdadeira fonte de riqueza. E o Evangelho desta Liturgia está em Lc 12,13-21.

Assim, o texto próprio de Lucas (cf. 12,13-21) nos ajudará no discernimento diante do dinheiro e dos bens materiais. Jesus conta a parábola do rico tolo, em que um homem coloca todo seu prazer nos seus celeiros e no resultado da colheita de sua terra. Para aquele homem, parecia que tudo estava resolvido na sua vida. Ele poderia, então, descansar, comer e esbanjar seus bens. Como diríamos hoje: “curtir a vida e ficar tranquilo”.

“Mas Deus lhe disse: ‘Louco! Ainda nesta noite, pedirão de volta a tua vida. E para quem ficará o que tu acumulaste?” (Lc 12,20). Pois bem, Deus nos dá a vida terrena, nós a administramos, sonhamos, escolhemos caminhos, fazemos projetos, construímos relações, porém não temos domínio sobre o seu fim. Somente Deus tem esse poder sobre a nossa vida e sobre a morte.

A atualidade dessa passagem evangélica é impressionante! Hoje nos vemos rodeados e estimulados por tantas propostas de consumo, que são colocadas através das diversas formas de publicidades, as quais nos sufocam no nosso cotidiano.

Sem o cultivo da essência humana, sem o alimento da vida interior e espiritual com tantos bons recursos que temos à disposição, tais como boas leituras, boas partilhas fraternas, momentos de oração e meditação, retiros, celebrações, não conseguimos viver a profundidade e o sentido de nossa existência.

E quando não cultivamos as coisas profundas que vem de Deus, ficamos vulneráveis e buscamos preencher nossa existência com a idolatria aos bens materiais ou com pautas das diversas ideologias. Em outras palavras: não priorizamos Deus e Seu amor. Consequentemente ficamos carentes do Tesouro essencial para o nosso existir e do cultivo da nossa espiritualidade, da nossa interioridade em busca do Absoluto.

“Vaidade das vaidades, diz o Eclesiastes, vaidade das vaidades! Tudo é vaidade.” (Ecl 1,2). Biblicamente, o termo vaidade vai além da vaidade no sentido narcisista ou prepotente e também nos remete àquilo que turva a visão, seja como uma neblina na estrada ou uma ilusão(1), não importando se se trata de coisas materiais ou ideias, mas que querem “alimentar” o nosso vazio interior com elementos e motivações superficiais.

Às vezes acontece que quando ficamos ricos das coisas materiais ficamos pobres no que se refere à sensibilidade humana, à vida interior, no cuidado de si e assim nos alimentamos do orgulho, dos ressentimentos, das indiferenças para com o outro.

E São Paulo nos alerta: “esforçai-vos por alcançar as coisas do alto, onde está Cristo… aspirai às coisas celestes e não às coisas terrestres. Pois vós morrestes, e a vossa vida está escondida, com Cristo, em Deus” (Cl 3,1-4).

Precisamos buscar as coisas do alto, não para flutuar ou para nos alienar da realidade humana, mas para alcançarmos o que é essencial em nosso existir, pois, quanto mais vivermos a aspiração às coisas de Deus, melhor viveremos a nossa relação com os bens terrenos, os quais devem estar ao nosso serviço e também destinados ao outro, com quem devemos partilhar, quando houver necessidades.

Que possamos meditar nesta Liturgia sobre a necessidade de buscarmos, em primeiro lugar, a essência de nossa existência em Deus, o cultivo da nossa espiritualidade e a partilha fraterna, para vivermos os sinais do Reino neste nosso peregrinar terrestre, em vista de cultivarmos o sentido da vida, na busca da paz, do amor e da comunhão entre os povos, aspirando, já agora, os tesouros celestiais. Amém.

*   *   *
(1) Cf. Nota de rodapé da Bíblia Sagrada: Tradução oficial da CNBB. 4 ed., 2020.

*   *   *

 

⇒ POESIA ⇐

O Verdadeiro Tesouro

 

OCom um olhar na vida infinita e verdadeira,
Buscando o sentido que nos traz felicidade,
Devemos seguir vivendo na simplicidade,
Sem nos afogarmos nos prazeres das riquezas terrenas,
Que, em muitos dos casos, até nos desordenam,
Trazendo às vezes muitas frustrações e ansiedades,
Pois devemos não levar em conta as tantas vaidades,
Que no final da vida somente nos condenam.
*
Apostar-nos tanto e tanto nos bens materiais,
Como segurança para toda a nossa vida,
Na avareza e nos desprezos pelo “amor” sem medida,
É desconhecer o sentido na Palavra do Senhor,
Que veio para perto de nós com o Seu amor.
É como construir nossos sonhos nas ilusões,
Ficando mergulhado nas tantas paixões,
Que no final somente nos traz insegurança e dor.
*
Fitemos então o olhar e nosso foco no essencial,
Que é buscar as coisas na vida que não há de acabar,
Segurança nos bens celestes a nos esperar,
Como sendo a nossa principal riqueza,
Uma vida infinita em Deus e na sua eterna beleza,
Que jamais fomos capazes de contemplar,
E que nunca, e nunca irá acabar,
Porquê estaremos ao lado da Divina Realeza.

*   *   *

 

Obra: “O Homem que Acumula”, de J. Tissot (1836-1902). In brooklynmuseum.org.

 

⇒ Que a Palavra e a Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos oferece o verdadeiro tesouro da vida, ilumine o seu caminho!